Características do lagostim

09 Dezembro, 2019
A reprodução do lagostim chama atenção pela sua particular agressividade, em que macho e fêmea se engalfinham em uma espécie de briga que pode provocar feridas mortais.

Conheça as principais características do lagostim, termo empregado para denominar diferentes espécies de crustáceos de água doce pertencentes à ordem Astacidea. Como seu nome indica, esses animais são parecidos com os lavagantes e com pequenas lagostas.

A seguir, convidamos você a conhecer mais sobre o lagostim, suas características, hábitos e ciclo de vida.

Características morfológicas e taxonomia do lagostim

Os lagostins são crustáceos decápodes, assim como as lagostas, os camarões, os caranguejos e as santolas. Como todos os membros dessa ordem, o seu corpo é dividido em duas partes principais, o abdômen e o cefalotórax, que, por sua vez, são formados por 19 segmentos corporais.

Dependendo da espécie, podemos observar um par de apêndices que nasce de cada um desses segmentos. Entretanto, em muitos tipos de lagostim, tais apêndices são reduzidos.

A sua carapaça apresenta duas suturas longitudinais que são bem separadas entre si. Assim como a maioria dos crustáceos, o lagostim passa pela troca do seu exoesqueleto.

O corpo do lagostim é notadamente mais alongado que o da maioria dos caranguejos de água doce e salgada. Em sua fase adulta, esses crustáceos chegam a medir entre 17 e 18 centímetros. Por essa razão, à primeira vista, eles se parecem com os lavagantes ou com pequenas lagostas.

O lagostim

Um de seus traços mais chamativos são as pinças enrugadas, que exibem uma cor branca na sua superfície ventral. Também se destaca a ausência de carpos (ou ‘pulsos’).

As partes ventrais das patas acompanham o padrão das pinças, de cor branca. Já no seu corpo, os lagostins podem apresentar diferentes tonalidades de marrom, cinza, verde, azul e preto.

Habitat natural e alimentação

As diferentes espécies de lagostins habitam as águas doces de todos os continentes, com a óbvia exceção da Antártida. Em geral, eles evitam as massas que congelam integralmente durante o inverno. Eles também não gostam das correntes rápidas, ainda que as utilizem durante as fases de migração.

A maioria dos lagostins é muito sensível às águas poluídas, embora algumas espécies possam sobreviver em condições não tão salubres. Por isso, a sua presença costuma ser considerada um bom sinal sobre a qualidade da água doce.

Estes crustáceos têm uma dieta muito variada: consomem praticamente qualquer tipo de matéria orgânica disponível ao seu redor. Também costumam ser perseguidos por muitos predadores, desde insetos até aves e mamíferos aquáticos.

Além disso, os lagostins também costumam ser capturados para a comercialização de sua carne na gastronomia internacional. A China, os Estados Unidos e a Turquia são alguns dos principais exportadores desses crustáceos para o mundo.

Características morfológicas e taxonomia do lagostim

Comportamento e reprodução do lagostim

O lagostim tem hábitos noturnos, precisamente pela abundância de predadores em seu habitat. Durante as noites e as madrugadas, eles saem para se alimentar e acasalar quando chega o período de reprodução.

Como não podem sobreviver em águas muito frias ou congeladas, muitas espécies de lagostins se veem obrigadas a migrar durante o inverno. Para se deslocarem mais facilmente, eles aproveitam as correntes rápidas, que os levam a águas mais quentes próximas aos trópicos.

A respeito da sua reprodução, essas espécies chamam atenção por ter uma cópula bastante agressiva. Antes de acasalar, o macho e as fêmeas costumam se envolver em uma espécie de luta que pode provocar feridas letais.

Apenas quando o macho consegue derrubar a fêmea acontece a cópula e a posterior fecundação. Então, ele utiliza suas pleópodes (‘falsas patas’) localizadas em seu abdômen para expelir o sêmen.

A cópula do lagostim costuma durar por volta de 15 minutos e as fêmeas têm uma gestação de 60 dias. Depois, cada fêmea pode pôr até 900 ovos a cada período de acasalamento.

Os ovos podem levar até três semanas para concluir sua eclosão e originar novos lagostins. A fêmea é responsável por cuidar dos ovos e manter as crias durante as suas primeiras duas ou três semanas de vida. No entanto, os lagostins só completam sua maturação ao alcançar os três anos de idade.

Cabe ressaltar que cada espécie de lagostim pode apresentar variações na sua forma de copular, no tempo de gestação e no desenvolvimento das suas crias.