Existem animais destros ou canhotos?

12 Outubro, 2020
Animais vertebrados podem ser destros e canhotos. Você reconhece essa característica no seu animal de estimação? Aqui estão algumas dicas para descobrir.

Embora a nível de espécie não exista uma tendência a usar o membro direito como ocorre nos humanos, os animais podem ser destros ou canhotos. Pode parecer incrível, mas os vertebrados também tendem a usar um dos seus membros mais do que os outros. Dentro de cada espécie, a porcentagem de canhotos e destros costuma ser de 50%.

Embora essa característica não seja um fator determinante em animais domésticos, é sempre curioso saber mais sobre o animal que mora com você. Portanto, aqui vamos mostrar quais animais são canhotos ou destros e como descobrir.

Animais destros ou canhotos na natureza

Alguns estudos mostram que em chimpanzés e gorilas o uso da mão direita é de 65% e 75%, respectivamente. Além disso, esse aspecto parece estar positivamente correlacionado com a mão que a mãe usa. Portanto, muitos pesquisadores consideram que o uso da mão direita ou esquerda em primatas é algo aprendido, ao contrário dos humanos, que parece ser algo inato.

O tema dos animais destros e canhotos não é focado apenas em primatas e humanos, uma vez que qualquer animal vertebrado apresentará preferência pelo uso de um membro ou outro.

Assimetria cerebral e animais destros ou canhotos

Os animais vertebrados, incluindo humanos, têm seus cérebros divididos em duas metades ou hemisfériosEssa lateralização também afeta o resto do corpo. Dessa forma, o lado direito do cérebro controla a parte esquerda do corpo e o hemisfério cerebral esquerdo a parte direita.

Esse pode ser o motivo pelo qual, nos humanos, alguns de nós têm um manuseio maior do lado direito e outros do esquerdo. O mesmo acontece com o restante das espécies de vertebrados, pois a lateralização pode causar a existência de animais destros e canhotos.

Assimetria cerebral

Os processos de desenvolvimento que causam a lateralização ainda estão em estudo. No entanto, existem muitos testes empíricos em animais que mostram que eles podem ter um maior domínio da mão, pata, asa ou nadadeira direita ou esquerda.

Por outro lado, pesquisas realizadas em ratos mostram que exemplares destros têm uma concentração de um neurotransmissor em uma região do cérebro diferente de ratos canhotos ou ambidestros. Apesar disso, essa é uma área muito ampla, que ainda requer muitas pesquisas.

No entanto, não se sabe como são criadas essas conexões que podem levar um animal a ser destro ou canhoto. Ainda não se sabe se há influência de fatores genéticos, ambientais ou comportamentais, existem apenas teorias muito criticadas.

Por que é importante saber se um cão é destro ou canhoto?

O fato de os animais serem destros ou canhotos não depende apenas de qual membro eles usam. Quando um indivíduo usa sua pata direita, isso nos mostra que o lado esquerdo do seu cérebro está mais desenvolvido e pode haver mais conexões neuronais naquele hemisfério.

O cérebro como tal é dividido em diferentes áreas distribuídas em grupos de neurônios. Se um animal usa alguns mais do que outros, isso pode definir muitos fatores do seu comportamento. Por exemplo, um animal destro pode ter uma capacidade de orientação maior do que um canhoto ou um canhoto pode ter uma maior capacidade de concentração.

Se focarmos tudo isso no cão, saberemos quais animais têm mais sucesso quando se trata de se tornarem cães-guia, cães de terapia ou ajuda, cães policiais, cães de resgate, etc. Além disso, para esses trabalhos, apenas cães destros são procurados.

Por que é importante saber

Como saber se o seu animal é destro ou canhoto?

Não é tão fácil saber se o gato ou cão é destro ou canhoto. Podemos pensar que simplesmente chamando, quando o animal está sentado ou deitado, e vendo qual membro avança primeiro, saberemos se o animal é canhoto ou destro. Mas, infelizmente, não é assim tão simples.

Para poder dizer com alguma segurança que seu cão ou gato usa uma pata ou outra, você terá que repetir vários exercícios dezenas de vezes. Os truques que você pode tentar são:

  • Esconder um pedaço de comida sob um móvel onde ele só pode colocar uma das patas.
  • Para os cães, mantenha uma guloseima no punho e veja com qual pata ele acerta a sua mão.
  • Para os gatos: estando em pé, segure a comida. O gato vai se levantar para tentar pegá-la com uma das patas (ou ambas, lembre-se que existem animais ambidestros)
  • Como antecipamos, você também pode tentar chamá-lo quando ele estiver sentado e ver qual pata avança primeiro.

Por fim, lembre-se de anotar cada atividade para tentar descobrir se o seu gato ou cachorro é destro ou canhoto. Embora essa característica não tenha especial relevância na rotina do animal, é sempre bom saber mais sobre o seu companheiro.

  • Agustín, C. (2012). De animales diestros y animales zurdos. Investigación y ciencia. Disponible en: https://www.investigacionyciencia.es/blogs/psicologia-y-neurociencia/30/posts/de-animales-diestros-y-animales-zurdos-10620
  • Hopkins, WD (2006). Análisis comparativo y familiar de la mano en los grandes simios. Boletín psicológico, 132 (4), 538–559.
  • Llorente, M., Fabré, M., & Mosquera, M. (2008). Lateralización cerebral en chimpancés: una aproximación filogenética al estudio del cerebro humano. Estudios de Psicología, 29(2), 147-161.
  • Nalivaeva, N. N., Plesneva, S. A., Chekulaeva, U. B., Vasil’eva, I., Varlinskaia, E. I., & Klement’ev, B. I. (1996). The biochemical characteristics of the sensorimotor cortex in right-handed, left-handed and ambidextrous rats. Zhurnal evoliutsionnoi biokhimii i fiziologii, 32(1), 75-81.
  • Rogers, L. J. (2009). Hand and paw preferences in relation to the lateralized brain. Philosophical Transactions of the Royal Society B: Biological Sciences, 364(1519), 943-954.
  • Schaafsma, S. M., Riedstra, B. J., Pfannkuche, K. A., Bouma, A., & Groothuis, T. G. G. (2009). Epigenesis of behavioural lateralization in humans and other animals. Philosophical Transactions of the Royal Society B: Biological Sciences, 364(1519), 915-927.
  • Warren, J. M. (1980). Handedness and laterality in humans and other animals. Physiological psychology, 8(3), 351-359.