Como evitar o medo de uma consulta veterinária

27 Agosto, 2020
A consulta com o veterinário não precisa ser sinônimo de tensão ou medo.

Como seres humanos, muitas vezes relutamos em procurar um médico especialista, e os nossos animais de estimação também podem perceber a consulta veterinária como uma experiência traumática.

Geralmente, quando um animal precisa de cuidados médicos, não é porque ele precisa de uma revisão geral, mas sim fazer um diagnóstico ou o controle de alguma doença. De qualquer forma, o animal costuma ir ao veterinário para realizar um tratamento que invade sua zona de conforto.

Portanto, comportamentos esquivos, latidos, choro e até incontinência urinária são reações frequentes tanto nos momentos anteriores quanto durante a consulta.

Amenizar o medo de uma consulta veterinária

Abaixo estão alguns dos conselhos fornecidos por especialistas para mitigar essa fobia:

1. O proprietário deve mostrar uma atitude relaxada antes e durante a consulta

Muitas vezes, são os próprios seres humanos que projetam nervosismo nos animais de estimação, o que contribui para aumentar a tensão do bichinho. Para evitar isso, é melhor ter um veterinário de confiança e, acima de tudo, permanecer o tempo necessário para criar cumplicidade entre os três.

2. Garantir que a experiência veterinária seja o menos traumática possível

Embora a prática de determinados tratamentos ou intervenções possam ser desconfortáveis e até mesmo dolorosas, os proprietários podem atenuá-las com coisas simples: a melhoria das condições de transporte do animal no caminho para o veterinário com conforto e segurança, acariciar e adotar uma atitude rígida e calma para que as ordens não sejam entendidas como punições, mas como deveres e, acima de tudo, recompensas ao animal.

Aliviar o medo de uma visita veterinária

As recompensas em forma de petiscos, grãos de ração, ossos… são essenciais para destacar o bom comportamento dos nossos animais de estimação. Esses prêmios podem ser administrados tanto no final da consulta quanto durante, desde que o profissional considere conveniente.

3. Promover a socialização do animal desde o início do seu desenvolvimento

Esse aspecto é primordial, principalmente no caso de cães e gatos, pois o contato com outras pessoas é mais viável. Incentivar reuniões com outras pessoas contribui para aumentar a confiança do animal e, portanto, evitar comportamentos defensivos que refletem sua tensão.

4. Acostume-o a deixar que mexam nele

Desde os primeiros momentos, é fundamental que o animal se sinta relaxado quando é pego ou inspecionado. Práticas como cortar as unhas, abrir a boca ou simplesmente segurá-lo ou imobilizá-lo para dar banho ajudam a criar essa cumplicidade essencial.

Ensinar desde filhote é o ideal

5. Recorra ao veterinário a domicílio

Em certos casos, seja porque o animal precisa de um tratamento especial ou demonstra rejeição excessiva em relação à consulta que o impeça de ir à clínica, ou porque as características específicas da espécie exigem, existem opções de veterinários a domicílio.

Essas intervenções, em geral, tendem a ser mais descontraídas devido à segurança que o ambiente familiar transmite ao animal.

É compreensível que os nossos animais de estimação mostrem alguma tensão diante desse tipo de procedimento, mas está em nossas mãos ajudá-los a lidar com isso da melhor maneira possível.