Causas da halitose em cães

03 Março, 2020
Embora muitos não saibam disso, a halitose em cães não é um sintoma normal. Na verdade, ela indica que o cachorro está doente.
 

Muitos donos consideram a halitose em cães como algo natural. Ou seja, eles acham normal que a boca do cachorro tenha um cheiro ruim. No entanto, isso está longe da realidade. Não podemos esperar que um cachorro tenha um hálito de hortelã, mas ele deveria ser neutro. Se um cachorro tem halitose, há uma condição subjacente que está causando o problema.

A grande maioria das patologias que causam halitose em cães é perigosa e pode deteriorar a saúde do animal lentamente, até que, quando os outros sintomas se manifestarem, talvez já seja tarde demais para outro tratamento.

Se a boca do seu cachorro está com um cheiro ruim, procure um profissional para fazer um exame odontológico. É essencial encontrar o motivo que está causando a halitose em cães.

Acúmulo de tártaro e halitose em cães

O tártaro é uma placa bacteriana que fica fixada ao dente por causa do depósito de minerais. Além de causar uma forte halitose se o acúmulo de tártaro for grande, ele também pode danificar os tecidos adjacentes, como as gengivas. Isso causa gengivite e infecções subsequentes que vão piorar ainda mais o cheiro ruim na boca do cachorro.

Acúmulo de tártaro nos dentes dos cães
 

Por outro lado, devido à sua natureza mineral, o tártaro pode afetar outros órgãos, tais como coração, rins ou pulmões. Desta forma, ele pode causar doenças cardíacas, pedras nos rins, etc.

Neoplasias orais

As neoplasias orais são relativamente comuns em cães. Geralmente ocorrem de maneira benigna, ao contrário dos gatos, que desenvolvem tumores malignos com mais frequência. Esses tumores podem aparecer em qualquer lugar da boca, tais como lábios, palato duro ou mole, gengivas… Às vezes, ocorre o desenvolvimento de um carcinoma.

Dependendo da natureza do tumor, o cão sentirá um leve desconforto ou uma forte estomatite – inflamação da mucosa oral – com halitose. Além disso, por causa da dor, ele pode parar de comer e sofrer de anorexia.

Infecções orais por Candida albicans 

A candidíase é uma doença micótica – causada por fungos – que afeta os mamíferos, incluindo os seres humanos, além das aves. Esta condição médica é causada, mais especificamente, pela levedura Candida albicans.

Quando infecta a boca de um cachorro, ela pode causar vários sintomas, tais como:

  • Anorexia ou falta de apetite
  • Dificuldade para engolir
  • Excesso de salivação
  • Halitose
  • Gengivite
Causas da halitose em cães
 

Como esta é uma doença fúngica, ela requer um tratamento muito específico, que sempre deve ser prescrito por um veterinário. Além disso, para determinar qual é o fungo que infectou a boca do cachorro, serão necessários exames específicos.

Doença periodontal

Uma das doenças mais graves e comuns que podem afetar a boca e também causar halitose em cães é a doença periodontal. Este problema começa com um acúmulo do tártaro nos dentes que acaba provocando uma gengivite ou inflamação das gengivas. Esta fase da doença é completamente reversível com o tratamento adequado.

No entanto, logo depois, surge a periodontite. Nesta fase, o cachorro terá fortes dores e infecções generalizadas na boca. Por isso, ele pode parar de comer. Ele também começará a perder tecido gengival e, portanto, os dentes, que podem não cair porque ficaram presos pelo tártaro depositado.

Doença renal crônica e halitose em cães

A doença renal crônica é definida como a presença de anormalidades funcionais ou estruturais em um ou em ambos os rins, que estejam presentes há pelo menos três meses ou mais. Essa patologia grave que compromete a vida do animal é acompanhada por vários sintomas:

  • Halitose
  • Perda de peso
  • Poliúria-polidipsia
  • Incontinência urinária
  • Vômito
  • Diminuição do apetite
  • Letargia
  • Diarreia

Os cães que sofrem desta doença também costumam desenvolver problemas cardíacos. Em muitos casos, esses problemas decorrem de uma saúde bucal inadequada, por isso é muito importante cuidar da boca dos nossos cães.

 
  • Goich, M., & Iturriaga, M. P. (2003). Importancia del manejo dietario en el tratamiento de la insuficiencia renal crónica en perros y gatos. TecnoVet, 9(1), ág-17.
  • Jadhav, V. J., & Pal, M. (2006). Estomatitis en perros por Candida albicans. Revista iberoamericana de micología, 23(4), 233-234.
  • Margarita, R. I. A. (2001). Manual de gastroenterología de perros y gatos.
  • O’neill, D. G., Elliott, J., Church, D. B., McGreevy, P. D., Thomson, P. C., & Brodbelt, D. C. (2013). Chronic kidney disease in dogs in UK veterinary practices: prevalence, risk factors, and survival. Journal of Veterinary Internal Medicine, 27(4), 814-821.
  • Saló Mur, E., Lou Otón, J., & Luera Carbó, M. (1987). Neoplasias orales en el perro y en el gato. Clínica veterinaria de pequeños animales, 7(1), 0028-38.