O hamster-europeu: um mamífero em grave perigo

30 Setembro, 2020
A UICN anuncia o estado de conservação crítico do hamster-europeu. Mais uma espécie incluída em uma lista que não para de crescer.

Recentemente, a União Internacional para a Conservação da Natureza (UICN) publicou um novo boletim com a atualização do estado de conservação de algumas espécies. O que mais chama a atenção é a mudança de status do hamster-europeu (Cricetus cricetus), que passa de vulnerável a criticamente ameaçado.

Esse roedor é parente dos hamsters sírios e anões, muito comuns e populares como animais de estimação. Com um tamanho muito maior, o hamster-europeu viu seu alcance reduzido drasticamente, assim como sua taxa de natalidade. Nós incentivamos você a continuar lendo para aprender mais sobre o grave perigo enfrentado por essa espécie de mamífero.

Por que o hamster-europeu está em sério perigo?

O status da espécie em 2018 classificou o hamster-europeu como vulnerável. Porém, algo aconteceu, pois em dois anos, a diminuição do número de exemplares foi de 50%.

Já se sabia que esse animal tinha cada vez menos espaço para viver. Na verdade, em Viena, eles habitavam os cemitérios devido ao avanço do ser humano ou à falta de terreno útil para a reprodução e a alimentação.

A espécie começou a diminuir em número tão rápido que é muito provável que desapareça antes de 2050 se tudo continuar igual. Alguns dados sugerem que em 2038 já não existirá nenhum indivíduo. Nos últimos anos, esse animal outrora muito comum, desapareceu de ao menos 13 países onde vivia.

Por que o hamster-europeu está em sério perigo?

A baixa taxa de natalidade do hamster-europeu

Além da redução do habitat, a principal causa do desaparecimento do hamster-europeu é a redução drástica da sua taxa de natalidade. Desde 1954, a taxa de reprodução do hamster foi reduzida. Enquanto anteriormente uma fêmea produzia 20 novos indivíduos a cada ano, agora são apenas 4.

Isso vem acontecendo há várias décadas, mas a UICN não mudou o status da espécie de “menor preocupação” para “perigo crítico de extinção” até este ano. Além disso, o desaparecimento da espécie na Europa Ocidental é atribuído ao uso da agricultura moderna, que causa uma alta taxa de mortalidade desse roedor.

Como os estudos sugerem, essa mortalidade não é significativa e é apenas a diminuição da taxa de reprodução que está causando o desaparecimento da espécie. Mas não estamos falando apenas da Europa Ocidental, porque na Europa Oriental, a espécie foi extinta em oito regiões e se tornou rara em 42 áreas onde antes era comum.

Causas da falta de descendência

Apesar de todos os estudos realizados para descobrir a causa do declínio dessa espécie, os resultados não parecem totalmente conclusivos. No final das contas, todo um conjunto de fatores forma a causa da extinção desse pequeno roedor.

Mas, se a mortalidade não é excessiva, por que a baixa taxa de reprodução é? Para responder a essa pergunta, devemos nos aprofundar no ciclo reprodutivo do hamster e nos fatores que levaram ao seu sucesso. Como a maioria dos roedores mamíferos, os hamsters têm um bom mecanismo reprodutivo que garante sua sobrevivência como espécie:

  • Numerosos descendentes.
  • Uso de tocas protetoras.
  • Muito cios durante a época de reprodução.
  • Capacidade de copular logo após o parto para iniciar um novo ciclo.

No entanto, as mudanças no uso do solo, a destruição e fragmentação do habitat, a poluição e as mudanças climáticas reduziram tanto algumas populações de hamsters-europeus que elas não têm mais sua capacidade de restauração.

Perda de habitat como elemento-chave no desaparecimento do hamster-europeu

O crescimento das populações humanas, que aos poucos destroem os habitats naturais de muitas espécies, parece ser um fator limitante para a recuperação do que aqui nos preocupa. O hamster-europeu foi incluído em um programa de reprodução em cativeiro e reintrodução na natureza há anos.

Apesar disso, o número de indivíduos não parece estar aumentando. Isso se deve à escassez de vegetação que deixa os animais altamente expostos a predadores.

O hamster-europeu não tem lugar para construir suas tocas ou vagar com segurança no seu habitat. O desaparecimento da cobertura vegetal deixou esse roedor tão exposto que ele não tem opção de se reproduzir.

A mortalidade infantil é alta porque os filhotes não têm tempo suficiente para ficarem escondidos até aprenderem a fugir dos predadores.

Perda de habitat como elemento-chave no desaparecimento

O que está sendo feito para salvar a espécie?

As ações de conservação realizadas para tentar salvar o hamster-europeu se baseiam principalmente em duas estratégias. Por um lado, a reprodução em cativeiro e sua posterior liberação no meio ambiente ainda existem. No entanto, esse projeto não terá futuro se os animais não sobreviverem por falta de espaço.

Para garantir que o habitat seja ampliado e mantido, os agricultores estão sendo subsidiados para realizar vários planos:

  • Oferecer habitats agrícolas que permitam a coexistência com o hamster-europeu.
  • Aumentar os campos de alfafa, alimento fundamental e cobertura para as espécies após a colheita. Assim, a paisagem não fica totalmente desprovida de vegetação.
  • Reduzir o uso de pesticidas.

Salvar uma espécie da extinção não é uma questão de aumentar o número de animais, e sim de lhes proporcionar um lugar para viver. Não é tarde para salvar o hamster-europeu se todas as indicações forem seguidas e se todos trabalharem em conjunto para alcançar o mesmo objetivo: fazer desse mundo um lugar para todos.

  • Banaszek, A., Bogomolov, P., Feoktistova, N., La Haye, M., Monecke, S., Reiners, T. E., Rusin, M., Surov, A., Weinhold, U. & Ziomek, J. 2020. Cricetus cricetus. The IUCN Red List of Threatened Species 2020: e.T5529A111875852.
  • BBC News. (2020). European hamster added to ‘critically endangered’ list.
  • Surov, A., Banaszek, A., Bogomolov, P., Feoktistova, N., & Monecke, S. (2016). Dramatic global decrease in the range and reproduction rate of the European hamster Cricetus cricetus. Endangered species research, 31, 119-145.
  • Villemey, A., Besnard, A., Grandadam, J., & Eidenschenck, J. (2013). Testing restocking methods for an endangered species: Effects of predator exclusion and vegetation cover on common hamster (Cricetus cricetus) survival and reproduction. Biological conservation, 158, 147-154.