A contaminação secreta dos ursos polares

25 Abril, 2020
Uma ameaça silenciosa paira sobre os ursos polares.
 

Não há dúvida de que as mudanças climáticas afetam muito a vida de diversos animais. No entanto, no caso do urso polar, há uma série de ameaças que se somam a esse fenômeno. Hoje, falaremos sobre a contaminação secreta sofrida pelos ursos polares.

O urso polar, o rei do Ártico

Ele é um animal inconfundível. O urso polar (Ursus maritimus) é considerado um dos maiores carnívoros que habitam o nosso planeta. Sua fisionomia é um pouco diferente da dos demais parentes, na qual se destacam as patas altamente desenvolvidas.

Para reduzir a perda de calor do corpo e absorver o máximo de luz solar possível, eles têm uma espessa camada de gordura subcutânea e uma pele escura que ajuda a atrair a radiação. Sua pelagem não é branca, mas translúcida.

Alimenta-se de várias espécies de focas, embora às vezes consuma outros tipos de presas. Portanto, o urso polar é considerado o super predador do Ártico: está no topo da cadeia alimentar e não possui predadores naturais. No entanto, apesar da sua aparência imponente, este animal está seriamente ameaçado.

Urso polar com seus filhotes

A contaminação secreta dos ursos polares

O aquecimento global está provocando a redução do habitat dos ursos polares. Além disso, eles também enfrentam o estresse nutricional, as doenças e a caça indiscriminada pelo homem.

 

No entanto, há outro fator igualmente perigoso: a contaminação secreta dos ursos polares, conclusão à qual chegaram vários especialistas de diversos países. Contaminantes halogenados e o plástico estão comprometendo a sobrevivência desses animais.

Desde que foram detectados na década de 1970, os compostos halogenados – principalmente o bifenilpoliclorado ou PCB – vêm ameaçando o urso polar. Sabe-se que essas substâncias contaminantes afetam os sistemas reprodutivo e endócrino desses animais.

Além disso, uma análise de amostras de tecido de espécimes da Groenlândia revelou mais de 50 contaminantes e pesticidas, muitos dos quais estão proibidos atualmente. As consequências a longo prazo para a saúde dos ursos polares obviamente não são boas.

A saúde do urso polar

Monitorando a saúde dos ursos polares

Para tentar aliviar essa situação, várias organizações e centros de pesquisa estão realizando iniciativas para acabar com a contaminação secreta dos ursos polares.

Especificamente, uma equipe internacional de especialistas preparou e publicou um guia que permite ‘monitorar’ o estado de saúde e conservação do urso polar. Ele detalha diretrizes que podem ser decisivas para a conservação desses animais na zona do Ártico.

 

Os pesquisadores alertam que essas ameaças não foram 100% avaliadas e, portanto, não sabemos ao certo como elas afetarão a conservação desses animais incríveis a longo prazo.

  • Routti, H., Atwood, T., Bechshoft, T., Boltunov, A., Ciesielski, T. M., Desforges, J. P., … & McKinney, M. (2019). State of knowledge on current exposure, fate and potential health effects of contaminants in polar bears from the circumpolar Arctic. Science of The Total Environment.

 

  • Liu, Y., Richardson, E. S., Derocher, A. E., Lunn, N. J., Lehmler, H. J., Li, X., … & Martin, J. W. (2018). Hundreds of Unrecognized Halogenated Contaminants Discovered in Polar Bear Serum. Angewandte Chemie International Edition57(50), 16401-16406.