Choque em cães e gatos: avaliação e diagnóstico

28 Setembro, 2020
Um dos eventos sistêmicos que um veterinário mais tem medo de enfrentar é o choque. Aqui, vamos descrever alguns dos mais comuns na clínica de pequenos animais.

O choque em cães e gatos engloba um conjunto de síndromes que se caracterizam pela presença de sinais clínicos graves. É uma condição com risco de vida que ocorre quando as células não recebem fluxo sanguíneo suficiente. Isso acontece porque há alterações no humor, na frequência cardíaca ou na qualidade da pulsação.

Um fluxo sanguíneo insuficiente significa que as células e órgãos não recebem oxigênio e nutrientes suficientes para funcionar corretamente.

O tratamento do choque tem como objetivo evitar a progressão do dano celular e promover a cura, otimizando a perfusão dos tecidos. O sucesso do tratamento é visto com a melhora dos sinais clínicos e a normalização dos parâmetros alterados.

Avaliação e diagnóstico de choque em cães e gatos

Os eventos que podem causar um choque sistêmico diminuem:

  • a capacidade do sangue de transportar oxigênio para as células;
  • o volume de sangue circulante;
  • a capacidade do coração de bombear sangue;
  • ou a capacidade do sistema cardiovascular de manter o tônus adequado nas paredes dos vasos sanguíneos.
Choque em cães e gatos

Tipos de choque em cães e gatos

Choque hipovolêmico

O choque hipovolêmico ocorre quando a perda do volume sanguíneo circulante no organismo causa uma diminuição grave na perfusão do tecido. Para tratá-lo, costuma-se recorrer à vasoconstrição, melhorando o retorno venoso e redistribuindo o fluxo sanguíneo para áreas essenciais.

O efeito da compensação vasoconstritora é a perfusão de áreas vitais (principalmente coração e cérebro), mas a privação de outras, como o baço.

Durante o choque hipovolêmico, muitas células sofrem isquemia, ou seja, ausência de sangue arterial. Essas células liberam mediadores inflamatórios, que podem causar ainda mais danos.

Portanto, a vasoconstrição é uma solução a curto prazo para salvar a vida do animal. Mas é necessário que o volume normal do sistema circulatório seja restaurado antes que ocorra uma morte celular em massa irreversível.

Choque traumático

No traumatismo, o choque geralmente é causado por hemorragia (externa ou interna). Ou seja, de alguma maneira pode ser outra forma de choque hipovolêmico. É verdade que um dano extenso ao tecido também pode causar dano capilar suficiente para resultar em uma perda substancial de perfusão.

Além disso, a dor pode inibir a resposta vasoconstritora, que é o que resolve o problema. Ao ativar a resposta inflamatória, o sistema imunológico responde aumentando o fluxo sanguíneo. Por quê? Porque precisa de reforços para “salvar” as células danificadas.

Choque obstrutivo: o choque incomum em cães e gatos

Pode ocorrer uma perfusão tecidual inadequada devido a uma obstrução do fluxo sanguíneo dentro dos vasos sanguíneos. Para ser considerado choque, deve causar um déficit geral no fornecimento de oxigênio aos tecidos. E, para isso, essa obstrução deve ocorrer em um vaso sanguíneo próximo ao coração.

Embora seja raro na medicina veterinária, o choque obstrutivo pode ocorrer em animais com tromboembolismo pulmonar ou derrame pericárdico. Ou seja, com a circulação pulmonar ou cardíaca comprometida.

Choque cardiogênico

Se a função de bombeamento do coração falhar, ocorrerá um choque cardiogênico. Um exemplo são as cardiomiopatias hipertróficas em gatos. Os animais que sofrem com elas têm mucosas pálidas e pulsos fracos devido ao mal funcionamento do coração.

Por fim, o choque distributivo

Esse choque é caracterizado pela perda do tônus ​​vascular. Ou seja, a incapacidade dos vasos sanguíneos de continuar a movimentar o sangue adequadamente pelo corpo. O quadro clínico é de vasodilatação.

Dentro desse choque também estão:

  • Choque séptico: a sepse é a resposta inflamatória sistêmica a uma infecção grave, causada por bactérias, vírus, parasitas, fungos ou toxinas.
  • Choque anafilático: a anafilaxia/alergia é uma forma de resposta imune exagerada a um alérgeno que o corpo reconhece como um antígeno. É uma reação de hipersensibilidade maciça.

Um quadro clínico grave

O aparecimento de qualquer choque sistêmico é sinal de uma patologia que se complicou. Portanto, praticamente qualquer doença minimamente grave pode desencadear esses sintomas.

Em suma, é melhor estar preparado e conhecer suas peculiaridades para poder detectá-los a tempo e, uma vez identificados, poder tratá-los para minimizar os danos irreversíveis.

  • King L, Boag A. BSAVA manual of canine and feline emergency and critical care. 2nd ed.