Os animais têm senso de humor?

13 Outubro, 2020
Compreender as emoções dos animais é um processo complexo, para dizer o mínimo. Portanto, é natural se perguntar se eles sentem as coisas da mesma forma que nós, como o senso de humor.

Hoje, ainda não entendemos os sentimentos no mundo animal. Tentar comparar o mundo complexo das emoções humanas com as de outros animais, em última análise, nos leva a um ponto em que pode parecer que outros seres não sentem como os humanos.

Isso se deve à nossa posição antropocêntrica e à maneira como extrapolamos nossos sentimentos em relação aos outros animais. Não podemos fingir que os animais têm um senso de humor comparável ao dos seres humanos, já que o pensamento abstrato e a complexidade da nossa linguagem não o permitem.

Pelo contrário, existem evidências científicas e observações que nos mostram que os animais têm sentimentos e emoções complexas. Isso ocorre porque eles têm todo o complexo hormonal e os neurotransmissores que dão origem às emoções.

Humor e sentimentos

O senso de humor é a capacidade que o ser humano tem de expressar ou sentir “o cômico”. Ou, o que é a mesma coisa, transformar situações emocionalmente difíceis para não ser derrotado.

Quando algo nos diverte, mecanismos que nos fazem sentir bem são ativados no nosso cérebro. Isso também ocorre em outros animais, principalmente naqueles que têm cérebro desenvolvido.

A brincadeira e comportamentos semelhantes, mais presentes nos jovens, fazem parte do que poderíamos chamar de senso de humor nos animais. Trata-se de brigas ou lutas envolvidas em um ambiente não agressivo que promovem o vínculo entre os indivíduos de um grupo social, da mesma forma que ocorre com os humanos.

Humor e sentimentos

O riso em golfinhos

Existe um vídeo no YouTube, com mais de 21 milhões de visualizações, no qual observamos uma menina dando cambalhotas e outros truques em frente ao vidro de um lago de golfinhos. Um deles parece estar encantado com a exibição da garota e faz caretas que poderíamos relacionar com uma risada. Isso pode mostrar que os golfinhos têm senso de humor?

Um grupo de cientistas da Universidade de Linköping, na Suécia, descobriu que alguns golfinhos emitiam sons muito particulares quando lutavam de forma não agressiva, ou seja, quando pareciam brincar.

Depois disso, eles realizaram um experimento cujos resultados confirmaram a hipótese. Quando golfinhos jovens e semiadultos brincam ou se envolvem nessas lutas não agressivas, eles emitem uma explosão de pulsos ultrassônicos com um apito final, altamente distinto e não observado no combate adulto real.

Os pesquisadores concluíram que, para comunicar que a situação não é agressiva e é apenas uma brincadeira, os golfinhos emitem esse som que poderíamos definir como riso.

Para entender melhor, se expusermos do ponto de vista humano, certas frases ou palavras podem ser ofensivas em certas circunstâncias. Mas, em outro contexto, não.

O senso de humor em ratos

No final dos anos 1990, o cientista Panksepp e seus colegas da Universidade de Washington se dedicaram a estudar a alegria nos ratos e até que ponto eles a demonstravam. Dessa forma, eles descobriram que os ratos emitiam sons a 50 kHz (ultrassons inaudíveis para humanos, mas audível por máquinas) durante a cópula.

Ao mesmo tempo, eles observaram que regiões associadas com a alegria, o bem-estar e o prazer foram ativadas no cérebro do rato.

Além disso, observaram que os ratos riam ao brincar com seus companheiros. Da mesma forma, quando o pesquisador desenvolvia certo vínculo com o animal para que ele confiasse nele, se ele lhe fizesse cócegas, o rato ria.

O senso de humor em ratos

Pesquisas mais recentes mostram que essas cócegas, quando o rato está de bom humor (como nos humanos), ativam áreas do cérebro relacionadas ao prazer. Isso acontece sempre e quando o rato sente confiança.

Diante desses estudos e dessas demonstrações do senso de humor nos animais, entendemos que ainda há muito a ser investigado. No entanto, são sinais claros de que os animais têm sentimentos complexos, assim como os humanos.

  • Amundin, M. An Acoustic Play-Fight Signal in Bottlenose Dolphins (Tursiops truncatus) in Human Care.
  • Panksepp, J., & Burgdorf, J. (1999). Laughing rats? Playful tickling arouses high frequency ultrasonic chirping in young rodents. Toward a science of consciousness III, 231-244.
  • Panksepp, J. (2007). Neuroevolutionary sources of laughter and social joy: Modeling primal human laughter in laboratory rats. Behavioural brain research, 182(2), 231-244.