Características do tigre-da-tasmânia

22 Setembro, 2020
O tigre-da-tasmânia é um animal extinto com morfologia e comportamento semelhantes aos da hiena e do seu parente mais próximo, o demônio-da-tasmânia.

O tigre-da-tasmânia, também conhecido por diferentes nomes, tais como lobo marsupial, tilacino ou lobo-da-tasmânia, foi um mamífero marsupial que habitou a Terra até o século XX.

Esse curioso animal era nativo da Austrália, Tasmânia e Nova Guiné e foi o último membro vivo do gênero Thylacinus. Os primeiros registros fósseis dessa espécie datam do Holoceno, enquanto seus parentes apareceram em um período anterior, o Mioceno.

A extinção do tigre-da-tasmânia teve início na Austrália, mas ele conseguiu sobreviver na Tasmânia juntamente com o demônio-da-tasmânia, seu parente vivo mais próximo.

Esse animal extinto era um superpredador assim como os lobos placentários, mas, como era um marsupial, não tinha relação filogenética com os canídeos.

No entanto, graças a processos evolutivos convergentes, apresentava aparência e adaptações semelhantes aos lobos. Ou seja, as características de ambos evoluíram de forma independente, mas, visto que tinham estilos de vida e predação semelhantes, desenvolveram adaptações morfológicas muito similares entre si.

Características do tigre-da-tasmânia

Morfologia

Apesar de ser um animal extinto, o tigre-da-tasmânia representa um dos poucos casos em que foi possível fazer seu registro morfológico, visto que o animal esteve presente na sociedade moderna antes de seu desaparecimento.

  • Seu pelo era marrom-amarelado, curto, espesso e liso.
  • Eram observadas de 13 a 21 listras distribuídas entre o dorso, o tronco e a cauda, mais marcadas nos espécimes jovens.
  • Tinham orelhas arredondadas e eretas de aproximadamente 8 centímetros.
  • Havia certo dimorfismo sexual, com as fêmeas apresentando um marsúpio com 4 mamas. O dimorfismo sexual também era observado no tamanho dos espécimes.
  • Suas mandíbulas eram poderosas e com um grande ângulo de abertura de suas fauces, por causa da sua natureza predatória.
  • Suas patas traseiras tinham 4 dedos, em vez de 5 como as dianteiras, e as garras eram retráteis.

Às vezes, o tigre-da-tasmânia é comparado à hiena por causa da sua postura e comportamento geral.

Características do tigre-da-tasmânia

Comportamento

Quanto ao comportamento do tigre-da-tasmânia, não há muitos dados, pois só foi observado em cativeiro e durante o dia, um fato irônico já que se tratava um animal noturno. Portanto, os dados registrados sobre o seu comportamento na natureza são escassos e anedóticos, e sempre foram extrapolados para o comportamento do demônio-da-tasmânia.

O animal percorria uma área que compreendia de 40 a 80 quilômetros de raio no seu ambiente natural, mas não era territorial. Caçava durante o crepúsculo e à noite. Durante o dia, ficava refugiado em pequenas cavernas ou troncos de árvores pequenas em áreas de floresta ou colinas.

Os primeiros observadores descreveram o tigre-da-tasmânia em termos comportamentais:

  • Foi descrito como tímido na presença de humanos, mas alguns espécimes mostraram mais proximidade. Além disso, os aborígenes australianos afirmavam terem visto alguns deles nadando ocasionalmente.
  • Foi registrada uma série de latidos guturais quando ele estava prestes a caçar, provavelmente para se comunicar com outros membros do grupo. Também se destacavam seus grunhidos e assobios quando o animal estava nervoso, e foi observado até mesmo um bocejo ao qual atribuíram o significado de ameaça.

Acredita-se que utilizasse a visão e a audição durante a caça, já que, quando os cientistas estudaram seus lobos olfativos, não foi encontrado um grande desenvolvimento deles.

A época de reprodução durava o ano todo, sendo os principais períodos a primavera e o verão. Os filhotes permaneciam no marsúpio das mães até 3 meses após o nascimento. Depois de terem saído do marsúpio, até que tivessem tamanho suficiente para ajudar, eles ficavam na caverna enquanto a mãe caçava.

Enquanto esteve em cativeiro, teve sua função locomotora estudada, sendo descoberto que o tigre-da-tasmânia era desajeitado ao caminhar, levando à crença de que ele era incapaz de correr rapidamente. No entanto, paralelamente, foi observado seu salto bípede semelhante ao do canguru.

Características do tigre-da-tasmânia

Dieta

O tigre-da-tasmânia era exclusivamente carnívoro. Seu estômago tinha uma grande camada de músculos que podia ser distendida. Possivelmente, foi uma adaptação para poder acumular grandes quantidades de comida para longos períodos de escassez de alimentos.

Suas presas eram cangurus, wallabies, vombates, pássaros e ratos-cangurus.

Extinção

O tigre-da-tasmânia foi extinto há cerca de 80 anos, com o último espécime morrendo em cativeiro em 1936.

A caça desse animal nos antípodas australianos contribuiu para a sua extinção. No entanto, estudos científicos recentes mostraram que o tigre-da-tasmânia estava condenado à extinção, conforme refletido pelos dados do seu DNA.

Isso pode parecer chocante, mas foi descoberto que a diversidade genética das populações desse animal mostrava um padrão de declínio drástico, antes mesmo do início da sua caça. No mundo natural, essa diminuição da variabilidade genética, a longo prazo, tem como resultado uma maior vulnerabilidade diante das mudanças ambientais, favorecendo, assim, a extinção.

Estudios científicos, PLOS ONE. Recogido a 24 de Abril en https://journals.plos.org/plosone/article?id=10.1371/journal.pone.0168993

Estudios científicos recientes, Nature, Ecology & Evolution. Recogido a 24 de Abril en https://www.nature.com/articles/s41559-017-0417-y