A coprofagia no mundo animal

26 Setembro, 2020
A coprofagia é um termo que se refere à dieta à base de fezes de certos seres vivos. Por mais desagradável que possa parecer, essa estratégia tem muitos benefícios tanto para os indivíduos quanto para os ecossistemas.

Normalmente, tomando como base a alimentação, classificamos os seres vivos como herbívoros, onívoros ou carnívoros. Ainda assim, existe um amplo espectro entre a grama e a carne: animais hematófagos, detritívoros ou os coprófagos tendem a ser excluídos dos grupos mais restritos.

É desse último grupo que vamos falar hoje: seres vivos que se alimentam de fezes. Incentivamos você a continuar essa leitura, porque, apesar do desagrado inicial que possa causar, por trás dessa estratégia evolutiva existem mecanismos surpreendentes para o aproveitamento da matéria orgânica.

O que é a coprofagia?

Um animal coprófago estrito é aquele que se alimenta quase exclusivamente de excrementos de outros animais. Os coprófagos não podem subsistir com outra fonte de nutrientes.

É verdade que em vários grandes mamíferos, roedores e até cães, pode haver episódios de eventual coprofagia, como veremos mais adiante.

A essência desse termo reside na natureza obrigatória da dieta. Embora existam vários animais que apresentam comportamento coprófago, apenas aqueles que baseiam sua dieta e modo de vida na ingestão de fezes são catalogados nesse grupo. Portanto, não é perigoso generalizar e dizer que é uma estratégia única em insetos.

Como as fezes são processadas?

Embora pareça irônico, essa fonte de alimento precisa ser processada de alguma forma antes que os insetos, em sua maioria besouros e suas larvas, possam consumi-la. Três comportamentos diferentes foram observados:

  1. Um primeiro grupo, formado pelos besouros de esterco, quebram um pedaço do excremento, fazem uma bola com ele e o deslocam um pouco antes de enterrá-lo. A partir de então, os adultos se alimentam desse recurso e também depositam os ovos na matéria fecal para que as larvas possam acessar os nutrientes até que estejam totalmente desenvolvidas.
  2. No segundo grupo, que contém várias espécies, incluindo várias espécies do gênero Geotrupidae, os besouros também transportam a matéria fecal para um local seguro. Ao contrário dos besouros de esterco, eles não fazem a bola, mas carregam segmentos nos membros anteriores e na cabeça. As espécies do gênero antes mencionado constroem túneis muito complexos onde armazenam alimentos que podem medir mais de dois metros.
  3. Um terceiro grupo, que inclui principalmente o gênero Coprinae, prefere construir seus ninhos diretamente debaixo das fezes e, assim, ter fácil acesso ao alimento.

Cada espécie de coprófago apresenta uma predileção pelas fezes de um determinado animal, bem como por um determinado estado de dessecação da mesma. A maioria das espécies busca os resíduos dos ungulados, pois nos carnívoros o aproveitamento de nutrientes é muito maior e as fezes carecem de valor nutritivo.

Coprofagia eventual

Uma vez que abandonamos o termo estrito, descobrimos que existem episódios de coprofagia em vários mamíferos:

  • Coelhos e porquinhos-da-índia não têm um sistema digestivo tão sofisticado quanto os ruminantes, que têm estômagos com várias câmaras. Por isso, não conseguem obter todos os benefícios da vegetação e, após a primeira excreção de algumas bolas chamadas cecotróficas, voltam a ingeri-las para uma segunda rodada. Uma vez obtidos os nutrientes necessários, as fezes não são consumidas novamente.
  • Em alguns mamíferos de grande porte, como elefantes ou coalas, os filhotes podem consumir as fezes dos adultos, eventualmente. Isso lhes fornece bactérias essenciais para o bom funcionamento do intestino, que não apresentam ao nascer.
  • Os cães também podem praticar coprofagia, mas não há benefícios para eles como no restante dos mamíferos listados. Isso pode ser uma indicação de falta de atenção, estresse, ansiedade ou um ambiente insalubre.

A importância da reciclagem

Insetos coprófagos estritos são essenciais para os ciclos ecológicos dos ecossistemas. A degradação dos excrementos e sua fusão com o solo para que possam ser utilizados tanto por seres microscópicos como pelas plantas é um processo lento. Os besouros, ao fazer essa separação e transportar a matéria fecal, aceleram muito esse processo e, além disso, fertilizam os solos rapidamente.

Uma segregação de fezes em toda a paisagem também evita o acúmulo de patógenos, a contaminação dos solos ou uma superabundância de parasitas de matéria fecal.

Como vimos, por mais desagradável que o conceito possa parecer, a coprofagia é uma estratégia evolutiva totalmente válida, que traz benefícios tanto a nível individual quanto ao ecossistema.

  • Coprofagia, wikipedia. Recogido a día 5 de junio en https://es.wikipedia.org/wiki/Coprofagia#:~:text=Es%20un%20r%C3%A9gimen%20alimentario%20casi,espor%C3%A1dica%20no%20pueden%20considerarse%20copr%C3%B3fagos.