Luto animal: o caso dos gorilas

17 Julho, 2020
O luto animal existe em muitas espécies, incluindo os gorilas.
 

Muitos casos de luto animal foram observados, mas mesmo assim, sempre nos surpreendemos ao saber de um novo testemunho que mostra como outros animais além de nós vivenciam a morte de indivíduos da mesma espécie, o que deu origem a um dos casos mais dramático conhecidos no reino animal.

Luto em gorilas

Nesse caso, a descoberta de outro relato de luto animal ocorreu na África central: pesquisadores de Ruanda e da República Democrática do Congo registraram três mortes diferentes de gorilas e publicaram seus resultados em uma revista científica de prestígio.

A equipe foi formada por membros da Universidade de Uppsala, da Universidade da Califórnia Davis e do Instituto Congolês de Conservação da Natureza, juntamente com a fundação Dian Fossey.

O luto foi registrado em animais de duas espécies de gorilas: por um lado, duas das mortes ocorreram na espécie gorila-das-montanhas, um primata dos quais apenas mil indivíduos ainda vivem em liberdade na natureza. O terceiro caso foi estudado no gorila-de-grauer, especificamente no Parque Nacional Kahuzi-Biega.

Luto em gorilas

Nos três casos de luto animal, os gorilas tiveram o mesmo comportamento: os primatas se sentaram ao lado do corpo e o observaram por um tempo. Em muitos casos, eles cheiravam, tocavam, acariciavam ou lambiam.

 

Os pesquisadores suspeitavam que os gorilas que mais interagiam com os cadáveres e passavam mais tempo com eles seriam aqueles que haviam compartilhado um grupo social com o animal falecido, principalmente aqueles que mantinham estreitas relações com o indivíduo.

E foi assim que ocorreu no caso dos dois gorilas-das-montanhas. O caso de um jovem gorila que tinha um relacionamento bastante próximo com um dos machos falecidos é especialmente impressionante: ele passou dois dias perto do corpo de Titus, inclusive dormindo ao seu lado.

Outro caso de luto animal é o de Tuck, cuja mãe faleceu. Ele permaneceu ao lado do corpo enquanto a acariciava e até tentava mamar, apesar de ter sido desmamado, um comportamento bastante incomum.

Luto animal: Titus, o rei gorila

No entanto, esse último animal conhecido como Titus não era um animal qualquer: descendente direto do Uncle Bert, Titus é um dos protagonistas do A Montanha dos Gorilas, o famoso livro da primatologista Dian Fossey.

Nascido em 1974, esse impressionante gorila nasceu com um problema respiratório, fazendo Dian duvidar de sua sobrevivência durante as observações.

 

No entanto, ela estava errada: Titus conseguiu ser um dos animais mais conhecidos que a primatologista estudou e, depois de migrar de um grupo, Titus formou junto com outros machos uma pequena coalizão que passou oito anos sem nenhuma fêmea, algo curioso em uma espécie liderada por um macho, em oposição ao bonobo.

Anos mais tarde, Titus se tornaria o segundo no comando, depois de Beetsme, um macho de costas prateadas que Titus acabaria substituindo durante sua velhice. Isso permitiu que Titus tivesse mais de uma década de liderança e conseguisse mais descendentes do que qualquer outro gorila.

Curiosamente, a morte de Titus aconteceu devido a uma briga com seu filho Rano. Muito mais jovem, ele retornou ao grupo para enfrentar o lendário gorila. Uma briga que causou enfraquecimento e gerou lesões suficientes para provocar sua morte em 2009, quando esse curioso comportamento sobre o luto animal foi observado e publicado.

 
  • Porter A, Eckardt W, Vecellio V, Guschanski K, Niehoff PP, Ngobobo-As-Ibungu U, Nishuli Pekeyake R, Stoinski T, Caillaud D. 2019. “Behavioral responses around conspecific corpses in adult eastern gorillas (Gorilla beringei spp.)” PeerJ 7:e6655 https://doi.org/10.7717/peerj.6655