Corais e algas microscópicas

25 Setembro, 2020
Na natureza, existem numerosos exemplos de simbiose dos quais não temos conhecimento. A associação entre dinoflagelados e corais é essencial para a formação dos incríveis recifes que banham as superfícies do fundo do mar.

Os recifes de coral são um dos ecossistemas mais diversos da Terra. Na verdade, a Grande Barreira de Corais (com 2.600 quilômetros de extensão), localizada na Austrália, é considerada o maior ser vivo do mundo, com mais de 1.800 espécies diferentes habitando nela.

Mas você sabia que esses recifes prosperam graças à simbiose estabelecida com um gênero de algas unicelulares?

A seguir, vamos revelar o segredo que permite que essas estruturas maravilhosas, formadas por corais, perdurem durante milhares de anos.

Simbiose

Na natureza, é muito comum que sejam estabelecidas relações entre dois organismos de espécies diferentes. Esse vínculo é conhecido como simbiose e pode durar a vida inteira de ambos os seres.

Existem diferentes tipos de relação simbiótica, dependendo de como essa associação ocorre:

  • Comensalismo
  • Mutualismo
  • Parasitismo

No caso da simbiose mutualista, os organismos que estão interagindo entre si se beneficiam um do outro. Esse é o termo que nos interessa para o que vamos comentar a seguir.

No ecossistema marinho, um dos exemplos mais conhecidos de simbiose mutualista é aquela estabelecida por corais com algas dinoflageladas fotossintéticas. Mas será que sabemos bem o que são os corais?

O que são os corais?

Os recifes de coral são estruturas marinhas gigantescas formadas a partir dos esqueletos de organismos conhecidos como coraisCada coral individual é um animal chamado pólipo, que se combina com outros para formar essas colônias.

Corais e algas microscópicas

Para que você tenha uma ideia do que são os pólipos, eles são animais que pertencem à mesma família das águas-vivas e das anêmonas. Eles têm um corpo macio em forma de taça, de onde saem tentáculos, como ocorre com as águas-vivas. Mas, em contrapartida, esses animais vivem presos a um substrato (como o fundo do mar) e, por isso, não têm a capacidade de se mover.

Também é importante saber que nem todos participam da formação de recifes, pois também podemos encontrá-los sozinhos, ancorados sobre uma superfície. Eles chamam a atenção por causa de suas formas e cores curiosas, que fazem com que pareçam plantas ou árvores. É por isso que eles geralmente são confundidos com espécies de plantas.

Os pólipos

Esses animais invertebrados pertencem ao filo cnidários são caracterizados por suas formas gelatinosas e tentáculos afiados que usam para caçar.

Os pólipos formam um exoesqueleto rígido a partir da água do mar que serve para proteger seus corpos moles. Na verdade, eles vivem nos exoesqueletos dos seus ancestrais e, ao mesmo tempo, acrescentam os seus próprios.

Conforme um pólipo vai se multiplicando, são formadas colônias que agem como um organismo individual. Assim, o recife cresce durante anos e chega a medir milhares de quilômetros.

Embora esses organismos frequentemente usem os tentáculos para obter alimentos como o zooplâncton, a maioria dos nutrientes de que precisam é obtida por meio das microalgas com as quais estabelecem uma relação de simbiose mutualista.

Também se sabe que eles têm associações simbióticas com outros seres vivos, tais como caranguejos, vermes, esponjas e polvos.

Algas dinoflageladas

Essas microalgas do gênero Symbiodinium, comumente conhecidas como zooxantelas, são a causa do sucesso evolutivo dos corais.

Os dinoflagelados são considerados um dos microrganismos eucarióticos mais importantes, pois são os produtores primários dos oceanos.

Simbiose coral-alga

Os dinoflagelados compreendem um grupo de algas endossimbióticas fotossintéticas que fornecem cor e nutrientes aos corais. Ao mesmo tempo, habitam os tecidos dos pólipos, que fornecem proteção.

Os resíduos inorgânicos gerados pelos corais são usados ​​pelos dinoflagelados fotossintéticos. A partir desses compostos e da luz solar, as algas produzirão nutrientes que serão usados ​​pelos corais. Portanto, os dinoflagelados promovem o crescimento e o desenvolvimento dos recifes de coral.

Essa troca é crítica para que o coral possa formar o seu exoesqueleto por meio da precipitação do carbonato de cálcio (CaCO3).

Corais e algas microscópicas

O branqueamento dos corais

A mudança climática é uma das principais preocupações para a sobrevivência dos recifes de coral.

O estresse e a acidificação causados ​​nos oceanos se devem ao aumento da temperatura das águas superficiais. Isso afeta os corais negativamente, inibindo o seu crescimento e a calcificação por causa das mudanças no pH.

Portanto, a simbiose coral-algas é desestabilizada, causando a perda das algas (de seus fotopigmentos), o que resulta na perda da cor do tecido do coral, fenômeno também conhecido como “branqueamento dos corais”.

Esse branqueamento do coral afeta a saúde dos pólipos gravemente, de modo que as mudanças climáticas causam a morte das colônias e a degradação dos recifes.

A luta pela natureza: nossa principal preocupação

Assim, como podemos ver, os recifes são uma das construções mais incríveis que a natureza nos oferece. Porém, os corais não seriam nada se não fosse pela multiplicidade de espécies que os habitam e que tornam a sua sobrevivência possível.

A associação entre corais e algas é fundamental para a geração dessas megaestruturas, assim como o fato de os raios solares alcançarem suas superfícies.

Corais e algas microscópicas

Por fim, mais uma vez podemos ver como a ação humana prejudica a natureza, nesse caso causando o declínio dos ecossistemas existentes nos recifes.

Portanto, devemos ser conscientes desses danos e reduzir as emissões globais para proteger e preservar esses seres vivos.

  • Putman, H.M., Barott, K.L., Ainsworth, T.D. and Gates, R.D. The vulnerability and resilience of reef-building corals. Curr. Biol. (2017) 27(11).
  • Frankowiak, K., Wang, X.T., Sigman, D.M., et al. Photosymbiosis and the expansion of shallow-water corals. Sci. Adv. (2016) 2(11).
  • Stat, M., Morris, E. and Gates, R.D. Functional diversity in coral-dinoflagellate symbiosis. Proc. Natl. Acad. Sci. U.S.A. (2008) 105(27):9256-9261.
  • Rosic, N., Ling, E.Y., Chan, C.K. et al. Unfolding the secrets of coral-algal symbiosis. ISME. J. (2015) 9(4):844-856.
  • Lesser, M.P., Stat, M. and Gates, R.D. The endosymbiotic dinoflagellates (Symbiodinium sp.) of corals are parasites and mutualists. Coral Reefs. (2013) 32:603-611.