Causas das convulsões em cães

15 Outubro, 2020
Existem alguns sintomas que, devido à sua natureza violenta, causam um profundo mal-estar nos tutores dos animais de estimação quando eles os apresentam. Aqui, vamos explicar as possíveis causas das convulsões em cães.

Na maioria dos casos, os tutores dos animais são os primeiros a detectar os sintomas de qualquer doença em seus bichinhos. Alguns desses sintomas podem passar despercebidos, como febre, palidez nas mucosas ou vermelhidão nas orelhas.

Outros, no entanto, são muito mais chamativos devido à sua natureza. As convulsões são um desses sintomas muito característicos e certamente não passam despercebidas. Nas linhas a seguir, vamos falar sobre as possíveis causas das convulsões em cães.

Síndrome convulsiva

É necessário definir do que se trata uma convulsão: consiste na manifestação clínica de uma disfunção cerebral temporária. É importante enfatizar o termo temporária, uma vez que as crises geralmente duram de segundos a alguns minutos.

Essa disfunção é produzida por uma descarga súbita, maciça e sincrônica de neurônios corticais. Ou seja, é como se de repente os neurônios, que estavam calmos e relaxados, começassem a pular todos ao mesmo tempo sem nenhum controle.

Essa loucura neuronal transitória produz as seguintes alterações no corpo do cão:

  • Perda ou diminuição do nível de conhecimento. Eles podem perder a consciência e não responder a estímulos externos.
  • Movimento descontrolado ou alteração do tônus ​​muscular.
  • Comportamento anormal, como perseguir moscas imaginárias.
  • Ativação do sistema nervoso vegetativo: salivação, micção, defecação.

É preciso observar que essa convulsão sempre será um sinal de alguma doença, não uma doença em si. Portanto, os veterinários sempre abordam esse distúrbio como a ponta de um iceberg sobre o qual é necessário continuar investigando para chegar ao diagnóstico correto.

Síndrome convulsiva

Causas das convulsões em cães

Podemos dividir as causas em dois grandes grupos para facilitar sua explicação.

Causas intracranianas

É o que acontece quando localizamos no cérebro a alteração que está produzindo a convulsão. Qualquer lesão que afete o córtex cerebral pode levar a convulsões no indivíduo. Em geral, podemos falar sobre:

  • Inflamação do tecido cerebral (encefalite) presente em doenças como a cinomose.
  • Lesões na cabeça como resultado de pancadas ou quedas.
  • Má-formação congênita. Por exemplo, a hidrocefalia.
  • Neoplasia primária de origem cerebral e também metástases cerebrais secundárias.
  • Acidente vascular cerebral.

Qualquer uma dessas anormalidades pode ser o motivo das convulsões. Logicamente, as circunstâncias acima mencionadas e aquela revolução neuronal característica têm que ocorrer. Isso dependerá da região do cérebro lesada, assim como do grau de afetação.

Causas extracranianas

Nessa seção incluiremos todas as causas das convulsões que não têm origem em uma lesão no cérebro, ou seja, aquelas que não estão classificadas no grupo anterior. Existem vários processos patológicos que, mesmo se desenvolvendo longe do cérebro, têm impacto direto sobre ele e podem causar convulsões.

  • Envenenamento: existem vários venenos que podem causar convulsões em cães. Chumbo, organofosforados ou estrictina são alguns dos mais comuns.
  • Hipoglicemia: uma queda no nível de glicose no sangue, especialmente comum em cachorros, pode causar convulsões. É preciso lembrar a importância de cuidar da dieta dos cachorros para evitar, entre outras coisas, a hipoglicemia.
  • Shunt portossistêmico: essa combinação estranha de palavras se refere a uma comunicação anormal na circulação sanguínea, especificamente entre a circulação venosa e arterial. Esse desvio evita que as substâncias residuais presentes no sangue sejam eliminadas pelo fígado, produzindo, assim, uma “intoxicação” no organismo do animal, o que pode levar ao aparecimento de convulsões.
  • Problemas hepáticos: da mesma forma que no Shunt, quando há uma insuficiência hepática, o fígado fica incapaz de purificar adequadamente os resíduos do corpo. O quadro clínico cerebral relacionado à disfunção hepática é denominado “encefalopatia hepática” e frequentemente se manifesta com convulsões.
Causas extracranianas

As convulsões em cães: origem idiopática

Às vezes, os veterinários não conseguem descobrir o que está causando um sintoma porque não há uma causa aparente ou detectável. Nesses casos, o termo “idiopático” é usado para se referir a uma doença de origem desconhecida.

Acontece que, em muitos indivíduos, não é possível encontrar a doença de base, então o diagnóstico de crise convulsiva idiopática é estabelecido. É considerada a causa mais comum de convulsões em cães. Embora, felizmente, seja comum ter um bom prognóstico com o tratamento correto.

Em linhas gerais, repassamos as causas mais frequentes das convulsões em cães, porém os motivos podem ser diversos e, diante desse quadro clínico, a ação deve ser imediata.

Portanto, se você suspeitar que seu cão possa estar sofrendo convulsões, leve-o imediatamente ao seu veterinário de confiança.