Meu animal de estimação está inconsciente: o que pode ter acontecido?

30 Setembro, 2020
Encontrar o animal de estimação inconsciente pode ser muito assustador. Não é possível saber o que aconteceu, nem se é reversível. Uma coisa é certa: é preciso agir com cautela e rapidez.

Meu animal de estimação está inconsciente: o que pode ter acontecido? A perda de consciência ocorre em vários níveis e tem múltiplas causas. O estupor, por exemplo, é um estado de consciência deprimida no qual o animal responde apenas a estímulos fortes.

O coma, no entanto, é um estado de perda de consciência no qual o animal não acorda, nem mesmo com estímulos dolorosos. Portanto, quando um animal de estimação fica inconsciente, o que pode ter acontecido?

Para reverter o estado de falta de consciência do animal, será essencial estabelecer o grau e a causa. E, a partir de então, estabilizar o animal e tentar fazer com que ele recupere a consciência.

Meu animal de estimação está inconsciente: como devo agir?

Sem dúvida, a primeira resposta deve ser consultar um profissional. Acima de tudo, porque a maioria das situações que causam a perda de consciência é grave e pode colocar a vida do animal em risco. É aconselhável entrar em contato com um veterinário para que ele dê as orientações a serem seguidas.

Primeiro passo: localizar o foco da perda de consciência

O exame neurológico deve ser usado para encontrar a local provável da patologia que levou ao estupor ou ao coma. Independentemente da localização, a capacidade de andar e de manter a postura é inexistente em ambos os casos, e os reflexos medulares podem estar normais ou aumentados.

Se a lesão estiver nos hemisférios cerebrais

Os órgãos inervados pelos nervos cranianos podem estar alterados, o que geralmente pode ser observado por meio da avaliação dos olhos. Por exemplo, pode haver falta de resposta das pupilas à luz direta ou até mesmo cegueira.

Meu animal de estimação está inconsciente

Se a lesão estiver no tronco cerebral

Também pode afetar os nervos cranianos, como vimos na seção anterior. Mais uma vez, muito provavelmente serão os olhos que darão a pista. Algumas manifestações são: pupilas dilatadas, estrabismo, ausência de nistagmo fisiológico, etc.

Outros sinais, já mais generalizados, podem ser apneia, hiperventilação ou alteração da postura.

Segundo passo: investigar a causa

Devido a uma disfunção cerebral

Doenças inflamatórias ou metabólicas, neoplasias intracranianas e hidrocefalia podem causar essa disfunção cerebral. Na maioria dos casos, elas vão cursar com algum grau de perda de consciência do animal.

O tratamento da disfunção cerebral terá duas vertentes. Uma com o objetivo de eliminar a causa inicial e a outra buscando reduzir a pressão intracraniana.

Devido a uma condição do tronco encefálico

Novamente, neoplasias, inflamação, etc., podem levar a uma disfunção aguda ou progressiva do tronco encefálico. Para o seu tratamento, pode ser necessário aplicar quimioterapia, antimicrobianos ou anti-inflamatórios.

Traumatismos e hemorragias no tronco encefálico também podem levar a uma disfunção aguda.

Por causa de uma hérnia cerebral

Novamente, neoplasias, doenças inflamatórias do cérebro ou traumatismos podem causar o aumento da pressão intracraniana. Também podem causar uma hérnia do tecido cerebral, podendo comprimir o tronco encefálico.

Uma hérnia cerebral geralmente é precedida por horas ou dias de disfunção progressiva do diencéfalo, levando o animal à perda da consciência.

Meu animal de estimação está inconsciente: causas metabólicas

As doenças metabólicas podem gerar uma disfunção cerebral difusa, com sinais progressivos. Isso fica evidente primeiramente com a alteração da visão, até que chega o estupor ou o coma.

É o caso do coma diabético, da insolação, das encefalopatias de origem hepática ou renal, da hipoglicemia, do coma hipotireoideo, da hipóxia, etc. Agentes tóxicos, tais como metais pesados, barbitúricos, narcóticos, ivermectina ou tranquilizantes também podem causá-la.

O problema é que a intoxicação pode ser tratada com uma lavagem estomacal ou um antídoto, se houver, mas a doença metabólica pode ser muito mais complexa.

Por causas vasculares

O estupor ou o coma podem ser o resultado de um infarto ou uma hemorragia cerebral, que mais uma vez causa um aumento da pressão intracraniana. As causas de acidente vascular cerebral em animais incluem:

  • traumatismos
  • neoplasias e metástases
  • distúrbios da coagulação
  • doença cardíaca e hipertensão
  • trombos por causa da presença de parasitas no sangue (por exemplo, na dirofilariose).

No entanto, na maioria das vezes, não é identificada nenhuma causa subjacente. As doenças cardiovasculares predisponentes, tão comuns em humanos, são raras em animais.

Se houver suspeita de doença cardiovascular, é preciso fazer testes de coagulação e medir a pressão arterial. O infarto cerebral é tratado por meio de:

  • um tratamento de suporte ao paciente
  • controle de qualquer doença subjacente
  • e redução da pressão intracraniana.
Meu animal de estimação está inconsciente

Meu animal de estimação está inconsciente: ação rápida

Embora as causas da perda de consciência, conforme podemos ver, geralmente sejam graves, a detecção e a abordagem precoces podem devolver o animal ao seu estado normal.

Tudo vai depender de uma ação rápida e das informações que o dono fornecer ao veterinário sobre a saúde do animal de estimação, bem como, acima de tudo, da gravidade da causa subjacente.

  • King L, Boag A. BSAVA manual of canine and feline emergency and critical care. 2nd ed.