As cascavéis usam as escamas para armazenar água?

04 Julho, 2020
Os diferentes tipos de serpentes se adaptaram ao habitat em que vivem para aproveitar ao máximo os recursos disponíveis.
 

Você já se perguntou como as serpentes sobrevivem em áreas onde a água é um recurso escasso? Será que elas têm um sistema vital de armazenamento de líquidos no corpo? Sim, as escamas das cascavéis lhes permitem armazenar água.

Vamos ver mais sobre esse interessante assunto a seguir. No entanto, antes disso, precisamos revisar alguns aspectos gerais.

Classificação das cascavéis

Primeiramente, é importante diferenciar entre serpentes, cobras e víboras. Esses termos geralmente são usados ​​de forma intercambiável, mas há diferenças entre eles.

O termo “serpente” é usado para se referir à subordem dos répteis (sauropsídeos). Portanto, “serpente” faz referência à subordem inteira, dentro da qual estão as cobras e as víboras.

As cascavéis fazem parte do grupo das víboras. Nesse caso, as cascavéis pertencem ao gênero Crotalus e são serpentes venenosas.

Como são as cascavéis?

O gênero Crotalus abrange um total de 32 espécies, com diversas subespécies. No entanto, todas as espécies têm uma cabeça triangular característica e chocalhos na ponta das suas caudas.

Outros traços físicos dessa espécie são os olhos com pupilas verticais, as presas tubulares retráteis ​​e um corpo espesso. Quanto aos chocalhos da cauda, podem ser quebrados ou perdidos, e os filhotes não os possuem.

Cascavel
 

Dentro deste gênero, cada espécie mostra os próprios padrões de cores na pele. As variações de cores incluem tons de marrom, cinza e preto, além de creme, amarelo ou verde-oliva.

Entre os padrões característicos desse tipo de serpente estão faixas, manchas ou o formato de diamante. No entanto, algumas espécies não possuem um padrão característico. 

Distribuição e alimentação

As cascavéis são animais de sangue frio que hibernam durante os meses frios. Com a chegada do calor, saem da hibernação e permanecem perto de suas tocas nos primeiros dias.

Durante a hibernação, elas se abrigam em fendas rochosas, chamadas de tocas de cobra. Na primavera e no verão, essas serpentes migram para habitats mais ricos em alimentos.

São animais noturnos que caçam diferentes presas, geralmente pequenos roedores. Uma vez que tenham ingerido uma presa, fazem a digestão ocultas e inativas.

Essas cobras podem ser encontradas em diferentes regiões, desde o nível do mar até áreas montanhosas, com elevações superiores a 3.000 m. Outras espécies são encontradas em áreas desérticas, dependendo do tipo de serpente.

As cascavéis são conhecidas por serem as mais venenosas da América do Norte. No entanto, existem outras razões pelas quais esses animais podem ser muito interessantes, além do seu poderoso veneno.

Como as cascavéis usam as escamas para armazenar água?

Algumas das cascavéis que vivem no sudoeste dos Estados Unidos têm um comportamento peculiar. É o caso da cascavel-diamante-ocidental (Crotalus atrox), que possui um característico padrão de diamante.

 

Ela vive no deserto de Sonora, no sul do Arizona, e possui uma técnica exclusiva para sobreviver no clima árido. Essas cobras usam as escamas para armazenar água, mudando o corpo de posição.

Cascavel

Para fazer isso, elas achatam o corpo na posição dorsoventral, formando uma bobina enrolada. Dessa forma, conseguem coletar o máximo de água possível, independentemente do estado físico do elemento (ou seja, chuva ou neve).

Conforme as gotas de água vão se acumulando, as escamas dorsais se unem, permitindo assim que a serpente beba a água. Por essa razão, o corpo dessa serpente tem um design específico para poder armazenar água dessa maneira. Incrível, não é mesmo?

Como foi descoberta a técnica de uso das escamas para armazenar água?

Um grupo de cientistas realizou um estudo sobre a cascavel Crotalus atrox. Para isso, eles se concentraram no estudo do papel das escamas dorsais no armazenamento da água.

Cascavéis: como elas usam as escamas para armazenar água?
Fotografia: Eric Heisey | Flickr.com
 

Para determinar como essa técnica de armazenamento funcionava, foi utilizada a microscopia eletrônica. Dessa forma, observou-se o impacto da água na pele do animal.

Foi possível observar a presença de uma rede ou um labirinto nas costas das cascavéis. Isso também foi encontrado em duas outras espécies da família, Lampropeltis splendida e Pituophis catenifer.

Ao estudar o comportamento dessas duas serpentes em relação ao armazenamento da chuva, foi possível perceber que era diferente. Apenas algumas espécies de cascavéis exibem esse comportamento para sobreviver em ambientes quentes e xéricos.

No entanto, as outras serpentes que vivem no deserto desenvolveram suas próprias técnicas. Tais técnicas permitem que as serpentes obtenham hidratação em climas áridos, tais como o deserto.

Desenvolver esse método que usa as escamas para armazenar água é uma ótima estratégia evolutiva. Portanto, graças a ela, essas serpentes foram capazes de prosperar em regiões tão complicadas quanto os desertos.