Atualizações sobre os cuidados com os ratos de laboratório

06 Junho, 2020
Os ratos de laboratório são um dos animais mais utilizados para a experimentação. Por esse motivo, seu cuidado está incluído nas diferentes leis.

Os roedores, nesse caso os ratos de laboratório, são o primeiro elo para estudar os efeitos de novos medicamentos ou técnicas médicas. Seu uso como animal de laboratório remonta ao século XVI. Desde então, os ratos foram utilizados para estudos neurológicos, a fim de determinar a toxicidade de produtos ou a letalidade de um produto químico.

Para que os resultados sejam significativos e tenham valor científico, é essencial manter o bem-estar animal. Cuidar dos ratos de laboratório envolve não apenas o fato de eles serem alimentados e limpos, mas também de todo o repertório comportamental que a sua etologia implica.

A pesquisa com animais é um tópico extremamente controverso devido às implicações éticas e morais do uso de animais para benefício humano. Isso porque, em quase todos os casos, a vida desses seres termina, seja pela própria experimentação ou pela eutanásia final.

Portanto, a experimentação com exemplares animais é estritamente regulamentada, antes e durante a experiência.

Apesar de se continuar estudando o comportamento do rato em cativeiro, como o bem-estar desses animais de laboratório pode ser melhorado ou como refinar as técnicas para infligir menos dor ou angústia a eles, a legislação não é atualizada.

Na ausência de regulamentação global, cada país evolui no seu próprio ritmo e, em alguns casos, houve alguma mudança desde 2013.

O rato como modelo animal

O rato de laboratório, usado para fins experimentais, foi criado por milhares de gerações em condições controladas. Por esse motivo, hoje existem cepas usadas para a investigação de doenças específicas e outras para analisar os efeitos de certos produtos químicos, sejam eles aditivos ou conservantes alimentares, herbicidas, venenos e muitos outros produtos.

A rápida passagem geracional, a facilidade de criação do rato e a sua semelhança com a fisiologia humana fazem desse animal um bom modelo de estudo. No entanto, não podemos esquecer que eles são seres sencientes e que requerem condições e um ambiente que os mantenha saudáveis, tanto física quanto psicologicamente.

Cuidando dos ratos de laboratório

Para o cuidado com os ratos de laboratório, o tipo de alojamento, a idade e o peso devem ser levados em consideração. Já que, dependendo de tudo isso, os animais são alojados de uma maneira ou de outra, de acordo com a legislação vigente de cada país.

Os ratos que têm um peso corporal entre 200 e 600 gramas devem ser mantidos em um recinto com uma área de superfície superior a 800 centímetros quadrados. Mas, se os ratos pesarem mais de 600 gramas, a gaiola em que vivem deve ser maior que 1.500 centímetros quadrados.

Cuidando dos ratos de laboratório

Outros fatores a serem considerados são sons e vibrações, temperatura ambiente e ventilação. Os ratos são animais com uma audição aguçadaEles são capazes de ouvir o ultrassom, algo que um ser humano não consegue. Portanto, é essencial manter distantes deles qualquer dispositivo eletrônico que os produza.

Parte dos sons que os ratos produzem estão em uma frequência acima de 20 KHz – ultrassom -, por esse motivo, eles podem ficar muito estressados ​​se o som não vier dos seus companheiros.

Em relação à temperatura, a faixa ideal está entre 19 e 23 ºC. Se variar cerca de 2 graus para cima ou para baixo, funções vitais, como a reprodução, podem ser interrompidas. Além disso, se a temperatura ficar muito baixa ou muito alta, podem ser observados danos fetais.

Por outro lado, o ambiente onde os ratos estão alojados deve trocar o ar regularmente. Se a ventilação com ar recirculado for utilizada, impurezas e bactérias podem causar prejuízos à saúde e ao bem-estar dos ratos.

Por fim, o ciclo claro-escuro também deve ser controlado, que geralmente é de 12-12, ou seja, 12 horas com luz e 12 com escuridão. Se o estudo realizado estiver dentro da faixa escura, os técnicos devem trabalhar sob uma luz vermelha – invisível para os ratos – e não perturbá-los. Infelizmente, isso geralmente não é levado em consideração e não é obrigatório.

A nutrição dos ratos de laboratório

A nutrição

Os requisitos nutricionais de alguns animais de laboratório são amplamente documentados. Por outro lado, existe um desconhecimento sobre a alimentação de certos primatas não humanos e outros animais experimentais.

Esse não é o caso dos ratos, sobre os quais sabemos quais são as necessidades de proteínas, gorduras, carboidratos, vitaminas, sais minerais e fibras. 

Atualmente, existe uma comercialização de alimentos totalmente equilibrados para ratos e camundongos de laboratório. Esse alimento foi projetado para oferecer ao rato todos os nutrientes que ele necessita e, devido à sua dureza, servem para desgastar os dentes. Algo fundamental em roedores.

Pelo contrário, como a alimentação deles é tão facilitada, esquecemos que os ratos precisam procurar pela comida – um comportamento totalmente natural e saudável que, além disso, evita o tédio.

A forragem deve fazer parte do enriquecimento ambiental obrigatório que os ratos devem ter.

O papel do enriquecimento ambiental 

O enriquecimento compreende um conjunto de objetos, materiais e alimentos, simulando o ambiente natural do rato. Dessa forma, evitamos o tédio nos animais, que podem exibir todos os seus comportamentos naturais.

As consequências de um ambiente pouco enriquecido podem ser terríveis. Desde o aparecimento de estereotipias ou comportamentos repetitivos sem finalidade, a comportamentos deletérios, quando os animais se mutilam.

Para os ratos, o tipo mais importante de enriquecimento ambiental é o social. Esses animais precisam da companhia constante de seus congêneres que, em condições de laboratório, são indivíduos do mesmo sexo.

Ocasionalmente, um estudo pode envolver a individualização dos animais. Isso é contemplado apenas em investigações de curto prazo e, se realizado em um estudo mais duradouro, deve ser rigorosamente justificado.

O papel do enriquecimento ambiental 

Por fim, os ratos sempre devem ter material para criar um ninho de descanso e algum objeto para roer. Idealmente, outros brinquedos devem ser administrados, porém não são necessários.

Definitivamente, essa não é a melhor maneira de manter os animais, muito menos usá-los para tais finalidades. Os pesquisadores devem trabalhar em direção a um mesmo objetivo: acabar com o uso de animais para pesquisas em laboratório.

  • Benjamin, B. (2019). Overview of laboratory animal lifestyle, care, and management: a case study of albino rats. Journal of Applied Sciences and Environmental Management, 23(8), 1431-1435.
  • Couto, M., & Cates, C. (2019). Laboratory guidelines for animal care. In Vertebrate Embryogenesis (pp. 407-430). Humana Press, New York, NY.
  • Hurst, J. L., Barnard, C. J., Nevison, C. M., & West, C. D. (1997). Housing and welfare in laboratory rats: welfare implications of isolation and social contact among caged males. Animal Welfare, 6(4), 329-347.
  • Ley 32/2007, de 7 de noviembre, para el cuidado de animales, en su explotación, transporte, experimentación y sacrificio (BOE 8-11-2008).
  • Real Decreto 53/2013, de 1 de febrero, por el que se establecen las normas básicas aplicables para la protección de los animales utilizados en experimentación y otros fines científicos, incluyendo la docencia (BOE 8-2-2013).
  • Whishaw, I. Q., & Kolb, B. (2020). Analysis of behavior in laboratory rats. In The Laboratory Rat (pp. 215-242). Academic Press.