Calau-de-capacete: reprodução e características

12 Maio, 2020
O calau-de-capacete é um pássaro que impressiona muitos turistas devido às suas cores vivas.
 

A família Buderotidae, vulgarmente conhecida como calau-de-capacete, inclui cerca de 55 espécies vivas. Essas aves estão distribuídas pela Ásia, Malásia e África tropical e subtropical.

Elas geralmente têm uma plumagem preta, cinza ou marrom com alguns detalhes brancos nas caudas. Seus tons escuros são compensados ​​por tons brilhantes no bico ou por manchas coloridas na pele, no rosto e em parte do pescoço.

Nesse tipo de pássaro, o tamanho varia consideravelmente, dependendo da espécie. Por exemplo, a espécie Tockus hartlaubi mede aproximadamente 30 centímetros e pesa cerca de 102 gramas, enquanto o calau-terrestre-do-sul pode medir 1,2 metros e pesar 6 kg. Os machos geralmente são maiores que as fêmeas, mas isso muda de acordo com a espécie.

Eles têm um enorme bico achatado e curvado, com bordas irregulares e “cascos” ósseos sobre a mandíbula superior. Além disso, usam o bico como um instrumento que os ajuda a lutar, limpar o próprio corpo, construir ninhos e capturar presas.

Acasalamento e reprodução do calau-de-capacete

Os calaus-de-capacete geralmente formam pares monogâmicos. No namoro, o homem e a mulher se perseguem, juntam os bicos e cantam. Antes do acasalamento, o macho oferece à fêmea um presente em forma de alimento, como gesto de sua lealdade. Esse presente pode ser um inseto ou uma fruta.

Os locais de nidificação podem ser buracos ou rachaduras existentes em árvores ou rochas. Esses orifícios são normalmente naturais. No entanto, algumas espécies podem nidificar em ninhos abandonados de pica-paus.

 
Rhinoplax vigil.

Quando a fêmea está pronta para botar seus ovos, ela se tranca no ninho deixando uma abertura muito estreita. Essa porta é construída com lama, excremento e comida trazida e regurgitada pelo macho.

Assim, os machos usam essa abertura para passar comida para a fêmea e para os filhotes. Essa dinâmica continua até que os filhotes cresçam muito e a mãe quebre a parede do ninho. Nesse momento, os pais são responsáveis ​​por alimentar os filhotes até que estejam prontos para deixar o ninho.

O tamanho da postura dos calaus varia de acordo com a espécie. As espécies maiores depositam em torno de um ou dois ovos, mas as menores podem chegar a oito ovos. Durante esse período de incubação, a fêmea passa por uma muda da maioria das penas em sua cauda e asas.

O calau-gigante é a única espécie que não usa o mesmo método de reprodução que as outras espécies, pois não fecha a entrada e geralmente cria ninho nos orifícios dos vegetais. A fêmea e o macho se revezam na incubação dos ovos e cuidam dos filhotes.

Conservação do calau-de-capacete

O estado de conservação dos calaus é classificado como vulnerável. Muitas das espécies são ameaçadas por caçadores ilegais que buscam suas penas brilhantes. Além disso, os calaus sofreram uma perda significativa de seus habitats.

 
Calau-de-elmo-pregueado, uma das espécies de calau-de-capacete.

Por essas razões, várias organizações estão gerando um movimento para a conservação dessas aves. O zoológico de San Diego, por exemplo, tem uma longa história com o calau-terrestre da Abissínia.

Quando o primeiro macho chegou em 1951, ele foi enviado ao San Diego Zoo Safari Park para acasalar com uma fêmea em 1972. O primeiro filhote de calau-terrestre fora da África foi gerado com sucesso. Em 1995, 43 filhotes já haviam sido gerados. A maioria foi transferida para outros jardins zoológicos na América do Norte.

Hoje, o San Diego Global Zoo tem a coleção mais completa de calaus nos Estados Unidos: possui 30 espécies entre o zoológico e o Safari Park. Esses lugares são visitados por muitas pessoas apaixonadas por pássaros.

Outro programa de conservação notável é o Hornbill Adopt-A-Nest, desenvolvido pela Hornbill Research Foundation na Tailândia. Esse programa consiste principalmente em empregar pessoas locais como criadores de ninhos.

Assim, o número de pessoas que roubavam e vendiam filhotes diminuiu. Essa iniciativa protege as florestas tropicais da extração ilegal de madeira. Além disso, procura treinar funcionários para coletar dados vitais para pesquisas futuras.