O lagarto com chifres: um réptil que chora sangue

05 Outubro, 2020
A defesa do lagarto com chifres contra os muitos predadores que o perseguem é baseada principalmente na imobilização e camuflagem. Mas, além disso, ele possui uma caixa de ferramentas com outros mecanismos. Vamos apresentá-los a você.

Até o momento, existem 20 espécies conhecidas de lagarto com chifres, todas do gênero Phrynosoma. Cada uma delas se distingue por cor, tamanho, quantidade e disposição dos chifres e espinhos ao longo das costas.

A maioria tem o tamanho de um baralho de cartas, com corpos largos e planos e pernas curtas e atarracadas. Quando correm, dão o melhor de si, mas simplesmente não foram feitos para a velocidade.

Os lagartos com chifres são, sem dúvida, feitos para se defender. Eles têm que ser, pois muitos predadores tentarão comê-los. Algumas espécies de lagarto com chifres são reconhecidas por esguichar dos olhos um fluxo fedorento de sangue quando encurralados.

Onde podemos encontrar um maravilhoso lagarto com chifres?

Os lagartos com chifres vivem principalmente em locais secos: da Guatemala e do México, através dos desertos do Arizona e da Califórnia, até as pastagens secas do sul do Canadá. Geralmente, são presas de falcões, picanços, papa-léguas, cobras, coiotes, raposas, lobos, linces e até ratos carnívoros. Na verdade, em áreas desérticas, qualquer animal que o avistar o comeria.

Onde podemos encontrar um maravilhoso lagarto com chifres?

Um mestre em se esconder

A camuflagem é, sem dúvida, sua primeira linha de defesa. Os lagartos com chifres combinam suas cores com o ambiente, misturando-se com o marrom ou cinza salpicado da lama. Na verdade, algumas espécies imitam objetos não comestíveis. É o caso do lagarto com chifres de cauda redonda, quase indistinguível das rochas nas quais se esconde quando seu dorso se curva e as suas patas estão dobradas.

O congelamento e os nervos de aço

Sem dúvida, muitos predadores detectam suas presas quando elas se movem. O lagarto com chifres sabe disso e domina a arte da imobilidade. É surpreendente saber que o arranjo dos chifres na borda do seu corpo quebra as sombras que eles lançam no chão, como uma capa de invisibilidade.

Em um teste de nervos, quando um predador se aproxima, os lagartos relutam em se mover. Eles só o fazem depois de avaliar o perigo, depois de considerar cuidadosamente seu adversário e qual pode ser a defesa apropriada.

O primeiro plano de defesa do lagarto com chifres é seguir o programa básico de ser difícil de se encontrar.

A estratégia a adotar depende do adversário

Os canídeos, como os cães, usam dentes e garras para cortar suas presas em pequenos pedaços. As cobras engolem seus alimentos inteiros. Enquanto isso, um rato vai preferir mordiscar o crânio para alcançar o cérebro.

As cobras-chicote são rápidas e caçam ativamente suas presas. O robusto lagarto com chifres não seria capaz de escapar do seu ataque, então ele opta por se camuflar e ficar quieto. No entanto, as cascavéis não perseguem, elas esperam que a presa se aproxime antes de atacar.

Portanto, quando um lagarto com chifres encontra uma cascavel, ele corre para salvar sua vida, sabendo que o predador alongado provavelmente não a seguirá. Embora nenhuma defesa seja infalível, em geral, ficar parado diante de uma cobra-chicote e fugir de uma cascavel são as melhores apostas de um lagarto com chifres.

Se o lagarto com chifres for encurralado, nem tudo estará perdido

Mesmo em circunstâncias difíceis, o lagarto com chifres terá algumas cartas na manga. Se o predador for uma cobra ou pássaros, eles terão que engolir a presa inteira. E esse réptil espinhoso não vai facilitar esse processo.

Quando chegar a hora, o lagarto com chifres se curvará sobre as patas dianteiras e desdobrará suas costelas para formar um escudo dorsal ou inchará seu torso para ficar o mais largo possível. Surpreendentemente, essa técnica funciona. Já houve casos de uma cobra-chicote desistindo, porque simplesmente o lagarto não cabia inteiro em sua boca.

É claro que às vezes a camuflagem e a armadura não são suficientes, e o predador come um lagarto com chifres de qualquer maneira. Mas, mesmo assim, às vezes eles realizam um último ato de desafio: não é inédito um lagarto com chifres se alojar na garganta ou no estômago de um pássaro ou cobra, matando seu predador.

O réptil que chora sangue

Por fim, há a defesa mais conhecida dos lagartos com chifres: o choro de sangue. Essa estratégia é reservada para dois grupos de predadores: gatos e canídeos, que incluem cães, coiotes e lobos.

O processo é muito simples. Uma bolsa sob os olhos do lagarto, o seio ocular, incha à medida que se enche de sangue. O lagarto suporta um aumento repentino na pressão e o sangue jorra com tanta força que pode chegar a até dois metros.

Isso lhes dá a chance de liberar seu sangue, o que não é do agrado desses caçadores. Assim que chega à boca, o agressor balança a cabeça, saliva profusamente e tenta expulsá-lo. Eles levam cerca de 15 minutos para se recuperar.

O réptil que chora sangue

Por que os jatos de sangue funcionam?

O sangue contém uma substância química repulsiva para as papilas gustativas de canídeos e felinos. A defesa do sangue é mais eficaz quando administrada diretamente na boca, em vez de nos olhos ou no nariz.

Isso poderia explicar por que os lagartos com chifres costumam esperar até o último segundo, quando já estão nas mandíbulas dos seus agressores, antes de cuspir sangue.

Os lagartos provavelmente obtêm o gosto desagradável em seu sangue de um composto na sua comida. Isso porque eles comem formigas altamente venenosas.

Lagarto com chifres: um sobrevivente nato

Para conservar anfíbios e répteis, devemos entender sua história de vida. Somente a partir do entendimento é que se pode planejar a recuperação das espécies e dos seus ecossistemas. A pesquisa e uma divulgação apropriada são essenciais para atingir esse objetivo.

  • Sherbrooke WC. Middendorf III, CA (2001).  “Blood-Squirting Variability in Horned Lizards (Phrynosoma),” Copeia 2001(4), 1114-1122. https://doi.org/10.1643/0045-8511(2001)001[1114:BSVIHL]2.0.CO;2
  • Holte, A. E. & Houck, M. A. (2000). Juvenile Greater roadrunner (Cuculidae) killed by choking on a Texas horned lizard (Phrynosomatidae). The Southwestern Naturalist 45, 74-76. https://www.jstor.org/stable/3672556?seq=1
  • Sherbrooke, W. (2012). Negative oral responses of a non-canid mammalian predator (Bobcat, Lynx rufus; Felidae) to ocular-sinus blood-squirting of Texas and regal horned lizards, Phrynosoma cornutum and Phrynosoma solare. Herpetological Review, [online] 43(3): 386-391. Available at: https://www.researchgate.net/publication/286024808
  • Middendorf, G., & Sherbrooke, W. (1992). Canid Elicitation of Blood-Squirting in a Horned Lizard (Phrynosoma cornutum). Copeia, 1992(2), 519-527. Available at: http://www.jstor.org/stable/1446212