Peixe-leão: um novo residente do Mar Mediterrâneo

20 Setembro, 2020
O peixe-leão é a primeira espécie exótica a invadir os recifes de coral do Oceano Atlântico. Multiplicando-se a uma taxa quase desconhecida na história marinha, agora ele ameaça o ecossistema marinho do Mediterrâneo.

O peixe-leão (Pterois miles) pertence ao gênero de peixes venenosos Pterois e é nativo do Indo-Pacífico. Também é conhecido por outros nomes como peixe-diabo ou milhas de Pterois. Essa espécie se caracteriza por uma notável coloração de advertência com faixas vermelhas, brancas ou pretas, barbatanas peitorais conspícuas e barbatanas laterais com elementos protuberantes pontiagudos venenosos.

É importante notar que o gênero Pterois inclui um total de doze espécies, entre as quais P.radiata, Pterois volitansPterois miles são as mais comumente estudadas. As espécies desse gênero têm tido sucesso comercial como peixes de aquário devido à sua aparência exótica e marcante.

De onde esse predador é nativo?

O peixe-leão habita as águas costeiras a profundidades entre dois e 80 metros. Em sua área de distribuição nativa no Oceano Índico, esse animal é comum em toda a África Oriental, da Somália a Port Alfred, na África do Sul.

Também está presente da África do Sul ao Mar Vermelho e ao Golfo Pérsico, e ao leste a Sumatra, Java e Bali. Por sua vez, o peixe-leão vermelho é observado tanto no Pacífico ocidental e central como no oeste da Austrália.

De onde esse predador é nativo?

O peixe-leão é um invasor de sucesso

É importante saber que em sua região nativa, essa espécie não é particularmente abundante. Contudo, tanto o peixe-leão quanto o peixe-leão vermelho tiveram um sucesso incomum quando introduzidos no Oceano Atlântico.

Na verdade, a introdução dessas espécies resultou em uma das invasões marinhas mais rápidas e ecologicamente mais prejudiciais até hoje. Após estudos da diversidade genética dos invasores, concluiu-se que eles provêm de uma pequena população fundadora do sudeste dos Estados Unidos.

No Atlântico ocidental, o peixe-leão se tornou o predador dominante nos recifes de coral, com grande impacto nos peixes nativos. Assim, estima-se que, em apenas 2 anos, tenha conseguido diminuir a abundância de mais de 40 espécies.

Por que é tão bem-sucedido como um invasor?

De acordo com especialistas, seu sucesso como espécie invasora é o resultado de uma combinação de vários fatores:

  • Em primeiro lugar, os peixes-leão são carnívoros generalistas e podem se alimentar de uma grande variedade de peixes e crustáceos.
  • As fêmeas desovam a cada 4 dias ao longo do ano, produzindo cerca de dois milhões de ovos gelatinosos flutuantes anualmente. Deve-se destacar que seus ovos são planctônicos e viajam pelas correntes oceânicas, conseguindo cobrir grandes distâncias.
  • Essa espécie tem maturação e reprodução precoces e uma poderosa defesa venenosa antipredadorDe fato, entre suas defesas físicas e seus comportamentais muito eficazes, há o aspecto ameaçador de seus espinhos venenosos, que lhe conferem notável resistência aos ectoparasitas.
  • É comum que seus predadores nativos sofram com a pesca excessiva.
  • Por fim, no ambiente invadido, suas “novas” presas não estão adaptadas à sua presença, o que facilita muito a sua posição como predador efetivo.

O peixe-leão entrou no Mar Mediterrâneo?

Até recentemente, os peixes-leão eram registrados apenas ocasionalmente no leste do Mar Mediterrâneo. Na verdade, acredita-se que condições oceanográficas desfavoráveis ​​limitaram a dispersão de suas larvas.

Nos últimos 5 anos, a ameaça de invasão do peixe-leão no Mar Mediterrâneo parece ter se concretizado. Os avistamentos do peixe-leão P. miles nas águas costeiras do sul de Chipre estão se tornando mais frequentes.

É importante notar que os ecossistemas mediterrânicos enfrentam, além das invasões de espécies exóticas, outras ameaças múltiplas, como as alterações climáticas e a pesca excessiva. A temperatura da água no Mediterrâneo está constantemente aumentando e as espécies invasoras estão se espalhando, causando mudanças nas comunidades e fenômenos de tropicalização.

Atualmente, existem mais de 1.000 espécies exóticas no Mediterrâneo, e a maioria são espécies termofílicas que entraram na bacia oriental através do Canal de Suez. A recente expansão desse canal, juntamente com o aquecimento da superfície do mar, são circunstâncias que favorecem o posicionamento do peixe-leão nesse nicho.

O peixe-leão entrou no Mar Mediterrâneo?

Reflexão final

O Mar Mediterrâneo é um importante reservatório de diversidade oceânica onde vivem aproximadamente 17.000 espécies. O impacto do peixe-leão como espécie invasora está associado à modificação do habitat e à diminuição da biodiversidade local.

Devido às suas altas taxas de predação, o peixe-leão reduz a abundância e o recrutamento da biota nativa. Em geral, o impacto socioeconômico ainda não foi totalmente avaliado, mas uma coisa é certa: os humanos têm sido fundamentais para favorecer a disseminação de espécies invasoras.

  • Kletou, D., Hall-Spencer, J. M., & Kleitou, P. (2016). A lionfish (Pterois miles) invasion has begun in the Mediterranean Sea. Marine Biodiversity Records, 9(1), 46.
  • Kleitou, P., Savva, I., Kletou, D., Hall-Spencer, J. M., Antoniou, C., Christodoulides, Y., … & Petrou, A. (2019). Invasive lionfish in the Mediterranean: Low public awareness yet high stakeholder concerns. Marine Policy, 104, 66-74.
  • Motomura, H., Matsuura, K. & Khan, M. (2018). Pterois milesThe IUCN Red List of Threatened Species 2018: e.T190475A54145413. https://dx.doi.org/10.2305/IUCN.UK.2018-2.RLTS.T190475A54145413.en. Downloaded on 18 May 2020.