O que faz um etólogo animal?

21 Maio, 2020
É possível que em alguma ocasião você tenha se esforçado para entender seu animal de estimação, mas ainda não encontrou uma explicação. Não se preocupe, esse é o trabalho do etólogo animal.
 

Um etólogo animal é um especialista, dentro do campo da zoologia, que analisa e tenta entender as razões por trás do comportamento das espécies animais. Isso é feito por meio do estudo das bases evolutivas e do desenvolvimento dos comportamentos inatos dos animais.

Essa profissão vai muito além de uma posição de pesquisa em um zoológico. De fato, é um profissional que pode trabalhar para governos, grandes empresas e outros setores. Vale destacar que, geralmente, é necessário um diploma de pós-graduação para trabalhar nesse campo.

O que um etólogo animal faz?

Acima de tudo, um etólogo animal examina as interações sociais entre os animais, como agressão e hábitos de acasalamento. Além disso, estuda as diferentes formas de comunicação animal (física, química, visual). E para abordar essas áreas de conhecimento, usa metodologias de laboratório e de campo.

Certamente, é comum descobrir que pessoas dedicadas à etologia têm fortes interesses em disciplinas relacionadas, incluindo ecologia e evolução.

Em sua maioria, os empregos nesse campo exigem que os candidatos tenham uma pós-graduação, embora possa ser possível conseguir um emprego na área com um diploma de bacharel.

Compreender o comportamento dos animais é fundamental para determinar se os indivíduos vão se reproduzir e sobreviver. Essa é a importância da etologia.

Etólogo animal: estudo do comportamento
 

Em que se baseia a etologia animal?

A etologia leva em consideração tanto uma abordagem evolutiva quanto uma abordagem mais mecanicista. Estuda o comportamento animal a partir da dupla perspectiva:

  1. A primeira trata dos mecanismos de motivação e da experiência dos animais como causadores de comportamentos, entendidas como explicações próximas ou imediatas.
    • Essa abordagem reflete a vida individual de um animal. Explicações imediatas respondem a perguntas sobre como ocorre um comportamento específico.
  2. A segunda trata das pressões da seleção natural e dos fatores filogenéticos que causam a evolução do comportamento, entendidas como explicações últimas ou finais.
    • Essa abordagem reflete o processo evolutivo de uma espécie. As explicações finais respondem a perguntas sobre por que um comportamento ocorre.

Esses dois níveis de estudo da etologia se complementam e ajudam a alcançar uma compreensão mais completa do comportamento e da evolução dos animais.

Quais aspectos específicos do comportamento animal a etologia contempla?

Já não será mais uma surpresa saber que a etologia é um campo excepcionalmente amplo e inclui o estudo de:

  • Estratégias de defesa.
  • Comunicação entre os animais.
  • Mecanismos de aprendizagem e memória.
  • Características de acasalamento, reprodução e criação.
  • Hábitos migratórios e requisitos de habitat.
  • Identificação de genes que afetam o comportamento.
  • Dinâmica de competição e cooperação durante a alimentação e o acasalamento.
 
  • Características anatômicas e funcionais do cérebro que afetam o comportamento animal.
  • Caracterização de como os animais diferem em sua personalidade e em estruturas sociais.

Como você pode ver, um etólogo animal não é apenas importante em relação à contribuição para o conhecimento científico, mas seu trabalho também tem implicações práticas.

Além disso, entender o comportamento dos animais também é essencial em todas as outras atividades nas quais interagimos com animais vivos. Como fazemos ao cuidar de nossos animais domésticos, conservar espécies marinhas e terrestres ou melhorar a saúde animal.

Konrad Lorenz é reconhecido como um dos pais fundadores do campo da etologia, o estudo do comportamento animal. O cientista tornou-se famoso por sua descoberta do “princípio do apego” ou “impressão”, pelo qual algumas espécies formam um vínculo entre um animal recém-nascido e a sua mãe ou responsável.

Que aspectos específicos do comportamento animal a etologia contempla?

Como surgiu o etólogo animal?

É reconhecido que foi o trabalho pioneiro de Konrad Lorenz e Niko Tinbergen na década de 1930 que estabeleceu uma base teórica para a etologia.

Sem dúvida, a etologia teve um efeito em disciplinas tão amplas quanto a genética, a antropologia e a ciência política, além da psicologia.

 

Como premissa, os etólogos acreditam que um animal deve ser estudado com base nas suas próprias motivações, sem relacioná-lo com os seres humanos. Essa abordagem envolve a observação do seu comportamento e ambiente normais.

Por exemplo, você pode considerar o experimento de Lorenz – agora clássico – em que ele conseguiu substituir uma mãe ganso e registrou como “seus filhotes” a seguiam em uma única fila aonde quer que ela fosse.

Em outro experimento conhecido, Tinbergen estudou as gaivotas de cabeça negra que nidificam no chão. Ele procurou explicar por que a mãe gaivota remove todos os vestígios de casca de ovo do ninho depois que um filhote choca.

Ele levantou a hipótese de que a casca do ovo pudesse ser removida para evitar ferimentos, prevenir doenças ou diminuir a atenção das aves predadoras. Foi verificado por testes de campo que o interior branco das conchas era realmente visível do ar e atraía predadores.

Como surgiu?

Aplicação da etologia à espécie humana

A pesquisa em etologia humana analisa as origens evolutivas do comportamento humano e também compara os comportamentos entre as culturas.

 

Outros estudos do comportamento animal são baseados na psicologia, concentrando-se em aspectos como o comportamento aprendido e o ensinamento de comportamentos aos animais, e aplicando os resultados aos seres humanos.

  • McFarland, D. (1993). Animal behaviour: psychobiology, ethology, and evolution. John Wiley & Sons. ISBN : 0582067219
  • Hughes, B. O., & Duncan, I. J. H. (1988). The notion of ethological ‘need’, models of motivation and animal welfare. Animal Behaviour, 36(6), 1696-1707.
  • Beer, C. (1973). Species-typical behavior and ethology, p. 21-77. En D. A. Dewsbury and D. A. Rethlingshafer [ed.], Comparative psychology: a modern survey. McGraw-Hill, New York.
  • Gadbois, S., Sievert, O., Reeve, C., Harrington, F. H., & Fentress, J. C. (2015). Revisiting the concept of behavior patterns in animal behavior with an example from food-caching sequences in Wolves (Canis lupus), Coyotes (Canis latrans), and Red Foxes (Vulpes vulpes). Behavioural processes, 110, 3-14.