A comunicação entre as formigas

12 Setembro, 2020
As formigas, como organismos eussociais, possuem uma complexa rede de comunicação, com intervenção de diversas vias.

As formigas são animais eussociais com uma organização baseada em castas. Ou seja, dentro de uma colônia, há uma ou mais rainhas, operárias e soldados, cada uma com um papel fundamental no formigueiro. Para manter o equilíbrio, a comunicação entre as formigas é fundamental.

Você já se perguntou como as formigas se comunicam ou por que elas geralmente se deslocam formando filas? Neste artigo, vamos mostrar tudo o que você precisa saber sobre a comunicação entre as formigas.

Comunicação química entre as formigas

A principal estratégia de comunicação entre as formigas é a via química. As formigas têm uma série de glândulas, através das quais liberam diferentes feromônios que comunicam uma grande variedade de estados.

Os feromônios são secretados através de uma ampla variedade de fontes, tais como: a glândula de Dufour, a glândula de veneno, a glândula anal, a glândula nos pés e a glândula no tórax ou no abdômen. A recepção dessas substâncias é feita através das antenas, que servem tanto para sentir o cheiro quanto para sentir o sabor.

A comunicação entre as formigas é muito complexa: elas não usam um único feromônio para indicar algo, e sim uma combinação de vários deles. Esses feromônios servem, entre outras coisas, para mostrar a rota de forrageamento. Ou seja, servem para comunicar ao restante do formigueiro onde está a comida e para que o caminho marcado sirva como lembrete.

A comunicação entre as formigas

Assim, uma formiga não precisa armazenar essas informações no seu cérebro individualmente, como acontece com as abelhas. Em vez disso, é criada uma rede física de memórias duradoura.

Dentro das castas, para determinar a função de uma formiga, também são usados feromônios. Dessa forma, uma formiga sabe se precisa cuidar dos filhotes, sair para forragear ou expandir o formigueiro. Além disso, dentro do grupo das forrageadoras, cada subgrupo sabe quais alimentos coletar e quais correspondem a outro subgrupo.

Por outro lado, as formigas sabem sobre o estado da rainha através dos feromônios que ela libera. Quando uma formiga rainha deixa de produzir determinados feromônios, as formigas sabem que é hora de criar novas rainhas.

Comunicação tátil entre as formigas

Além da transmissão química, também há a comunicação tátil entre as formigas, seja por meio de vibrações do solo ou por contato direto. Esses contatos diretos geralmente consistem em movimentos ritualizados, tais como danças, choques ou exibições. Seu funcionamento é semelhante ao da dança executada pelas abelhas para indicar onde está o alimento.

A forma mais comum de contato físico é o toque de antenasÉ muito comum ver duas formigas que se encontram – enquanto vão em direções opostas – tocando-se com suas antenas. Atualmente, o motivo desse comportamento ainda é desconhecido, mas parece inegável que haja transmissão de informações.

A comunicação entre as formigas

Comunicação auditiva entre as formigas

As formigas não possuem cordas vocais e, portanto, os sons que emitem não saem da sua garganta. Além disso, elas são surdas e, por isso, não conseguem ouvir os sons produzidos por outras formigas. Então, como elas se comunicam através dos sons?

Esses animais são capazes de produzir um som chamado estridulação, graças a um órgão presente na boca. Esse som é detectado pelo ouvido humano, mas não pelas formigas como tal. No entanto, é transmitido através do solo na forma de vibrações, que podem ser sentidas pelas formigas.

O mesmo vale para os sons que elas fazem quando atingem o chão com o abdômen: os sons viajam na forma de vibrações até atingirem o restante das companheiras.

Trofalaxia

A trofalaxia é o mecanismo através do qual as formigas passam a comida para as suas companheiras, alimentando-se entre si. Pode ser feita boca a boca ou do ânus à boca.

A comunicação entre as formigas

Embora possa não parecer, a trofalaxia também é uma forma de comunicação entre as formigas. O alimento é misturado com feromônios que transmitem informações tanto para os indivíduos adultos quanto para as larvas.

Bradshaw, J. W. S., & Howse, P. E. (1984). Sociochemicals of ants. In Chemical ecology of insects (pp. 429-473). Springer, Boston, MA.

Da Silva, A. C., Navas, C. A., & Ribeiro, P. L. (2009). Trophallaxis in dehydrated leaf cutting colonies of Atta sexdens rubropilosa (Hymenoptera: Formicidae). Sociobiology, 54(1), 109.

Hölldobler, B. (1978). Ethological aspects of chemical communication in ants. In Advances in the Study of Behavior (Vol. 8, pp. 75-115). Academic Press.

Jackson, D. E., & Ratnieks, F. L. (2006). Communication in ants. Current biology, 16(15), R570-R574.

Roces, F., Tautz, J., & Hoelldobler, B. (1993). Stridulation in leaf-cutting ants. Naturwissenschaften, 80(11), 521-524.