O que são animais híbridos?

08 Outubro, 2020
O fato de os pais serem de espécies diferentes pode fazer com que os filhos tenham comportamentos de ambos ou de apenas um deles. É o caso dos animais híbridos.

A princípio, para que duas espécies diferentes tenham descendência na forma de animais híbridos, ambas devem ter um comportamento semelhante e uma conduta de cortejo que os dois indivíduos entendam.

Além disso, eles devem ter um número semelhante de cromossomos, e as informações armazenadas neles devem ser quase as mesmas. Caso contrário, é muito provável que nenhuma prole híbrida seja produzida. Se você quiser saber mais sobre a hibridização entre diferentes espécies, encorajamos você a continuar lendo.

O mundo da hibridização

Se partirmos do pressuposto de que, para copular, ambos os progenitores precisam ter um comportamento semelhante, poderíamos observar na prole traços mais assimilados a uma espécie ou outra?

Para responder a essa pergunta, devemos saber que existem muitos traços comportamentais herdados dos progenitores, da mesma forma que existem comportamentos adquiridos por meio do aprendizado e da observação do grupo social.

Foi em laboratórios, com modelos animais, onde mais se estudou o comportamento de animais híbridos, sem esquecer sua criação para zoológicos, como o ligre. Contudo, também existem híbridos naturais, como acontece com algumas espécies de patos.

Animais híbridos: o caso do rato de laboratório

Uma vez que o rato é usado como modelo animal em laboratórios, foram criadas cepas consanguíneas muito específicas. Dependendo do estudo a ser realizado pelo grupo de pesquisa ou pelo laboratório, é escolhida uma cepa ou outra.

O mundo da hibridização

Existem muitas evidências de diferenças comportamentais entre as distintas variedades de ratos. Portanto, a ação dos diferentes compostos farmacológicos que podem ser testados sobre eles pode ter resultados diferentes.

Isso porque o desenvolvimento neuroanatômico e as características fisiológicas desses camundongos são diferentes devido a causas genéticas.

Em um estudo, o comportamento de várias linhagens de camundongos foi analisado por meio de testes para classificar o comportamento emocional (ansiedade, estresse e depressão), desempenho motor, aprendizado espacial e memória.

A partir dessa pesquisa, pode-se concluir que existem animais híbridos que são mais propensos ao estresse ou à ansiedade. Outras cepas são piores em tarefas espaciais devido a uma visão deficiente.

Por outro lado, em estudos anteriores, foi demonstrado que os animais híbridos tinham melhor memória do que os pais, fenômeno conhecido como vigor híbrido. Isso ocorre em muitas espécies de animais e plantas, como foi demonstrado pelo cruzamento de raças puras de aves e porcos.

O ligre: o conhecido híbrido de leão e tigre

Um ligre é a prole produzida pelo cruzamento de um leão (Panthera leo) com uma tigre (Panthera tigris). Esse animal híbrido é produto dos seres humanos, criado há vários séculos.

No que diz respeito ao comportamento, os leões são animais principalmente diurnos e também vivem em grandes grupos. Em contraste, os tigres são noturnos e solitários. Os ligres têm um comportamento mais parecido com o dos leões. Por outro lado, esse cruzamento geralmente dá uma descendência estéril em quase todos os casos, no entanto, muitas fêmeas de ligre são férteis.

O comportamento em animais híbridos

O fato de um animal híbrido apresentar comportamentos relacionados com um ou ambos os pais depende em grande parte da espécie cruzada e do ambiente em que é criado.

O cuidado parental (geralmente da fêmea no caso dos mamíferos) influencia muito o comportamento da prole. Portanto, é mais provável que o comportamento da prole híbrida seja mais semelhante ao de sua mãe, que é quem ensina a sobreviver.

O comportamento

Geralmente, tudo parece apontar para a existência de um progenitor dominante sobre o outro do ponto de vista comportamental. Porém, quando o híbrido resulta de duas espécies muito semelhantes, como é o caso das mulas, é difícil distinguir entre os comportamentos de um e de outro.

  • Hoy, R. R., Hahn, J., & Paul, R. C. (1977). Hybrid cricket auditory behavior: evidence for genetic coupling in animal communication. Science, 195(4273), 82-84.
  • Pate, R. K. (2014). Hybrid animals-an interesting update.
  • Võikar, V., Kõks, S., Vasar, E., & Rauvala, H. (2001). Strain and gender differences in the behavior of mouse lines commonly used in transgenic studies. Physiology & behavior, 72(1-2), 271-281.
  • Warren, D. C. (1927). Hybrid vigor in poultry. Poultry Science, 7(1), 1-8.