Um cachorro perdido anda 80 quilômetros até chegar em casa

09 Novembro, 2020
Cleo, um Labrador de quatro anos, viajou mais de 80 quilômetros para chegar até sua antiga casa depois de se perder. Descubra como ela fez isso.

Em maio passado, uma notícia surpreendente apareceu nos jornais americanos: um cachorro perdido havia caminhado 50 milhas (80 quilômetros) até sua antiga casa, em busca de seus tutores.

Por mais surpreendente e adorável que seja essa história, o evento destaca o pouco conhecimento que ainda temos sobre o sentido de orientação e memória dos cães. Como esse animal conseguiu percorrer uma distância tão longa para chegar em casa? Quais mecanismos fisiológicos os cães usam para encontrar o caminho de volta? Se você quiser saber as respostas a essas perguntas, continue lendo.

A notícia

Em 12 de julho, uma fêmea de labrador de quatro anos foi dada como desaparecida na cidade de Olathe, Kansas (Estados Unidos). Para a surpresa da mídia, esse corajoso cão foi encontrado em sua antiga casa em Lawson, Missouri, a quase 96 quilômetros de distância de onde tinha sido relatado seu desaparecimento.

O jornal Daily Star relata que os atuais donos da casa (que moravam nela há dois anos) localizaram o cachorro rondando a casa e, depois de algum tempo de suspeita, eles conseguiram conquistar a confiança do animal e levá-lo ao veterinário. A cadela, chamada Cleo, foi devolvida aos seus tutores, que estavam a mais de 80 quilômetros de distância.

Essa notícia é especialmente surpreendente não só pelo caminho inimaginável que o cão teve que percorrer para chegar à sua antiga casa, mas porque ele certamente também teve que atravessar estradas cheias de trânsito e até pontes movimentadas e um rio.

A notícia

Como um cachorro perdido se orienta?

Esse não é o primeiro caso em que um animal perdido encontrou o caminho de volta para casa. Por exemplo, em 2014, uma gata chamada Holly viajou mais de 320 quilômetros para voltar para casa, depois de ter se perdido quando estava viajando de férias com seus tutores. Também houve o caso de Hank, um cão que caminhou 17 quilômetros para voltar ao seu abrigo de animais depois de ter sido transferido para um lar adotivo.

Como os cães e outros animais de estimação conseguem se orientar em distâncias tão longas ainda é parcialmente um mistério. Como em muitos outros casos, essa habilidade extraordinária parece residir na eficácia do olfato caninoOs cães têm de 220 milhões a 2 trilhões de receptores olfativos em seu nariz, o que se traduz em uma capacidade extraordinária de reconhecer e seguir rastros e cheiros.

Além de seguir os cheiros diretamente, eles também são capazes de ligar cadeias cíclicas de aromas para chegar a um ponto específico. Ou seja, se eles não encontrarem o cheiro de casa diretamente, podem tentar reconhecer o cheiro de uma placa ou de um recipiente de lixo que esteja a alguma distância da sua casa para se aproximar gradativamente do seu objetivo.

Nem tudo é uma questão de olfato no caso de um cachorro perdido

De acordo com a revista Science, os cães também podem usar o campo eletromagnético da Terra para se localizar no espaço tridimensional. Isso permitiria que eles criassem atalhos em terrenos desconhecidos, aproximando-os do seu destino com mais rapidez e eficiência.

Essas suspeitas se embaralham devido a estudos científicos, como o da fonte citada, em que aparelhos GPS são colocados em cães para saber como eles retornam aos seus tutores depois de seguirem um rastro que lhes é chamativo. Os resultados mostram que eles poderiam usar a disposição do campo eletromagnético terrestre para planejar suas rotas, embora isso ainda precise ser mais estudado.

Nem tudo é uma questão de olfato

Um final feliz que nem sempre se torna realidade

Para cada um dos casos como Cleo, Holly ou Hank, existem milhares de outros malsucedidos em que os animais perdidos nunca conseguem voltar para casa. Em parte, isso acontece porque os cheiros não duram para sempre. Essas partículas se dissipam no ar ao longo do tempo, dependendo de vários fatores, como umidade ou vento, impossibilitando o retorno do cão para casa.

Por esse motivo, é necessário que todos os tutores de animais de estimação tenham um cuidado especial no dia a dia ao expor os animais ao ambiente externo. Por mais que estimular a curiosidade seja sempre apropriado para os cães, controlar seus movimentos com cuidado sempre será essencial para evitar problemas.

  • Dog goes on 57-mile walkies to old home family moved away from two years ago, Daily Star. Recogido a 4 de agosto en https://www.dailystar.co.uk/news/latest-news/dog-goes-57-mile-walkies-22384922
  • Dogs may use Earth’s magnetic field to take shortcuts, Science. Recogido a 4 de agosto en https://www.sciencemag.org/news/2020/07/dogs-may-use-earth-s-magnetic-field-take-shortcuts#:~:text=Dogs%20are%20renowned%20for%20their,calculate%20shortcuts%20in%20unfamiliar%20terrain.