A migração da cegonha-branca

11 Setembro, 2020
A migração da cegonha-branca mudou. Já faz anos que muitas delas ficam na Europa durante o inverno. Aqui, vamos contar quais são as causas disso.

migração da cegonha-branca (Ciconia ciconia) mudou. Algumas décadas atrás, a maioria delas voava a milhares de quilômetros de distância todos os anos, depois de terminar a procriação. Elas gastavam quase um mês para atravessar metade da Europa e cruzar o estreito de Gibraltar e o deserto do Saara.

Se sobrevivessem a essa difícil jornada, chegariam até as suas áreas de invernada na África Subsaariana (Mali, Níger, Chade). Lá permaneceriam de setembro até o início de fevereiro, quando retornavam à Europa.

A cegonha-branca: a ave migratória por excelência

Essa jornada não era completada por todas as aves: era muito longa e difícil e, por isso, muitos espécimes morriam durante a migração. Para evitar cruzar o Mediterrâneo, onde não se formam as correntes de ar quente que elas precisam para sustentar o voo, as cegonhas seguiam duas rotas de migração:

  • Uma atravessando os Estreitos de Bósforo e de Dardanelos, através dos Bálcãs e da Turquia.
  • Outra atravessando o Estreito de Gibraltar através da Península Ibérica.

É por causa dessa última rota que existem tantas cegonhas na Espanha. No entanto, já faz décadas que seus padrões de migração mudaram. Vamos explicar como isso aconteceu a seguir.

A migração da cegonha-branca

As cegonhas não migram mais como antes

Já faz décadas que se observa que a migração das cegonhas mudou: muitas passam o inverno nas suas áreas de reprodução.

Isso se deve em parte ao aumento das temperaturas que faz com que os invernos peninsulares sejam mais amenos. Além disso, as cegonhas agora encontram comida durante o ano todo por causa da presença de aterros sanitários.

Na Península Ibérica, há também uma infinidade de lagoas e áreas úmidas onde elas podem passar o inverno e encontrar alimento. Alguns exemplos são as Tablas de Daimiel em Ciudad Real ou a Laguna del Campillo em Rivas Vaciamadrid.

Migrações sim, porém mais curtas

No entanto, isso não significa que elas não migrem de forma algumaDe acordo com um estudo da SEO/BirdLife, muitas cegonhas fazem seus ninhos em áreas rurais e, quando chega o inverno, deslocam-se para os arredores de cidades como Madri, onde encontram alimento no aterro sanitário de Valdemingómez, um dos maiores da Europa.

Isso foi verificado por meio de transmissores de rádio colocados em um casal de cegonhas,  Goyo e Enara, que se deslocaram de sua casa em agosto rumo ao sul de Madri, saindo das montanhas.

Essa mudança em seus hábitos migratórios, a princípio, parece positiva para a sobrevivência da espécie. Ao deixar de fazer uma viagem tão longa e perigosa, cada vez mais cegonhas sobrevivem. Da mesma forma, a disponibilidade contínua de alimentos que possuem também tem a ver com esse aspecto.

As aves jovens continuam migrando para longe

Outro aspecto observado pelos pesquisadores da SEO/Birdlife é a diferença entre aves adultas e jovens. De acordo com suas descobertas, as aves jovens continuam a migrar, fazendo a perigosa viagem para a África, enquanto as aves adultas permanecem na Europa durante o inverno.

A migração da cegonha-branca

Além disso, de acordo com o mesmo estudo, muitas aves de partes mais frias da Europa escolhem a Espanha como o local para passar o inverno.

Assim, o número de cegonhas nesse país durante o inverno tem aumentado substancialmente: tanto por causa daquelas que não vão à África no inverno quanto por causa daquelas que vêm do norte da Europa.

Rotas migratórias detalhadas

A Sociedade Ornitológica Espanhola, em colaboração com outras organizações europeias, passou anos estudando a migração da cegonha-branca. Recentemente, foi apresentado um estudo detalhado no qual, pela primeira vez, foram incluídos dados de transmissores de rádio GPS colocados em cegonhas migratórias. Os resultados foram variados:

  • Primeiramente, foi confirmada a hipótese de que as cegonhas jovens migravam para o Sahel, enquanto as cegonhas adultas passavam o inverno na Espanha.
  • As cegonhas da Europa Central, das quais a maioria passava o inverno na Espanha, tiveram uma maior taxa de sobrevivência (cerca de 50%) do que as cegonhas espanholas que migraram para a África. Destas, apenas 1 em cada 10 retornou ao local de reprodução.
  • Enquanto isso, a maioria das aves adultas passava o inverno na Europa. Isso fez com que a grande maioria sobrevivesse ao ano seguinte.

Em conclusão, podemos garantir que o comportamento migratório da cegonha e a mudança dele há algumas décadas é crucial. Isso nos ajuda a prever como será a mudança geral para muitas aves migratórias.

Embora, a priori, pareça que a falta de migração tenha um efeito positivo para a sobrevivência da Ciconia , as futuras influências das mudanças climáticas ainda estão por vir.

 Bécares, J.; Blas, J.; López-López, P.; Schulz, H.; Torres-Medina, F.; Flack, A.; Enggist, P.; Höfle, U.; Bermejo, A. y De la Puente, J. 2019. Migración y ecología espacial de la cigüeña blanca en España. Monografía n.º 5 del programa Migra. SEO/BirdLife. Madrid. https://doi.org/10.31170/0071.