Cão pré-histórico é descoberto em Múrcia, na Espanha

13 Janeiro, 2020
Fíbula foi um cão pré-histórico que viveu há cerca de 4.000 anos. O estudo dos seus ossos permitiu chegar a conclusões muito interessantes sobre a sua convivência com os seres humanos.

A história do melhor amigo do homem sempre nos fascinou, então a descoberta de um cão pré-histórico na região de Múrcia, na Espanha, despertou um grande interesse.

No sítio calcolítico de Caravaca de la Cruz, foram encontrados muitos detalhes interessantes sobre a nossa relação com o cão na pré-história.

A escavação de cães pré-históricos

Nesse sítio arqueológico de cerca de 4.000 anos de idade, um dos maiores locais de escavação da península pré-histórica, não foram encontrados apenas restos de mais de 1.300 seres humanos, mas também restos de até 25 exemplares de cães pré-históricos.

Trata-se da mesma espécie atual, Canis lupus familiaris, e a maioria era de espécimes jovens.

Por mais de quatro anos, 2.000 ossos de animais foram identificados, a maioria dos quais sendo de canídeos: lobos e raposas se juntaram ao cão doméstico, embora também tenham aparecido esqueletos pré-históricos de porcos e cavalos.

Veterinários da Universidade de Múrcia estudaram os esqueletos desses animais, o que permitiu comprovar que os dentes estavam muito desgastados, mostrando que eles provavelmente se alimentavam principalmente de ossos.

O Departamento de Anatomia da Universidade de Múrcia conseguiu descobrir muitos fatos sobre a vida desses animais simplesmente estudando seus ossos.

A escavação de cães pré-históricos

O estudo dos ossos permitiu ver que a maioria dos animais tinha um tamanho médio, embora alguns fossem menores. Constituem algo semelhante a uma raça, embora os autores não se atrevam a arriscar e prefiram falar de tipos morfológicos pequenos.

Em geral, o tamanho dos cães era de 50 centímetros a partir da cabeça, uma envergadura semelhante à encontrada em outras escavações da mesma época. Acredita-se que esses cães realizassem principalmente tarefas de trabalho, como caçar e pastar.

Fíbula, um caso especial de um cão pré-histórico

Uma das descobertas que mais chamou a atenção dos pesquisadores foi Fíbula, nome que o cão mais velho do local recebeu. Seu esqueleto foi reconstruído. O animal de 4.000 anos teve uma fratura na perna direita, que afetou a tíbia e a fíbula.
A fratura foi completamente ossificada, o que causou o encurtamento da perna. Os pesquisadores pontuam que essa fratura era incompatível com as tarefas de um cão de trabalho, como um cão pastor ou um cão de caça, já que ele certamente mancava bastante.
Fíbula, um caso especial

O fato de um animal tão dependente dos humanos ter sofrido uma fratura como essa exemplifica que é muito provável que esse cão pré-histórico tenha recebido cuidados do homem, apesar da sua utilidade ter sido perdida, assim como outros membros da sua espécie.

Durante o tempo em que Fíbula viveu, a domesticação dos cães já tinha vários milênios de história: atualmente, a teoria mais difundida é de que os lobos mais amigáveis ​​e confiantes começaram a ganhar vantagem ao se aproximar de assentamentos humanos e se alimentar das suas sobras.

Essa teoria tem muito mais adeptos do que uma versão em que o ser humano é o protagonista da domesticação dos animais.

Fíbula representa uma história de amizade entre os habitantes da atual região de Múrcia na Idade do Cobre e um cachorro que teve uma vida longa sob os cuidados do homem. Quais outras histórias este animal de estimação fascinante nos revelará?