Formiga-cabo-verde: ela é realmente muito perigosa?

04 Outubro, 2020
A formiga-cabo-verde se destaca entre as 950.000 espécies de insetos descritas no mundo por causa da dor causada de sua picada. Conheça esse temível inseto.

A formiga-cabo-verde é o nome comum para a espécie Paraponera clavataEsse apelido se deve à intensa dor gerada por sua picada. Segundo relatos, a vítima experimenta um desconforto agonizante entre as 12 e 24 horas seguintes à picada, por isso também é conhecida como “formiga 24”.

Além da fama por infligir uma dor descrita como “pura, intensa, brilhante” pelo entomologista americano Justin Schmidt, do Instituto de Biologia da Universidade do Arizona, esse inseto também se destaca pelo tamanho. Essa formiga mede cerca de 2,54 centímetros.

De acordo com a classificação atual, a formiga-cabo-verde é membro do gênero Paraponera, da família Formicidae, pertencente à ordem Hymenoptera. Por muito tempo, essa foi a única espécie do seu gênero e tribo, até 1994, quando foi encontrado seu primeiro parente extinto. O famoso fóssil, classificado como Paraponera dieteri, foi encontrado incrustado em âmbar na República Dominicana.

A formiga fossilizada, Paraponera dieteri, existiu durante o início do Mioceno, de 15 a 45 milhões de anos atrás. A boa preservação do fóssil permitiu comparações exaustivas entre as duas espécies.

Como reconhecer a formiga-cabo-verde?

Essas formigas são notáveis ​​por seu tamanho, pois os exemplares da casta operária podem medir entre 1,8 e 3,0 centímetros de comprimento. À primeira vista, parecem vespas sem asas, pretas-avermelhadas e grossas. Cada uma das antenas forma um “V” largo.

Além disso, como todos os monomorfos primitivos, essa formiga não apresenta polimorfismo na casta operária. Portanto, a rainha não é muito maior que as operárias. É importante saber que essas formigas não são naturalmente agressivas, mas ficam desenfreadas quando defendem o ninho. Quando agem na defensiva, fazem um som estridente enquanto picam ferozmente.

Como reconhecer a formiga-cabo-verde?

Onde corremos o risco de encontrar a formiga-cabo-verde?

A formiga-cabo-verde está distribuída por toda a América Central e do Sul, comumente encontrada na ecozona neotrópica úmida. Isso significa que podemos cruzar o caminho dessas formigas em uma ampla área que inclui Honduras, El Salvador, Nicarágua e Costa Rica, estendendo-se pela Venezuela, Colômbia, Equador, Peru, Bolívia e Brasil.

Em geral, as colônias de formigas-cabo-verde são encontradas em áreas de várzea, em elevações que variam do nível do mar a 750 metros. No entanto, exemplares já foram coletados em altitudes de 1.500 metros. Em relação ao número, a colônia pode ser constituída por algumas dezenas de formigas até cem indivíduos. Portanto, é uma colônia pequena em comparação com outras formigas.

Em geral, esses grupos buscam se estabelecer nas bases das árvores. Embora essas predadoras sejam principalmente insetívoras, elas também se alimentam de seiva e néctar das plantas. Assim, é comum que as operárias trabalhem perfurando a árvore na área próxima ao ninho, em busca de pequenos artrópodes e néctar.

Existe predileção por uma árvore específica para a nidificação dessa formiga?

Estudos que abordam a possível seletividade da formiga-cabo-verde para uma determinada espécie de árvore sugerem que não há seletividade. Em geral, a formiga habitará árvores com contrafortes e nectários extraflorais que dão acesso ao dossel da floresta.

Dois estudos conduzidos na Costa Rica e na Ilha Barro Colorado encontraram cerca de quatro ninhos da formiga-cabo-verde por hectare de floresta. Na Ilha Barro Colorado, ninhos foram encontrados sob 70 espécies de árvores, 6 espécies de arbustos, 2 espécies de lianas e uma espécie de palmeira. Os ninhos eram mais comuns sob a copa de Faramea occidentalis e Trichilia tuberculata, mas essas árvores também são as mais abundantes nessa floresta.

Na Costa Rica, os ninhos estiveram presentes com uma frequência maior do que seria esperado com base na abundância das árvores Alseis blackianaTabernaemontana arboreaVirola sebiferaGuarea guidonia e Oenocarpus mapora.

A terrível picada da formiga-cabo-verde: dolorosa, mas não mortal

Sabemos que muitas vespas, abelhas e formigas (ordem Hymenoptera) geram substâncias tóxicas ou venenosas como método defensivo. Assim, as fêmeas da grande maioria de himenópteros desenvolveram um ferrão na extremidade do abdômen. Essa arma constitui uma adaptação evolutiva do canal de oviposição (infraordem Aculeata).

É interessante saber que as formigas da família Formicidae geralmente atacam mordendo. No entanto, algumas espécies, incluindo a formiga-cabo-verde, também atacam picando com o ferrão. A picada, entretanto, não costuma ser fatal para os humanos.

O que torna a picada da formiga-cabo-verde tão dolorida?

É importante notar que a intensidade da dor causada por uma picada de inseto depende de vários fatores. Por exemplo, o tamanho do inseto, a quantidade de veneno que injeta e, o mais importante, as propriedades químicas dos constituintes indutores da dor.

Entre as substâncias mais conhecidas nas picadas de formiga está o ácido fórmico, encontrado na picada da subfamília Formicinae e, também, em picadas de abelha. Mas essa não é a única substância. Por exemplo, as formigas vermelhas injetam um alcaloide do grupo das piperidinas, a solenopsina.

Você já deve estar familiarizado com os efeitos fisiológicos de alguns alcaloides, como a morfina, a efedrina e a nicotina. As picadas de insetos que liberam ácido fórmico e alcaloides nada mais são do que uma pequena amostra da dor causada pela picada de uma formiga-cabo-verde. A toxina produzida pela formiga-cabo-verde é a poneratoxina.

O que se sabe sobre essa toxina poderosa?

A poneratoxina é uma pequena proteína que interfere na função dos canais iônicos de sódio. A disfunção desses canais interfere, por exemplo, na capacidade das células nervosas de enviar sinais elétricos de um local para outro. Os músculos do corpo precisam de controle neuronal para sua função.

  • Johnson, S. R., Rikli, H. G., Schmidt, J. O., & Evans, M. S. (2017). A reexamination of poneratoxin from the venom of the bullet ant Paraponera clavata. Peptides, 98, 51-62.
  • Schmidt, J. O. (2019). Pain and lethality induced by insect stings: An exploratory and correlational study. Toxins, 11(7), 427. https://www.mdpi.com/2072-6651/11/7/427/pdf
  • Harrison JM, Breed MD. (1987). Temporal learning in the giant tropical ant, Paraponera clavata. In: Physiological Entomology 12, No. 3,  pp. 317-320, doi : 10.1111 / j.1365-3032.1987.tb00756.x
  • Murphy CM, and Breed MD. (2007). A Predictive Distribution Map for the Giant Tropical Ant, Paraponera clavata . Journal of Insect Science 7:08. doi : 10.1673 / 031.007.0801
  • Haddad V, Costa Cardoso JL, Pinto Moraes RH. (2005). Description of an injury in a human caused by a false tocandira (Dinoponera gigantea, Perty, 1833) with a revision on folkloric, pharmacological and clinical aspects of the giant ants of the genera Paraponera and Dinoponera (sub-family Ponerinae). Revista do Instituto de Medicina Tropical de São Paulo, vol. 47, no.4 https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0036-46652005000400012
  • Baroni Urbani, C. (1994). “The identity of the Dominican Paraponera. (Amber Collection Stuttgart: Hymenoptera, Formicidae. V: Ponerinae, partim.)”. Stuttgarter Beiträge zur Naturkunde. 197: 1–9. doi:10.5281/zenodo.26804  https://zenodo.org/record/26804