Garoupas: tamanho e informações nutricionais

16 Outubro, 2020
A aparência física das garoupas é muito característica, assim como seu valor gastronômico.

As garoupas são animais solitários que preferem viver em fundos rochosos, onde abundam cavernas e cavidades. Lá elas podem encontrar abrigos para se esconder e caçar suas presas, que são em sua maioria peixes menores. Além disso, são comuns em áreas de recife e uma das maiores espécies que vivem nesse tipo de ecossistema.

Segundo a taxonomia, existem cerca de 90 espécies diferentes de garoupas, todas pertencentes ao gênero Epinephelus. São peixes típicos de águas tropicais e subtropicais, podendo ser encontrados tanto em mares como em oceanos.

Devido à grande diversidade de espécies, o tamanho que as garoupas podem atingir é muito amplo. No entanto, esse fato não entra em conflito com seu valor nutricional.

Características das garoupas

As garoupas são caracterizadas por terem mandíbulas muito grandes com lábios grossos, sendo que a mandíbula inferior sempre se projeta da mandíbula superior. Seu corpo é atarracado com uma cabeça larga e barbatanas caudal, anal e peitoral grandes e lobulares, o que lhes permite movimentos rápidos.

A cor do corpo das garoupas é muito diferente entre as espécies, mas também dentro delas. Durante a fase juvenil, as garoupas têm uma coloração diferente da que vão ter quando adultas. Essas cores podem variar entre tons de laranja, verde, preto, cinza, amarelo, etc.

Outra característica importante das garoupas é que são animais hermafroditas protogínicosIsso significa que os animais têm ambos os sexos, embora apenas um seja funcional. Além disso, garoupas funcionalmente femininas, quando atingem certa idade, transformam-se em machos.

Características das garoupas

Diversidade de tamanhos das garoupas

Como dissemos, as espécies de garoupas são quase cem. Isso, sem dúvida, implica a existência de grandes diferenças em tamanhos e pesos, embora a grande maioria das espécies tenda a ultrapassar os 80 centímetros de comprimento.

Possivelmente uma das menores espécies seja a garoupa tonga (Epinephelus chlorocephalus). Esse animal raramente atinge um comprimento superior a 17 centímetros. Outras espécies relativamente pequenas – menos de 30 centímetros – são Epinephelus quoyanus e a garoupa-treliça (Epinephelus melanostigma).

Em contrapartida, uma das maiores espécies é a garoupa gigante (Epinephelus lanceolatus), habitante dos recifes australianos. Ela pode medir até três metros de comprimento e pesar mais de meia tonelada. Outra grande espécie é a garoupa do Golfo Atlântico (Epinephelus itajara). Esse peixe pode ultrapassar 2,5 metros e já foram capturados exemplares com peso superior a 400 quilos.

Informação nutricional

A garoupa é um peixe típico em muitas partes do mundo, principalmente nas áreas cujas águas habitam. Por isso, sofrem as consequências da sobrepesca, que já levou à extinção de muitas espécies, como a garoupa-escura (Epinephelus marginatus), quase extinta no mar Mediterrâneo.

A carne de garoupa, assim como a pescada branca, não é valorizada apenas por seu sabor e textura, mas também por seus valores nutricionais. São peixes ricos em gorduras ômega 3 e colesterol, que podem ajudar a prevenir certas doenças cardíacas. Também são ricas em proteínas, embora tenham baixo teor de carboidratos. Por fim, apresentam boa quantidade e variedade de vitaminas, principalmente as do grupo B.

Tipo Por 100 gramas
Energia (cal) 92
Proteínas (g) 19,4
Carboidratos (g) <1
Fibra (g) 0,0
Gordura total (g) 1,0
 Saturadas (g) 0,2
Monossaturadas (g) 0,2
Poli-insaturadas (g) 0,3
Ômega 3 (g) 0,2
Colesterol (mg) 43
Minerais
Cálcio (mg) 27
Ferro (mg) 0,9
Zinco (mg) 0,5
Sódio (mg) 80
Potássio (mg) 483
Vitaminas
Vitamina A (µg) 42,9
Vitamina B3 (µg) 0,3
Vitamina B9 (µg) 11,0
Vitamina B12 (µg) 0,6
Vitamina E (µg) 0,8

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Espinosa-Perez, H., Carpenter, KE, Sedberry, G., Zapp-Sluis, M. y Claro, R. 2015. Epinephelus itajara . La Lista Roja de Especies Amenazadas de la UICN 2015: e.T195409A70323667.

Fennessy, S., Pollard, DA y Samoilys, M. 2018. Epinephelus lanceolatus . La Lista Roja de la UICN de Especies Amenazadas 2018: e.T7858A100465809.

Harmelin, J. G., & Harmelin-Vivien, M. (1999). A review on habitat, diet and growth of the dusky grouper Epinephelus marginatus (Lowe, 1834). Marine Life, 9(2), 11-20.

Pescaderiascorunesas. (2018). Mero. Recuperado de: https://www.pescaderiascorunesas.es/pescados/mero

Pollard, D.A., Afonso, P., Bertoncini, A.A., Fennessy, S., Francour, P. & Barreiros, J. 2018. Epinephelus marginatus. The IUCN Red List of Threatened Species 2018: e.T7859A100467602.

Russell, B. 2018. Epinephelus chlorocephalus . La Lista Roja de Especies Amenazadas 2018 de la UICN : e.T64397A100463687.

Russo, T., Pulcini, D., Bruner, E., & Cataudella, S. (2009). Shape and size variation: growth and development of the dusky grouper (Epinephelus marginatus Lowe, 1834). Journal of morphology, 270(1), 83-96.