Coágulos sanguíneos em cães: principais riscos

07 Janeiro, 2020
A formação de coágulos sanguíneos sempre é perigosa? Hoje falaremos sobre como identificar esse problema e o que pode ser feito para tratá-lo.

O que você sabe sobre a presença de coágulos sanguíneos em cães? Hoje, vamos tentar esclarecer esse tema tão importante para a saúde dos nossos queridos animais de estimação.

Um dos principais processos do sistema circulatório é a capacidade de formar coágulos sanguíneos. De fato, a coagulação é vital para a cicatrização de feridas e a recuperação normal de arranhões, cortes e outras lesões, tanto na pele quanto nos órgãos internos.

No entanto, quando os coágulos sanguíneos se formam no lugar errado ou pelo motivo errado, eles podem representar um sério risco para a saúde do seu cão.

Por que a formação dos coágulos sanguíneos é perigosa?

O risco é de que um coágulo possa parar o sistema circulatório do corpo, o que impede a oxigenação vital dos tecidos. Mesmo se uma obstrução não se formar imediatamente, ela pode viajar para os principais órgãos e causar danos.

É importante ter em mente que um coágulo pode causar, por exemplo, um derrame ou outras condições agudas com risco de vida.

Os sintomas específicos de um coágulo sanguíneo variam dependendo de onde ele está localizado. Como os coágulos podem ser fatais em cães, é importante que, se você suspeitar de que seu cão esteja em risco de trombose, procure atendimento veterinário imediato.

Conhecer os fatores de risco para a formação de coágulos sanguíneos ou trombos pode ajudá-lo a estar preparado para identificar um problema em potencial com bastante antecedência, para poder intervir o mais rápido possível.

Cachorro sendo examinado

Causas da formação dos coágulos sanguíneos em cães

Existem muitas situações diferentes que podem causar uma trombose. A inatividade prolongada por permanecer na mesma posição por um longo período de tempo, por exemplo, é um fator predisponente. Algumas possíveis causas das tromboses em cães incluem:

  • O repouso durante a recuperação de uma cirurgia e, em geral, um estilo de vida sedentário.
  • Distúrbios autoimunes: a formação de complexos imunes na circulação pode iniciar a formação de coágulos.
  • Algumas formas de hipotireoidismo.
  • Qualquer condição que afeta a medula óssea, como a leucemia.
  • Distúrbios circulatórios.

É importante destacar que essas são apenas algumas situações que podem aumentar o risco de formação de trombose no seu cão.

Quais são os sintomas dos coágulos sanguíneos em cães?

Os sintomas de uma trombose em cães costumam ser muito difíceis de detectar até que se tornem agudos e problemáticos. Recentemente, houve um esforço na busca de exames laboratoriais que possam identificar o risco de trombose em cães.

É necessário reconhecer que, como uma trombose pode se formar em qualquer área do corpo, os sintomas podem ser altamente variáveis.

Ocorrência nas extremidades

Quando uma trombose se forma em uma das patas ou no rabo, ​​pode causar rigidez na área afetada e uma possível paralisia. O cão pode sentir o membro estranho – por exemplo, através de uma sensação de formigamento – e isso pode fazer com que ele tente sacudi-lo e manipulá-lo para se aliviar.

Se o coágulo existir, o movimento pode provocar o seu deslocamento e fazê-lo migrar para outra área do corpo, o que pode ser muito sério.

Região do coração ou pulmões

Nessas regiões, um coágulo pode levar a uma variedade de sintomas sistêmicos muito graves. Entre eles, pode haver desmaios, falta de ar e paralisia. Pode acontecer das gengivas ficarem pálidas ou azuis, incapacidade de dormir ou tosse com sangue. A embolia pulmonar costuma ser fatal.

Tromboembolismo pulmonar em cães

Casos no cérebro

Os coágulos sanguíneos no cérebro causam acidentes vasculares ou derrames. Os sintomas variam dependendo do local em que o coágulo se aloja no cérebro. Em geral, será observada uma perda de reflexos.

Seu cão pode expressar um comportamento incomum e pressionar a cabeça contra a parede ou outro objeto sem qualquer motivo explicável. Eles também podem ficar com os olhos cruzados e apresentar movimentos oculares de ida e volta, tremores e convulsões.

Tratamento dos coágulos sanguíneos

Se você suspeitar de que o seu cão tenha desenvolvido uma trombose, tente mantê-lo o mais imóvel possível e entre em contato com o veterinário imediatamente . Ele o aconselhará a respeito de como transferir o cão para a clínica com segurança e, em seguida, administrará rapidamente uma combinação de anticoagulantes e fluidoterapia.

O tratamento de uma trombose é arriscado. Além disso, a formação de coágulos sanguíneos pode estar associada a uma variedade de doenças. Nesses casos, os coágulos geralmente se repetem se a causa subjacente não for completamente resolvida.

Em suma, há um risco mortal quando se formam coágulos sanguíneos. Infelizmente, não há um conjunto de sintomas específicos que avisem sobre a sua formação.

A identificação oportuna da formação da trombose depende, em grande parte, de se manter informado a respeito dos fatores de risco predisponentes e do conjunto de sintomas que podem aparecer.

  • Johnson, L. R., Lappin, M. R., & Baker, D. C. (1999). Pulmonary thromboembolism in 29 dogs: 1985–1995. Journal of veterinary internal medicine, 13(4), 338-345.
  • Williams, T. P., Shaw, S., Porter, A., & Berkwitt, L. (2017). Aortic thrombosis in dogs. Journal of veterinary emergency and critical care, 27(1), 9-22.
  • Jeffery, U., Staber, J., & LeVine, D. (2016). Using the laboratory to predict thrombosis in dogs: An achievable goal?. The Veterinary Journal, 215, 10-20.