A formiga-panda: o que saber sobre ela

14 Novembro, 2020
A formiga-panda é um oponente formidável, armado com mandíbulas poderosas e uma armadura magnífica. Ela também tem uma picada forte e uma boa dose de agilidade e agressividade.

A formiga-panda (Euspinolia militaris) é um inseto himenóptero da família MutillidaeApesar da sua aparência de formiga, na verdade, ela é uma vespa parasitoide.

A família de mutilídeos, que inclui mais de 4200 espécies, é caracterizada por um acentuado dimorfismo sexual. Nessa família, apenas os machos costumam ter asas.

Embora a espécie tenha sido descoberta há cerca de 80 anos no Chile, ela foi relativamente pouco estudada. Sabe-se que seus espécimes vivem cerca de dois anos e preferem colonizar áreas secas e arenosas. Assim, exemplares da formiga-panda foram relatados no Chile, na Argentina, em partes do México e no sudoeste dos Estados Unidos.

Vestida para invadir: adaptações para ser uma guerreira

A formiga-panda possui várias adaptações que lhe permitem explorar outros insetos agressivos e torná-los seus hospedeiros. Em primeiro lugar, seu poderoso exoesqueleto é a primeira proteção durante a invasão de insetos hospedeiros.

Além disso, a natureza garante que apenas os mais fortes se reproduzam, pois ao copular durante o voo, os machos maiores são selecionados.

Por outro lado, a ausência de asas na fêmea permite que ela explore o futuro lar dos seus ovos na terra. Essa busca prolongada expõe a fêmea, mas ela está preparada.

Para cumprir sua missão, a formiga-panda usa seu notável repertório defensivo, que inclui uma forte ferroada, gritos de alerta, coloração dissuasiva, rastro químico e uma variedade de táticas evasivas. A seguir, vamos falar sobre isso.

Vestida para invadir: adaptações para ser uma guerreira

A aparência inconfundível da formiga-panda

A característica mais marcante da formiga-panda é a sua coloração, que lembra a de um urso-panda. O inseto é branco aveludado na cabeça, exceto nos olhos, com manchas pretas e brancas no corpo.

Essa coloração marcante é aposemática, servindo como um aviso aos predadores sobre a sua picada dolorosa e poderosa.

Em ambos os sexos, as antenas e as patas são cobertas por espinhos curtos e pretos. No entanto, essa espécie apresenta um claro dimorfismo sexual. Normalmente, seu tamanho atinge cerca de 0,8 centímetros, com os machos sendo significativamente maiores do que as fêmeas. Além disso, apenas os machos têm asas, que são estreitas e transparentes.

Por outro lado, as fêmeas adultas, que são terrestres, assemelham-se a uma formiga em termos de físico e comportamento. Além disso, elas estão equipadas com um ferrão e glândulas venenosas, que lhes proporcionam uma forte ferroada.

A temível fama da formiga-panda

Nessa espécie, as fêmeas que não voam usam o ferrão, fornecido com um forte veneno, para se defender dos inimigos. Sua mordida é uma adaptação que lhe permite enfrentar outras espécies agressivas ao invadir seus ninhos.

Às vezes, elas picam humanos e grandes animais que pastam. Na verdade, em inglês, elas são conhecidas pelo nome comum de cow killer (assassina de vacas) devido à sua picada dolorosa, mas que não é mortal.

A formiga-panda é um parasitoide

Para abordar esse ponto, é apropriado conhecer o ciclo de vida da formiga-panda. Durante o voo, os machos identificam as fêmeas e as erguem no ar para acasalar.

Após o acasalamento, a fêmea deposita seus ovos em cada pupa no ninho de outros insetos, como abelhas ou vespas. Ao eclodir, as larvas se alimentam dos seus hospedeiros. Cada fêmea pode colocar até 2000 ovos em seu ciclo de vida de dois anos.

Assim, essa espécie, como outros parasitoides, produz uma larva que se alimenta das larvas do hospedeiro. Essa dinâmica se baseia em uma luta contínua e complicada entre produtores e exploradores de recursos, que dependem desses mesmos recursos para sua sobrevivência.

Alimentação da formiga-panda

As formigas-panda adultas são solitárias, o que significa que não formam colônias de nenhum tipo. As fêmeas se alimentam principalmente de néctar, mas ocasionalmente atacam formigas, lagartas ou pupas/larvas. Os machos se alimentam principalmente de néctar.

Estridulação: o som da angústia

Em geral, essa espécie de inseto é silenciosa. No entanto, quando perturbada, ela emite sons peculiares, agudos, vibrantes e estridentes, conhecidos como estridulação. Esse comportamento, que é adotado por uma variedade de artrópodes, resulta da fricção de duas partes rígidas do corpo.

Além disso, ambos os sexos estridulam. É importante notar que o papel ecológico da estridulação nesses insetos não é claro. Ainda assim, foi proposto que esses sons poderiam atuar como avisos defensivos e/ou sinais de acasalamento.

Nesse sentido, um relatório científico de 2019 mostrou que a estridulação nessa espécie difere de outros gêneros da mesma família de insetos.

Assim, os sons de socorro emitidos incluíram componentes espectrais de alta frequência, na faixa do ultrassom. A utilidade desses sinais não é conhecida com exatidão.

Estridulação: o som da angústia
Não são apenas essas vespas que estridulam. O exemplo típico é o do grilo doméstico e seu canto chamativo.

Uma teoria se aproxima

Na opinião de especialistas, esses sons podem ser sinais de alerta para seus predadores naturais.

Estudos futuros irão, sem dúvida, abordar o efeito defensivo da estridulação da formiga-panda contra répteis e roedores. Se verdadeiro, forneceria uma visão valiosa sobre seu papel potencial na comunicação entre espécies.

Por um lado, as formigas aveludadas são fascinantes devido a aspectos como suas cores brilhantes, seu dimorfismo sexual característico, sua longevidade e seu nível de atividade frequentemente frenética. Por outro lado, são frustrantes porque a importância evolutiva dessas características não é facilmente demonstrada.

  • Torrico-Bazoberry, D., & Muñoz, M. I. (2019). High-frequency components in the distress stridulation of Chilean endemic velvet ants (Hymenoptera: Mutillidae). Revista Chilena de Entomología, 45(1). https://www.biotaxa.org/rce/article/download/45599/39336
  • Deyrup, M. (1988). Review of adaptations of velvet ants (Hymenoptera: Mutillidae). The Great Lakes Entomologist, 21(1), 1.
  • R Luz, D., Waldren, G. C., & Melo, G. A. (2016). Bees as hosts of mutillid wasps in the Neotropical region (Hymenoptera, Apidae, Mutillidae). Revista Brasileira de Entomologia, 60(4), 302-307.
  • Brothers, D.J. (2006) Familia Mutillidae. Introducción a los Hymenoptera de la Región Neotropical. (ed. Fernández, F. and Sharkey, M.J.), pp. 577-594. Sociedad Colombiana de Entomología and Universidad Nacional de Colombia, Colombia.