A camurça: alimentação e costumes

05 Setembro, 2020
A camurça é um bovídeo do mesmo tamanho de uma cabra, mas que vive em áreas com altas montanhas, para as quais se adaptou adequadamente.

As áreas de altas montanhas podem parecer lugares inóspitos para se viver. Mas, na verdade, para muitos exemplares da flora e da fauna, são o habitat ideal: esse é o caso do animal em questão, a camurça. Continue lendo para descobrir mais sobre esse bovídeo acrobata.

A camurça: taxonomia e classificação

No nível taxonômico, a camurça é classificada dentro do gênero Rupicapra. A princípio, havia apenas uma espécie: Rupicapra rupicapra. Foram necessários vários estudos genéticos e morfológicos para chegar a um consenso entre a comunidade científica e considerar duas espécies diferentes:

  • Rupicapra rupicapra: nome atribuído à camurça dos Alpes e outras cadeias de montanhas europeias.
  • Rupicapra pyrenaica: é a camurça presente no sudoeste da Europa.

Esses animais pertencem ao grupo dos bovídeos, um grande grupo de mamíferos que inclui a ovelha, o touro ou o bisonte, entre outros. Os bovídeos são animais herbívoros estritos e também ruminantes. Ou seja, depois de comerem a comida, eles a regurgitam para mastigá-la novamente e digeri-la por completo.

Características gerais

Estamos falando de animais cujo tamanho não é maior do que o de uma cabra, já que sua altura não costuma ultrapassar os 80 centímetros, enquanto seu peso varia entre 20 e 30 kg.

Esses bovídeos têm uma cauda pequena que, se adicionada ao comprimento total, faz com que atinjam em torno de 120 centímetros. Além disso, também têm uma visão excelente, assim como uma audição e um olfato invejáveis. Essas características contribuem para que possam detectar o perigo rapidamente.

A camurça: alimentação e costumes

Ao contrário de outras espécies de bovídeostanto os machos quanto as fêmeas das camurças apresentam chifres, que nascem verticalmente da cabeça e se curvam, dando a eles a aparência de ganchos.

Sem dúvida, para poder viver e se deslocar nas alturas, é necessário algum tipo de adaptação. Na camurça, esse problema é resolvido por seus cascos: finos e com uma almofadinha central que permite que escalem qualquer tipo de superfície.

Outra característica que deve ser destacada desses animais é a sua pelagem, que varia de acordo com a estação do ano. Durante o verão, quando a temperatura é alta, o pelo que cobre seu corpo fica avermelhado, com algumas áreas mais brancas e uma linha preta nas costas. No entanto, durante o inverno, a pelagem se torna mais dura e espessa, e adquire um tom marrom ou enegrecido.

Alimentação da camurça

Conforme mencionamos acima, são animais herbívoros estritos: sua dieta inclui capim, plantas herbáceas, brotos, musgo e até mesmo gramíneas.

Esses hábitos alimentares também variam de acordo com a época do ano: durante o verão, a camurça prefere pastar em áreas com maior abundância de grama. Quando chega o inverno, ela se alimenta de outros tipos de vegetação, já que a grama geralmente se torna escassa.

A camurça: alimentação e costumes

Habitat e costumes

A camurça é um animal acostumado às áreas montanhosas, especialmente às partes verdes encontradas nelasQuando chega o verão e as altas temperaturas, esses animais sobem quase até a altitude mais alta, onde passam a maior parte do dia pastando, longe de qualquer perigo.

Com a chegada do inverno, a camurça é forçada a descer até o limite superior da floresta, para as áreas mais ensolaradas. Essas atividades geralmente são feitas em grupo, uma vez que a camurça é um animal sociável que forma pequenos grupos de indivíduos. Exercem grande parte de suas atividades durante a maior parte do dia, pois são espécies diurnas.

Costumam fugir de encontros inesperados, pois são animais tímidos. Os maiores perigos enfrentados pela camurça são seus predadores – lobos, ursos e humanos – e as avalanches, pois, apesar da agilidade demonstrada por esses animais, às vezes eles podem ser pegos de surpresa.

  • Corlatti, L., Lorenzini, R., & Lovari, S. (2011). The conservation of the chamois Rupicapra spp. Mammal Review41(2), 163-174.
  • Bassano, B., Perrone, A., & Von Hardenberg, A. (2003). Body weight and horn development im Alpine chamois, Rupicapra rupicapra (Bovidae, Caprinae). Mammalia67(1), 65-74.
  • Molinari-Jobin, A., Molinari, P., Breitenmoser-Würsten, C., & Breitenmoser, U. (2002). Significance of lynx Lynx lynx predation for roe deer Capreolus capreolus and chamois Rupicapra rupicapra mortality in the Swiss Jura Mountains. Wildlife Biology8(1), 109-115.