Uma baleia foi salva da morte certa

31 Outubro, 2020
Embora o encalhe de cetáceos seja comum e esteja ligado a certos eventos naturais, muitas vezes é apenas uma questão de azar. Hoje vamos contar o caso de uma baleia que foi resgatada com sucesso.

O encalhe de baleias e muitos outros animais marinhos está se tornando mais comum. Na maioria dos casos, os animais já chegam mortos às margens. Felizmente, uma baleia foi salva há poucos meses na costa de Hartlepool, na Inglaterra.

Como foi possível salvar a baleia-de-minke (Balaenoptera acutorostrata )? A ação rápida e coordenada entre a guarda costeira e a unidade de resgate de espécies marinhas foi essencial para que essa baleia fosse salva com sucesso.

A baleia que foi salva de um fim terrível

Muitos animais marinhos vão em direção às praias por vários motivos: comida, águas mais quentes, desorientação, etc. No entanto, a maioria retorna às águas mais profundas, embora nem sempre consigam.

Na manhã do dia 2 de agosto, por volta das 11h, extremamente perto da costa de Hartlepool, uma baleia-de-minke parecia estar em sério risco de encalhar. Os guardas costeiros que viram o animal pela primeira vez notificaram o British Divers Marine Life Rescue (BDMLR), especialistas em resgate.

Quando chegaram, a própria guarda costeira, junto com uma equipe de médicos veterinários especializados em mamíferos marinhos, cuidaram do animal. Os veterinários fizeram um a avaliação completa para garantir que a baleia pudesse ser solta diretamente e não precisasse passar por um centro de recuperação.

O BDMLR tentou manter o animal próximo à costa para poder monitorá-lo e verificar se seus sinais vitais estavam bons. A baleia-de-minke tinha outros planos, porque assim que pôde, deu meia-volta e entrou em águas profundas.

Assim, a baleia foi resgatada. Do contrário, é muito provável que, devido ao cansaço ou à desorientação, ela nunca mais conseguisse retornar às profundezas.

A baleia que foi salva de um fim terrível

Por que as baleias encalham?

Desde sempre, as baleias encalham em todas as praias do mundo, algumas com mais frequência devido às rotas migratórias.

A principal causa do problema atual com os numerosos encalhes de animais marinhos são as atividades humanas, embora haja outras razões.

Quando uma baleia está muito doente ou já morreu, é fácil para ela ser arrastada para a praia entre as correntes e as marés. O mesmo acontece com os animais gravemente feridos, que ao perderem as forças não conseguem nadar para onde querem ou seguir o próprio grupo.

Por outro lado, existem os encalhes devido a problemas de navegação. As baleias, como outros cetáceos, orientam-se graças à ecolocalização.

Depois de uma forte tempestade ou em áreas rasas onde a areia é tão fina que flutua na água, a ecolocalização falha e o animal pode ficar desorientado.

Da mesma forma, os ruídos altos feitos por navios no mar, como gigantescos canos de gás submarinos cruzando os mares, também podem interferir no sofisticado radar das baleias.

Um dos problemas mais recorrentes é o emaranhamento acidental com redes de pesca, ativas ou abandonadas. Esses dejetos humanos podem imobilizar totalmente a baleia ou causar ferimentos graves.

As causas que fizeram com que a baleia salva na costa de Hartlepool se encontrasse nessa situação são desconhecidas. Aparentemente, o animal não apresentava lesões, portanto, a hipótese mais sustentada é a desorientação.

Como agir ao encontrar um animal marinho encalhado

Animais marinhos como os cetáceos, tartarugas e tubarões, entre outras espécies, são rigorosamente protegidos em diversos países do planeta. Se infelizmente você se deparar com um desses exemplares, a primeira coisa a fazer é notificar as autoridades competentes.

Enquanto eles se deslocam para o local, você pode tentar, no mais estrito silêncio, manter o animal hidratado (quando forem cetáceos). No caso de répteis, é melhor monitorá-los a uma distância segura.

Em hipótese alguma você deve devolver o animal ao oceano, pois, se ele ficou encalhado, provavelmente foi por algum problema e ele deve ser avaliado por um veterinário qualificado.

No caso de encontrar um animal morto, ele também não deve ser tocado e as autoridades sempre devem ser notificadas. A necropsia subsequente oferecerá uma infinidade de dados essenciais para monitorar as populações e suas ameaças.

O caso da baleia que foi salva da morte certa é um exemplo perfeito do comportamento correto diante de um encalhe. A gestão das autoridades permitiu esse cetáceo fosse capaz de nadar livre novamente.

  • Arbelo, M., de los Monteros, A. E., Herráez, P., Andrada, M., Sierra, E., Rodríguez, F., … & Fernández, A. (2013). Pathology and causes of death of stranded cetaceans in the Canary Islands (1999− 2005). Diseases of aquatic organisms, 103(2), 87-99.
  • Brownlow, A., ten Doeschate, M. T. I., & Davison, N. (2020). Scottish Marine Animal Stranding Scheme (SMASS) Annual Report 2017.
  • Cordes, D. O. (1982). The causes of whale strandings. New Zealand Veterinary Journal, 30(3), 21-24.
  • Evans, K., Thresher, R., Warneke, R. M., Bradshaw, C. J., Pook, M., Thiele, D., & Hindell, M. A. (2005). Periodic variability in cetacean strandings: links to large-scale climate events. Biology letters, 1(2), 147-150.
  • Unknown. (August 2020). Minke whale on Hartlepool coast saved from being stranded. BBC NEWS. Disponible en: https://www.bbc.com/news/uk-england-tees-53628860?intlink_from_url=https://www.bbc.com/news/topics/clm1wxp533pt/animals&link_location=live-reporting-story