Ostras: alimentação e reprodução

02 Setembro, 2020
Saiba mais sobre o mundo das ostras: o que elas comem, como se alimentam e sua reprodução.

Você provavelmente conhece as ostras como uma iguaria adequada apenas para alguns bolsos ou como os animais que produzem as pérolas. Hoje, vamos apresentar mais aspectos sobre a vida desse molusco marinho.

As ostras são moluscos bivalves, ou seja, apresentam um tipo de concha dividida em duas valvas que são unidas e fechadas através de um ou dois músculos adutores. Todas as ostras estão agrupadas na família Ostreidae, cujos gêneros principais são a Ostrea, Crassostrea e Pycnodonta. Cada uma delas tem cerca de 100 espécies espalhadas pelo mundo.

Cada gênero tem suas características físicas que o diferenciam, mas também possui diferentes requisitos de habitat. O gênero Ostrea é o mais difundido, adaptado a águas limpas com pouco sedimento e alta salinidade.

O Crassostrea habita estuários com altos sedimentos e baixa salinidade, enquanto o Pycnodonta ocorre principalmente nos mares tropicais com alta salinidade, mas não é abundante.

Ostras: alimentação e reprodução

Isso é importante porque as condições do habitat afetam sua sobrevivência, alimentação e reprodução. As espécies comumente cultivadas pertencem aos gêneros Ostrea e Crassostrea.

Do que as ostras se alimentam?

As ostras, como outros bivalves (mexilhões, amêijoas, berbigões…), são organismos filtrantes e se alimentam do fitoplâncton presente na água que passa pelas estruturas filtrantes do seu sistema digestivo.

Essas estruturas são chamadas de cílios, e o seu movimento cria uma pequena corrente de água que atinge um tipo de muco que retém o plâncton e o conduz como se fosse uma esteira transportadora para a boca.

A maioria das ostras se alimenta de partículas microscópicas de fitoplâncton (algas) ou de outros organismos microscópicos. Partículas e detritos não alimentares também são expelidos graças ao movimento desse muco e dos cílios.

É um processo de filtragem de água muito eficiente e é por causa desse processo de alimentação que há um problema de bioacumulação de metais pesados. Ao filtrar a água pelo sistema digestivo, os animais filtradores podem absorver os metais pesados ​​contidos no fluido vital.

As águas continentais e oceânicas estão cada vez mais poluídas, de modo que os metais entram na cadeia alimentar e acabam chegando aos seres humanos.

Reprodução das ostras

Cada gênero tem diferenças em seus hábitos de reproduçãoNo gênero Ostrea, os óvulos permanecem na cavidade do manto, dentro da concha, e o esperma é descarregado externamente. Uma vez que os ovos são fertilizados, a larva passa os primeiros estágios do seu desenvolvimento dentro da concha até ser expelida na água.

No gênero Crassostrea, os óvulos e o esperma são liberados na água, onde ocorre a fertilização e o desenvolvimento larval.

Assentamento ou fixação

Após cerca de 24 horas, o embrião ou larva desenvolve duas pequenas conchas e agora é capaz de nadar. Em pouco tempo, se desenvolvem seu sistema digestivo, os filamentos branquiais, os músculos adutores que fecham a concha e uma pata com a qual consegue engatinhar.

Quando a larva atinge um determinado comprimento, está pronta para aderir ao ambiente marinho. Esse período de tempo pode variar com a temperatura da água.

Se ao nadar, ela tocar em um objeto limpo e duro como uma concha de ostra, vai começar a se arrastar sobre sua pata. Quando encontra um local adequado, secreta um tipo de cimento que endurece rapidamente e a ostra se adere por toda a vida. Esse processo é chamado de assentamento ou fixação.

Assentamento ou fixação

O sexo da ostra também pode variar de acordo com o gênero e o momento da sua vida, podendo atuar como macho ou fêmea. Nos cultivos de ostras, dão importância vital às condições de temperatura e salinidade propícias ao momento da reprodução.

presença de produtos sexuais na água onde outras ostras se alimentam geralmente é suficiente para estimular a desova se as gônadas estiverem maduras o suficiente e a temperatura e salinidade forem adequadas. A fixação também é facilitada colocando leitos de conchas velhas que formam uma área artificial de reprodução.

  • D.B. Quayle. Ostras tropicales: Cultivos y métodos.
  • B. Andreu. Pesquería y cultivo de mejillones y ostras en España.