Os elefantes da floresta, guardiões das árvores

21 Outubro, 2020
Os elefantes africanos da floresta estão em risco de extinção, algo perigoso tendo em vista seu papel na manutenção das florestas da bacia do Congo.

Além dos paquidermes que habitam a savana, poucos sabem que também vivem no continente africano outros elefantes além do elefante africano, conhecidos como elefantes da floresta.

Os misteriosos guardiões da floresta

Essa espécie, considerada até recentemente uma subespécie do elefante africano, na verdade é uma espécie diferente, menor do que o elefante africano e que tem uma unha a mais em cada pata.

Além disso, suas presas têm um certo tom rosado e são mais duras e mais finas do que as do seu parente de maiores dimensões. A espécie vive nas selvas da África Central: habita principalmente as florestas que povoam a bacia do Congo.

Escondida nessas densas florestas, essa espécie de mamífero está ameaçada da mesma forma que seus outros parentes e, por isso, é considerada vulnerável de acordo com a lista de espécies ameaçadas de extinção da UICN.

No entanto, a beleza e o mistério que cercam os elefantes da floresta não são a única razão para protegê-los: esses animais são uma das espécies-chave mais importantes, sendo verdadeiros engenheiros da natureza.

Os elefantes da floresta, guardiões das árvores

Verdadeiros engenheiros da natureza

Um novo estudo publicado na Nature Geoscience adverte que esses elefantes da floresta são fundamentais para o surgimento de plantas de crescimento mais lento, árvores vitais para acumular o dióxido de carbono que estamos liberando na atmosfera, fator significativamente vinculado às mudanças climáticas.

A equipe da Universidade de Saint Louis mostra que, em um ecossistema com maiores populações de elefantes da floresta, há uma maior proporção de árvores com alta densidade de madeira.

Essa equipe estima que a extinção dos últimos elefantes da floresta pode custar caro: o serviço ecossistêmico que eles nos prestam com a criação dessas florestas, verdadeiros depósitos de dióxido de carbono, chega a 43 trilhões de dólares.

Os elefantes da floresta, guardiões das árvores

Esse trabalho funciona da seguinte forma: para sua alimentação, os elefantes ignoram as plantas de crescimento lento, optando assim por aquelas de crescimento rápido. Isso permite que as primeiras prosperem, algo que não poderiam fazer sem os elefantes.

A conservação dos elefantes da floresta

Essas florestas de maior densidade de madeira têm uma capacidade muito maior para acumular o dióxido de carbono. Por isso, é muito importante conservar essa espécie para o combate ao aquecimento global, pois, assim como os oceanos, as florestas são uma das nossas maiores garantias na luta contra esse fenômeno.

Essa não é uma tarefa fácil, tendo em vista o enorme valor do marfim rosado dos elefantes da floresta. Entre 2002 e 2012, 62% dos exemplares foram abatidos por caçadores furtivos, algo surpreendente considerando a proximidade dessas datas: apenas uma década.

E essa não é a sua única ameaça, pois esses animais também são abatidos por causa de sua carne, através do comércio de bushmeat, vinculado aos acontecimentos bélicos ocorridos nesses países nos últimos anos. Assim, a matança de elefantes tem aumentado ainda mais.

Da mesma forma que o elefante africano, essa espécie é protegida pela CITES no seu primeiro apêndice desde 1989, medida esta que, juntamente com as restrições ao comércio de marfim, não parece garantir a conservação de uma espécie da qual dependemos para lutar contra a mudança climática.

Berzaghi, F., Longo, M., Ciais, P., Blake, S., Bretagnolle, F., Vieira, S., … & Doughty, C. E. (2019). Carbon stocks in central African forests enhanced by elephant disturbance. Nature Geoscience, 1.