Campanhas voluntárias de transfusões de sangue animal

29 Setembro, 2020
Quando pensamos em doação de sangue, rapidamente associamos à medicina humana, mas é algo que também existe na medicina veterinária. Neste artigo, vamos falar um pouco sobre as campanhas de transfusões de sangue para animais de estimação.

O interesse pelas transfusões na medicina veterinária vem crescendo nas últimas décadas, daí a criação de bancos de sangue para animais de estimação em muitos países ao redor do mundo. Isso também levou ao desenvolvimento crescente da capacidade de remissão imediata de unidades de sangue para tratar animais em estado crítico.

Como todo sangue deve vir de indivíduos saudáveis, a necessidade de encontrar novos doadores é sempre premente. É por isso que é tão importante educar os proprietários e informá-los sobre as opções que existem para ajudar.

As transfusões na medicina veterinária ao longo da história

O uso de transfusões de sangue em animais não é exatamente novo. É uma prática que vem acontecendo há muito tempo e de fato pode ser considerada a origem das transfusões na medicina humana.

Em 1665, Richard Lower, um médico inglês, conseguiu realizar uma transfusão entre dois cães. A partir de então, experimentos desse tipo começaram a se intensificar. Era apenas uma questão de tempo antes que acontecesse em humanos.

Inicialmente, o sangue para transfusão era retirado diretamente do doador com o uso de anticoagulante. Esse sangue era integralmente administrado ao receptor algumas horas após a doação.

Porém, diante do aumento da demanda e da limitação da oferta, hoje buscamos um melhor aproveitamento do recurso. É por isso que existe uma tendência de administrar apenas os componentes sanguíneos necessários. Por exemplo, concentrados de glóbulos vermelhos e plasma.

As transfusões na medicina veterinária ao longo da história

A seleção dos animais doadores

Como nos humanos, nem todos os animais são candidatos válidos a doadores de sangue. Aqui estão algumas das considerações a serem levadas em consideração antes de incluir seu animal de estimação nessa atividade.

Transfusões na medicina veterinária: cães doadores

Os doadores caninos devem atender a certas características, como as seguintes:

A escolha de cães que permanecem parados e sozinhos durante o procedimento de extração é preferível. Mas, se necessário, uma leve sedação pode ser usada, embora isso possa ter consequências adversas.

Qualquer cão que tenha recebido uma transfusão anteriormente pode ter desenvolvido anticorpos contra tipos de sangue diferentes do seu. Portanto, esses animais transfundidos não serão considerados aptos como doadores.

Testes de pré-seleção

Será necessário:

  • Determinar o tipo de sangue. A tendência é usar a identificação DEA “dog erythrocyte antigen“.
  • Realizar uma hematologia geral e bioquímica para verificar sua saúde.

Alguns agentes infecciosos têm potencial para serem transmitidos por transfusão de sangue. São agentes de infecções graves, como a leishmaniose ou a brucelose. Portanto, é fundamental garantir a ausência desses micro-organismos em potenciais doadores.

Em países como o Reino Unido, os cães que viajaram para o exterior são excluídos diretamente como doadores. Isso reduz muito a necessidade de testes exustivos para doenças infecciosas.

Transfusões na medicina veterinária: gatos doadores

Os requisitos exigidos são semelhantes aos dos cães, com as diferenças inerentes à espécie. Por exemplo, o peso, nesse caso, deve ser superior a quatro quilos.

Além da importância do grupo sanguíneo, novamente destaca-se a possibilidade de uma infecção subclínica. Por esse motivo, serão realizados exames para descartar leucemia felina ou imunodeficiência felina, entre outras.

Dada a necessidade de sedar os doadores e os requisitos estritos para a prevenção de doenças, é difícil criar um grande grupo de doadores felinos.

Os centros veterinários mais poderosos podem considerar o alojamento de uma colônia de gatos doadores livres de doenças. São felinos que, após esse período, devem ser adequadamente realocados como animais de estimação.

Gatos doadores

Campanhas de doação voluntária em animais de estimação. Você achava que eram apenas para os humanos?

Especialistas dizem que há uma falta de conscientização generalizada em relação à doação de sangue dos animais de estimação. É isso ou uma falta absoluta de informação, o que também pode ser um motivo, embora pareça difícil na era das tecnologias, não é?

Os planos de doação voluntária são baseados no altruísmo do dono do animal. Embora seja verdade que geralmente a doação é recompensada com sacos de ração, bijuterias ou brinquedos para o animal doador.

Portanto, é importante familiarizar o público com a doação de sangue em animais de estimação, pois nunca se sabe quando nosso fiel companheiro poderá estar na posição de precisar da ajuda de outro animal.

  • King L, Boag A. BSAVA manual of canine and feline emergency and critical care. 2nd ed.