Por que as verrugas aparecem nos cães?

08 Setembro, 2020
Como nas pessoas, as verrugas costumam aparecer com muita frequência na pele ou na mucosa do cães. A seguir, vamos explicar as razões que levam ao seu aparecimento.

Entre todas as possíveis patologias cutâneas que os cães podem apresentar, as verrugas estão, sem dúvida, entre as dez principais. Felizmente, embora sejam muito frequentes, na maioria dos casos não constituem um problema sério para o animal. Quase sempre, as verrugas em cães são um crescimento excessivo de tecido que pode remitir espontaneamente.

O que é uma verruga?

Certamente, quando falamos de verrugas, uma imagem semelhante chega às nossas mentes: um nódulo, geralmente pequeno, enrugado, cor de pele, isolado ou acompanhado por outros.

Mas essa não é uma definição válida do ponto de vista médico. Portanto, poderíamos simplesmente descrever a verruga dizendo que é um crescimento anormal do tecido epitelial, causado pelo vírus do papiloma.

Nesse sentido, estritamente falando, a verruga pode ser definida como um processo tumoral cutâneo, entendendo como tumor um crescimento anormal de tecido, sem necessariamente um componente de malignidade associado.

Esse tipo de lesão pode aparecer em cães de qualquer raça e condição. No entanto, geralmente ocorre com mais frequência em animais jovens e idosos ou em cães com algum distúrbio que afeta o sistema imunológico.

O que é uma verruga?

Por que as verrugas aparecem nos cães?

Simplesmente por causa da exposição ao vírus. Se um animal está infectado e tem verrugas, ele pode transmitir o patógeno diretamente pelo contato com outro cão ou através de superfícies, como brinquedos ou camas. Por outro lado, existem animais com partículas virais infecciosas na pele sem ter desenvolvido verrugas.

Quando as partículas virais escapam da verruga original e “colonizam” outro tecido epitelial, a replicação do vírus começa. No novo tecido, ocorre uma pequena lesão tecidual, gerando a bem conhecida verruga. Por sua vez, essa verruga tem novamente um alto conteúdo de partículas virais infecciosas, de modo que o ciclo recomeça.

Nesse ponto, deve-se esclarecer que cada verruga é um mundo e pode causar uma infecção em outro cão, mas também no mesmo animal em um local diferente. Por esse motivo, é frequente que as verrugas nunca sejam processos isolados, e lesões diferentes tendem a aparecer em várias partes do corpo do animal.

O vírus que causa as verrugas nos cães não afeta as pessoas. As pessoas têm seus próprios vírus de papiloma.

Se meu cachorro tiver uma verruga, devo me preocupar?

Bem, em geral, não. Como já mencionamos, é uma condição benigna. Do ponto de vista médico, geralmente são lesões assintomáticas ou, no máximo, que causam um leve desconforto ao animal.

Essa circunstância ocorre se a localização da verruga estiver em uma área delicada, como, por exemplo, na margem palpebral ou na região oral.

No entanto, para evitar possíveis complicações, é sempre aconselhável ir ao veterinário diante da menor indicação de que o cão possa estar desenvolvendo uma lesão na pele. Apesar da sua natureza benigna, deve ser adequadamente avaliada para confirmar sua benignidade e diferenciá-la de outros processos, como os mastocitomas.

Se meu cachorro tiver uma verruga, devo me preocupar?

Tratamento para as verrugas nos cães

Como o sistema imunológico está envolvido no desenvolvimento da lesão, na maioria dos casos, costumam ser processos autolimitadosÀ medida que as defesas do animal combatem o vírus, a verruga desaparece.

No entanto, por vezes, essas lesões nunca atingem remissão total. Nesses casos, e sempre após avaliação veterinária, pode ser necessária a remoção cirúrgica da verruga.

Essa cirurgia será indicada para lesões que estiverem em áreas delicadas ou que comprometam a qualidade de vida do animal, como os olhos ou a boca.

O procedimento costuma ser simples, pois, por serem lesões superficiais, não são necessárias grandes abordagens cirúrgicas e a recuperação pós-operatória geralmente é imediata.

Em conclusão, as verrugas são lesões resultantes de uma infecção viral altamente contagiosa. Embora geralmente não apresentem problemas sérios e na maioria das vezes não possuam um componente maligno, é sempre aconselhável que sejam avaliadas corretamente por um veterinário para evitar possíveis complicações.