Estrabismo em cães: causas e tratamentos

05 Dezembro, 2019
Você sabia que os cães, assim como os seres humanos, podem ser vesgos?

O estrabismo em cães, assim como em humanos, é um distúrbio ocular que faz com que os dois olhos não se direcionem para o mesmo lugar ao mesmo tempo. Apesar de ser um “defeito”, o estrabismo é uma característica desejada em algumas raças de cães e gatos e até em algumas culturas humanas.

Quando falamos de um defeito, não queremos dizer que seja algo “feio”, mas que provém de uma malformação dos músculos que sustentam o olho ou de alguma doença, como uma neoplasia ou um tumor.

Os músculos do globo ocular

Os olhos dos animais mamíferos são sustentados, cada um, por seis músculos, que permitem que o olho faça movimentos diferentes. Esses músculos são classificados em três grupos:

  • Músculos retos. Existem quatro: dorsal, ventral, medial e lateral. Esses músculos são inseridos na esclera – parte branca do globo ocular – através dos tendões. Os músculos dorsal e ventral fazem com que o olho se mova para a esquerda e para a direita. Por outro lado, o medial e o lateral permitem seu movimento para cima e para baixo.
  • Músculos oblíquos. São dois: dorsal e ventral. A ação de ambos permite o movimento rotativo do olho, no sentido horário ou anti-horário.
  • Músculo retrator do olho. Localizado atrás do globo ocular. Forma um cone muscular sobre o nervo óptico.
Os músculos do globo ocular

O bom funcionamento de todos esses músculos faz com que os olhos se movam ao mesmo tempo e de maneira coordenada. Existem vários tipos de estrabismo, dependendo da posição do olho ou olhos afetados:

  • Divergente: o olho é direcionado para o exterior do rosto.
  • Convergente: o olho é direcionado para o nariz.
  • Dorsal: o olho é direcionado para cima.
  • Ventral: o olho é posicionado com a pupila voltada para o chão.

Causas do estrabismo em cães

As causas do estrabismo são múltiplas e nem sempre há uma solução. Esse distúrbio é sempre considerado um defeito em cães, embora, ocasionalmente, possa estar ligado à raça.

As raças de cães com maior ocorrência de estrabismo são Sharpei, Wolfhound irlandês, Akita e Pug. Muitas vezes, ele é causado pela substituição, durante o desenvolvimento, do músculo reto medial por tecido fibroso, o que impede o correto movimento do olho.

Por outro lado, existem doenças relacionadas ao sistema imunológico que podem causar o estrabismo. É o caso da miosite imunomediada. Esta patologia é caracterizada pela infiltração de células inflamatórias nos músculos.

Quando isso ocorre nos músculos oculares, o estrabismo e até a exoftalmia ocorrem. Problemas relacionados à glândula tireoide também podem causar estrabismo.

Causas do estrabismo em cães

Os tumores estão entre as possíveis causas do estrabismo em cães. Uma neoplasia em alguma área ao redor do globo ocular, ou até mesmo no próprio olho, pode pressionar os diferentes músculos fora do olho. Isso faria com que o olho não se movesse normalmente.

Às vezes, as causas do estrabismo são traumáticas. Vários casos de cães com fratura no osso zigomático – aquele localizado logo abaixo do olho e que une o crânio à mandíbula – foram associados ao estrabismo grave.

Finalmente, algumas doenças ou malformações relacionadas ao sistema nervoso podem causar o estrabismo em cães. Entre elas, podemos citar uma união incorreta de nervos ou problemas graves, como a hidrocefalia.

Tratamento do estrabismo em cães

O tratamento do estrabismo em cães dependerá, em todos os momentos, da causa do problema. Quando é devido a uma origem congênita, pode ser necessária uma pequena cirurgia ou simplesmente uma terapia para fortalecer os músculos oculares.

Por outro lado, se o estrabismo for causado por uma doença, em muitos casos, quando a doença tiver sido tratada, o problema se resolve sozinho. No entanto, os músculos também podem ter sido danificados e pode ser necessário fazer uma cirurgia ou aplicar algum tipo de terapia.

  • Allgoewer, I., Blair, M., Basher, T., Davidson, M., Hamilton, H., Jandeck, C., … & Shelton, G. D. (2000). Extraocular muscle myositis and restrictive strabismus in 10 dogs. Veterinary ophthalmology, 3(1), 21-26.
  • Salinas, E. M., Rosales, M. D. L. L. M., & Estrada, X. Z. (2004). Caracterización histológica y ultraestructural de meningoencefalomielitis granulomatosa en dos perros. Veterinaria México, 35(4), 307-315. 
  • Salvador, C. R., & Martínez, M. E. G. (2013). Anatomía Veterinaria. 8. Anatomía del ojo (globo del ojo y órganos accesorios) en las especies domésticas. REDUCA, 5(2).