Prevenção e detecção rápida de cólicas em cavalos

03 Outubro, 2020
Os cavalos são animais graciosos, bonitos e majestosos. Mas eles são predispostos a certas condições que podem facilmente acabar com suas vidas.

As cólicas em cavalos é muito comum e está entre as principais causas de morte, principalmente se não for detectada e tratada rapidamente. Por isso, é tão importante fazer um gerenciamento adequado para evitar que elas ocorram ou, pelo menos, para reconhecer os primeiros sintomas.

Vale ressaltar que, muitas vezes, apesar dos cuidados dispensados ​​a esses animais, a cólica aparece da mesma forma. Trata-se de uma espécie muito sensível a demasiadas variáveis ​​e com uma anatomia e fisiologia que não facilitam sua recuperação. Portanto, antes de qualquer indício de doença, é melhor consultar um profissional.

Abordagem geral para as cólicas em cavalos

A cólica se refere a uma dor aguda na barriga devido aos espasmos musculares que envolvem o órgão afetado. É verdade que nem sempre está relacionado a uma víscera digestiva (a cólica renal, por exemplo). Mesmo assim, quando falamos em cólica em cavalos, geralmente é uma cólica digestiva, seja do estômago ou do intestino.

As pessoas que se relacionam com esses animais estão perfeitamente cientes das graves consequências de tais patologias. Ou porque sofreram junto com seu cavalo ou porque foi a causa de sua morte sem que soubessem.

Abordagem geral para as cólicas em cavalos

Existe uma predisposição nessa espécie para sofrer de cólicas?

Sim, há vários motivos pelos quais existe uma certa tendência, como:

  • A anatomia: os cavalos têm um estômago relativamente pequeno, portanto, seu trânsito gástrico é muito rápido. Isso significa que, ao longo do dia, o estômago envia alimentos para o intestino com graus insuficientes de digestão.
  • Erros na alimentação: fundamentalmente relacionados à qualidade e quantidade da ração. Além disso, os cavalos são especialmente sensíveis a qualquer mudança repentina nesse quesito.
  • Maus cuidados: exercício excessivo ou beber água muito gelada, entre outras coisas.
  • Presença de outras afecções ou doenças: principalmente distúrbios estomacais ou intestinais.
  • Defeitos na mastigação: o ideal é que seja lenta e cuidadosa, em uma cavidade oral saudável e com todos os dentes em perfeito estado.

E o mais importante: os cavalos não podem vomitar porque a estrutura do seu sistema digestivo os impede de fazer isso. Ou seja, eles não podem aliviar o desconforto esvaziando o conteúdo do estômago. Como mecanismo compensatório, o estômago começa a se dilatar e pode se romper, causando peritonite.

Como detectar as cólicas em cavalos a tempo?

Em primeiro lugar, é importante observar o animal por alguns minutos se acharmos que ele está estranho e prestar atenção especial ao seu estado geral, seu comportamento e sua atitude. Durante a cólica, o cavalo ficará inquieto, movendo-se constantemente e tenderá a cavar o chão.

Em geral, ele mudará de posição com frequência, direcionando olhares angustiados para seus flancos. Também poderá tentar se deitar com cautela ou se jogando ao chão abruptamente.

Haverá outros sinais talvez mais óbvios, como:

  • Aumento do volume do abdômen.
  • A presença de comida não consumidas no alimentador.
  • Mudanças na consistência das fezes e até mesmo ausência total de defecação e micção.
  • Sudorese sem causa aparente.

Se a solução não for solucionada a tempo, pode ocorrer um sério desequilíbrio eletrolítico. E se isso não for tratado imediatamente, levará inevitavelmente ao choque e à morte do cavalo.

Se suspeitarmos que é cólica, o que devemos fazer?

É uma patologia grave e muito provável que gere uma emergência de saúde para o animal, tendo em vista que a intervenção precoce de um profissional será fundamental para prevenir possíveis complicações.

O veterinário determinará, após o exame clínico, o tratamento correspondenteseja medicamentoso ou cirúrgico. Uma medida básica e elementar para evitar a morte do animal é um diagnóstico rápido.

Como prevenir as cólicas em cavalos?

Assim como em qualquer doença, o fundamental é prevenir as causas que predispõem ao desencadeamento dos sintomas.

Como vimos anteriormente, no cavalo são muitas e bem variadas. Por exemplo, pode ser necessário consertar seus dentes ou fazer tratamentos regulares contra parasitas gastrointestinais. A alimentação também deve ser controlada, lembrando que os equídeos são muito sensíveis a qualquer desequilíbrio alimentar.

Como prevenir?

Qual é o prognóstico para as cólicas em cavalos?

O prognóstico vai depender de vários fatores, entre os quais:

  • A causa é conhecida? É muito séria? É possível solucioná-la?
  • A rapidez com que os primeiros sintomas são reconhecidos.
  • Uma abordagem rápida da cólica através do tratamento prescrito pelo veterinário.
  • O aparecimento de complicações: circulação sanguínea comprometida, choque, ruptura dos órgãos digestivos…
  • A resposta favorável ao tratamento (algo que, infelizmente, está além do nosso controle).
  • A restauração da fisiologia gastrointestinal do animal.

Ainda assim, apesar dos esforços dos proprietários e veterinários, a cólica continua sendo a principal causa de mortalidade em cavalos.

  • Cruz AJ. Aproximación al diagnóstico del cólico equino [Internet]. 2006 [consultado el 16 de junio de 2020]. Disponible en: http://www.produccion-animal.com.ar/
  • Genoud JM. Cómo prevenir y detectar cólicos [Internet]. 2002 [consultado el 16 de junio de 2020]. Disponible en: http://www.produccion-animal.com.ar/
  • Genoud JM, Moiron AI, Kudzujián M. Diagnóstico precoz del abdomen agudo en equinos [Internet] [consultado el 16 de junio de 2020]. Disponible en: http://www.produccion-animal.com.ar/