Borzoi: uma raça de cachorro desenvolvida na Rússia

23 Julho, 2020
O galgo russo, mais conhecido como borzoi, é um cão muito ágil e atlético. Conhecido entre os criadores de cães por seu bom caráter e pelagem bonita, esse cão vai surpreender você.

O borzoi é um cão de aparência graciosa e elegante. Originou-se para cumprir tarefas de caça em terreno aberto. Para desempenhar essa função, essa raça tem uma visão apurada e pode correr em grande velocidade.

O galgo russo ou borzoi teve seu momento de máxima glória na corte dos czares. Na corte, ele foi criado com grande habilidade para caçar o lobo siberiano.

Caçador ideal também de pequenos animais, é um cão afetuoso e obediente com seu dono, mas extremamente desconfiado em relação a estranhos. Também é conhecido como barzoi ou cão doméstico russo.

História e antecedentes do borzoi

A aristocracia russa gerou o borzoi por várias centenas de anos. Seu nome vem da palavra russa borzyi, que é traduzida como ‘rápido’.

No século XIII, a caça de lebres era um esporte popular entre os aristocratas. Depois de dois ou três séculos, era comum cruzar cães de caça para aumentar o tamanho e melhorar a pelagem da raça original.

O primeiro exemplar do borzoi foi documentado em um livro de regras de caça no século XVII. Há documentação dos cuidados que foram dados a esses cães de caça na corte russa.

História e antecedentes do borzoi 

A importância dessa raça é revelada em um dos documentos encontrados sobre uma caçada do Grão-duque Nicolai Nicolaevich. Na ocasião, mais de 100 cães caçadores Borzoi, juntamente com outros batedores, cavalos e caçadores, viajaram longas distâncias de trem para participar do evento.

No final do século XIX, havia sete subtipos diferentes da raça borzoi na Rússia. O Grão-duque Nicolai Nicolaevich preservou a raça borzoi que descendia da raça Perchino.

A maior parte das primeiras importações para a América foi trazida diretamente dos canis do Grão-duque. O czar russo deu muitos borzoi à realeza visitante. A Revolução Russa acabou com a prosperidade da nobreza e, posteriormente, muitos cães dessa raça morreram.

Nos Estados Unidos, essa raça de cães ficou famosa como um cão glamuroso que acompanhava estrelas de cinema. O borzoi é popular como animal de estimação e é principalmente apreciado por sua aparência elegante e seu valor como um cão de caça e exibição.

Características físicas e temperamento

O borzoi tem um comportamento elegante e aristocrático. Possui um casaco de pelos longo e sedoso que pode ser encaracolado ou liso e ondulado. Seu lindo pelo é vital para se adaptar a climas extremamente frios.

Para a tarefa de caça, essa raça corre em um ritmo muito rápido e é, ao mesmo tempo, mais robusta que os galgos. Além disso, tem mandíbulas poderosas o suficiente para pegar um lobo.

Características físicas e temperamento

Geralmente, é bom com crianças e tímido com estranhosO borzoi é um espécime ideal para manter como cão de companhia por ter um bom caráter.

Ao ar livre, o cão corre solto e até persegue pequenos animais. Esse cão é reconhecido por sua natureza independente e sensível.

Cuidados e saúde do borzoi

Eles funcionam melhor como cães domésticos se tiverem acesso fácil a um quintal. Um borzoi pode residir ao ar livre em clima frio, desde que seja oferecido abrigo quente e roupas de cama macias. O macho tem uma pelagem mais cheia do que a fêmea e, em ambos os casos, exige uma escovação duas ou três vezes por semana.

Essa raça de cão precisa fazer uma boa quantidade de exercício todos os dias. Devido à sua natureza de caçador, tem muita energia acumulada.

Além disso, tem uma expectativa de vida média de 10 a 12 anos, mas a raça borzoi é propensa a problemas de saúde significativos, como a torção gástrica. Esses animais também podem sofrer de problemas menos graves, como cardiomiopatia e hipotireoidismo.

O borzoi reage adversamente à anestesia com barbitúricos. Para identificar alguns desses problemas, o veterinário pode realizar exames periódicos da tireoide e cardíacos nessa raça de cão.

  • Granados, J. L., Martínez, L. M., & Galindo, V. (2013). Torsión lobar pulmonar espontánea en un canino mestizo y posterior desarrollo de una neoplasia ósea apendicular: reporte de caso. Revista de la Facultad de Medicina Veterinaria y de Zootecnia. Volumen 60, Numero 1. Pp. 49-60.
  • Gamón Asins, E. (2015) Función diastólica en perros de razas lebreles. Universidad de Zaragoza, Trabajo de Grado.
  • Conaway, D. H., Padgett, G. A., Bunton, T. E., Nachreiner, R., & Hauptman, J. (1985). Clinical and histological features of primary progressive, familial thyroiditis in a colony of borzoi dogs. Veterinary pathology. Volumen 22, 5. Pp. 439-446.