O papel do cão na pré-história

07 Novembro, 2020
O cão na pré-história teve o papel de protetor, pastor, caçador e amigo do ser humano. Descubra quando essa relação inseparável de simbiose foi iniciada.

O cão teve um papel especial na vida humana, desde os tempos da pré-história até o presente. Animal de proteção, pastor, trabalho e companhia: o cão ajudou o homem desde suas origens.

Você sabe quando essa antiga simbiose começou? Já se perguntou quais são os sinais da coexistência entre pessoas e cães? Aqui, vamos dar respostas a essas perguntas e muito mais.

Os cães ajudaram os humanos a caçar na pré-história

Pinturas em cavernas e vestígios de fósseis fornecem pistas aos arqueólogos sobre como era a vida para os nossos ancestrais. As primeiras evidências de coexistência com os cães datam de cerca de 11 500 anos, no continente asiático.

Apesar disso, acredita-se que a coexistência e domesticação do cão começaram muito antes. A introdução de cães como auxiliares de caça pode explicar o grande aumento de lebres e outras pequenas presas nos vestígios arqueológicos do Neolítico.

Um caso específico é o sítio Shubayqa 6, no nordeste da Jordânia, pois os ossos ali encontrados apresentavam sinais de terem passado pelo trato digestivo de um animal. Além disso, eram muito grandes para serem engolidos por humanos, portanto, poderiam ter sido digeridos por cães que viviam e comiam ao lado de outras pessoas.

Esses cães não foram mantidos à margem do assentamento pré-histórico, visto que foram integrados em todos os aspectos da vida diária. Isso explicaria a presença de seus restos mortais, o aumento de pequenas presas que ajudavam a caçar, a comida que digeriam e até fezes fossilizadas em sítios humanos pré-históricos.

O cão na pré-história: pinturas rupestres

Na Península Arábica, também podemos encontrar evidências de caça com cães durante a pré-história. Nessas pinturas em cavernas de 8 000 anos, a figura de um cachorro aparece várias vezes acompanhando humanos na caça de gazelas, íbex e equídeos, ou no cuidado do gado.

O mais curioso é que esses cães são até representados com coleiras no pescoço e nos lembram os cães-de-canaã. Todos os cães têm orelhas eretas, focinhos curtos, peito muito anguloso e cauda enrolada.

A amizade do homem e do cão na pré-história

Os cães não eram apenas animais de trabalho, uma vez que vestígios arqueológicos sugerem que já em tempos pré-históricos havia laços emocionais entre cães e humanosO túmulo de Bonn-Oberkassel, que remonta a cerca de 14 000 anos, continha os esqueletos de um homem mais velho e de uma mulher mais jovem, juntamente com os restos mortais incompletos de dois cães.

E não é só o fato de compartilhar uma cova que chama a atenção, já que os dentes de um dos cães mais jovens indicam que ele sofreu de uma infecção de cinomose, o que provavelmente acabou com sua vida, mas parece que a doença demorou muito para piorar e, assim, o cão teria sobrevivido mais do que o esperado.

Esse fato faz os pesquisadores pensarem que, em vez de ter sido abandonado por não estar apto para o trabalho, o animal teria conseguido sobreviver por mais tempo graças à atenção e aos cuidados que recebeu. Portanto, a relação entre cães e humanos não parecia ser apenas utilitária, pois ambos passaram a desenvolver vínculos emocionais e afetivos.

Embora os cães tenham se originado do lobo, a domesticação e a seleção artificial tornaram os cães muito diferentes dos cães pré-históricos. Na verdade, hoje os cães estão mais intimamente relacionados uns com os outros do que qualquer um deles com os lobos de hoje.

A amizade do cão e do homem

A retenção de características juvenis, a docilidade e as habilidades sociais adquiridas após milhares de anos com os humanos, tem tornado os cães cada vez mais ligados à nossa espécie, apesar de em seu papel inicial na pré-história terem começado como animais de trabalho.

Uma simbiose milenar

Assim, cada tutor de um cão tem um companheiro evolucionário consigo em casa. Os cães aprenderam a interpretar a nossa língua, a se integrar às sociedades humanas com propósitos muito além do utilitarismo, e até a salvar vidas em muitos casos.

Uma coisa fica clara para nós cada vez que olhamos nos olhos de um cachorro: a sociedade, como a conhecemos hoje, não seria a mesma se essa espécie não estivesse presente no mundo.

  • Lisa Yeomans, Louise Martin, Tobias Richter. Close companions: Early evidence for dogs in northeast Jordan and the potential impact of new hunting methods. Journal of Anthropological Archaeology, Volume 53, 2019, Pages 161-173, ISSN 0278-4165.
  • Maria Guagnin, Angela R. Perri, Michael D. Petraglia. Pre-Neolithic evidence for dog-assisted hunting strategies in Arabia. Journal of Anthropological Archaeology. Volume 49, 2018. Pages 225-236, ISSN 0278-4165.
  • Luc Janssens, Liane Giemsch, Ralf Schmitz, Martin Street, Stefan Van Dongen, Philippe Crombé. A new look at an old dog: Bonn Oberkassel reconsidered. Journal of Archaeological Science, Volume 92, 2018, Pages 126-138, ISSN 0305-4403.