Emergências respiratórias: dispneia em animais de estimação

21 Novembro, 2020
A sensação de sufocamento e falta de ar é uma das piores experiências que existe. Para um animal que não entende o que está acontecendo consigo mesmo, é ainda mais estressante.

A dispneia é uma dificuldade respiratória que envolve falta de ar. Isso resulta em uma sensação de desconforto causada pela respiração deficiente, mas também pode ser provocada por uma concentração insuficiente de oxigênio no sangue ou uma concentração excessiva de dióxido de carbono.

Em todo caso, a dispneia em animais de estimação é um problema sério e deve ser tratada como uma emergência respiratória.

Para isso, é essencial reconhecer imediatamente os pacientes que sofrem com essa patologia. Na sala de emergência, a observação do animal e o exame físico do aparelho respiratório são as ferramentas mais úteis para o seu diagnóstico.

É essencial observar os padrões de respiração

Animais com dispneia podem ser reconhecidos pelo aumento da frequência e o esforço respiratório. Isso se deve ao súbito envolvimento dos músculos respiratórios secundários, como os músculos do pescoço ou abdômen.

Assim, a respiração se torna um processo ativo e não passivo, embora seja verdade que esse esforço respiratório nem sempre significa a presença da dispneia.

A respiração paradoxal, no entanto, implica a existência da dispneia. Isso porque se refere à perda de sincronização entre os movimentos respiratórios torácico-abdominais.

É essencial observar os padrões de respiração

Como reconhecer um paciente com dispneia?

Um dos sinais mais evidentes é a adaptação da postura do animal para tentar facilitar o fluxo de ar. Por exemplo:

  • Respirar pela boca.
  • Alongar o pescoço e levantar a cabeça para endireitar a traqueia.
  • Adotar uma posição ortopneica, ou seja, “corretora da respiração”.

Aos dois primeiros sintomas acrescenta-se a preferência do animal em ficar em pé e abrir os cotovelos para minimizar a compressão do tórax. Qualquer restrição artificial que limite essas adaptações posturais pode piorar a dispneia e levar a uma descompensação.

Segundo passo: o exame físico

Uma das primeiras coisas a verificar em um animal com dificuldade respiratória é a cor das membranas mucosasA cianose pode fornecer informações importantes sobre o mau funcionamento do sistema respiratório, mas só aparece nos pacientes mais graves.

Portanto, não se deixe levar por uma falsa sensação de segurança quando a cor da mucosa continuar rosada.

O próximo passo será examinar minuciosamente o sistema respiratório e cardiovascular do animal. A ausculta do tórax e da traqueia pode mostrar a presença de sibilo, estalido ou outros sons anormais:

  • O sibilo, conhecido como sibilância, está associado ao estreitamento das vias aéreas. Se ocorrer durante a inspiração, deve-se suspeitar de uma patologia do trato respiratório superior, ao passo que se forem expiratórios geralmente se devem a problemas no trato respiratório inferior.
  • Os estalidos geralmente indicam fluido nas vias aéreas. Eles são causados ​​por bolhas de ar dentro do fluido.

Por que se fala em avaliar também o sistema cardiovascular? Porque pode ser a origem do desconforto respiratório, como ocorre na insuficiência cardíaca congestiva.

Como estabilizar o paciente?

A primeira reação deve incluir o aumento do oxigênio inspirado, ainda durante a realização do exame físico. Idealmente, o animal deve descansar brevemente em um ambiente enriquecido com oxigênio antes de continuar com o manuseio.

Isso é particularmente importante para gatos, pois permite que eles se acalmem após o transporte para a clínica. Na verdade, o exame minucioso só prosseguirá se for demonstrado que não agrava o sofrimento do animal e, portanto, a dispneia.

O ponto-chave para o tratamento da dispneia em animais de estimação é a oxigenoterapia

A oxigenoterapia pode ser feita de várias maneiras:

  • Através de uma máscara, em qualquer paciente que esteja deitado e aceite usá-la.
  • Utilizando diretamente o tubo de oxigênio, colocando-o próximo às narinas ou à boca do animal. Proporciona um efeito semelhante, mas com muito menos estresse para ele.
  • Utilizar gaiolas de oxigênio, com o inconveniente de isolar o paciente e impedir a continuidade do exame. Na medicina veterinária, há uma tendência de se aproveitar o uso de incubadoras doadas pela pediatria humana.
  • Com o uso de ponteiras de oxigênio nasal por um período mais longo. Elas funcionam bem em raças grandes, mas causam problemas em raças braquicefálicas.

Existem muitas outras técnicas que procuram se adaptar à situação específica ou até mesmo à espécie. Por exemplo, o uso de uma colar elizabetano em conjunto com o aparelho de oxigênio, criando uma espécie de câmara exclusiva para o indivíduo.

A chave para o tratamento da dispneia em animais de estimação é a oxigenoterapia

A oxigenoterapia de longo prazo deve ser úmida para evitar o ressecamento das vias aéreas. Existem unidades especialmente projetadas que aquecem e umidificam o ar inspirado.

Por último, você precisa ter cuidado porque existe algo chamado toxicidade do oxigênio. Isso significa que, se altas concentrações forem administradas por mais de 12 horas, ocorrerão danos aos pulmões.