Problemas digestivos em cães: tratamento e prevenção

10 Outubro, 2020
Os problemas digestivos em cães são causados por diversos fatores. No entanto, essas condições podem ser tratadas com alguma facilidade através dos cuidados com a dieta do animal de estimação.

Os problemas digestivos em cães representam uma grande preocupação para os donos ​​de animais de estimação e para os médicos veterinários.

Em particular, os distúrbios digestivos crônicos podem ser difíceis de tratar, devido às limitações dos procedimentos diagnósticos e às suas muitas causas possíveis. Aqui, vamos abordar o papel da dieta no tratamento e na prevenção dessas condições.

O papel do microbioma intestinal nos problemas digestivos em cães

Os cães possuem uma coleção única de centenas de tipos de microrganismos unicelulares (bactérias e outros micróbios) que habitam seu trato digestivo. Essa diversidade de microrganismos é chamada de microbiota ou microbioma intestinal.

Diversos estudos científicos já demonstraram que o microbioma intestinal é fundamental para a digestão e para a obtenção dos nutrientes fornecidos pelos alimentos.

Atualmente, é reconhecido que o microbioma intestinal tem relação com uma ampla variedade de processos, que vão desde o peso corporal até a saúde mental. O equilíbrio do microbioma afeta quase todos os aspectos da saúde e da felicidade de um cachorro.

Problemas digestivos em cães: tratamento e prevenção

Quais são os fatores que podem induzir um desequilíbrio no microbioma canino?

Se o seu cachorro tiver sido exposto a qualquer uma das seguintes condições, ele pode sofrer de problemas digestivos em algum grau:

Como promover um microbioma intestinal saudável?

Há uma série de medidas a serem adotadas para garantir um microbioma intestinal equilibrado e prevenir os problemas digestivos em cães, tais como:

1) Garantir a amamentação

A amamentação é a primeira e mais importante vacina natural. Para os filhotes, é vital que recebam a variedade de nutrientes do leite materno. Entre eles estão:

  • Fatores de crescimento, que induzem a maturação adequada do intestino.
  • Antibióticos naturais, que previnem a colonização de patógenos.
  • Prebióticos, que promovem o crescimento da flora intestinal benéfica.

2) Permitir o contato constante com o ar puro e a natureza

As bactérias potencialmente boas para o seu cachorro estão espalhadas pela natureza: na terra, nas plantas e até mesmo no ar. Por isso, leve o seu cachorro para passear ou abra uma janela para deixar entrar ar fresco.

3) Fornecer alimentos crus

Os alimentos frescos crus constituem uma fonte de micróbios naturais para o seu cachorro. Algumas pessoas até alimentam seus cães com dietas de carne crua, embora você precise seguir as devidas precauções de segurança se quiser experimentar. Como você já sabe, nem todos os micróbios que crescem nos alimentos são saudáveis.

4) Usar probióticos e alimentos fermentados

Os probióticos são micróbios vivos benéficos. Os alimentos fermentados que contêm grandes quantidades de bactérias probióticas são altamente recomendados para uma dieta saudável.

É preciso ter em mente que os micróbios probióticos geralmente não se tornam residentes permanentes do microbioma do seu cachorro. Por esse motivo, muitos usuários evidenciam um maior benefício com a suplementação diária.

5) Considerar o transplante de microbiota fecal

As doenças intestinais crônicas têm sido tratadas com grande sucesso através dos transplantes de microbiota fecal. Nesse procedimento, são transferidos micróbios intestinais de um cachorro saudável para outro que sofre de doença gástrica.

Os transplantes de microbiota fecal começaram sendo realizados por meio de um enema (geralmente em um hospital veterinário sob sedação), o que muitas vezes faz com que se tornem caros e estressantes para o cachorro. Atualmente, no entanto, estão disponíveis cápsulas de microbiota fecal para uso oral, que facilitam esse processo.

Problemas digestivos em cães: tratamento e prevenção

6) Ajudar no controle do estresse canino

Estudos científicos mostraram que o estresse muda o equilíbrio do microbioma intestinal humano, levando-o para um estado menos saudável. Assim, os sintomas de problemas digestivos em cães também podem piorar se o animal passar por situações estressantes.

Existem várias técnicas disponíveis para aliviar os cães estressados, e uma medida fácil de adotar é aumentar a quantidade de exercícios.

Em conclusão, o manejo dietético dos problemas digestivos em cães tem dois pontos principais. Primeiramente, é preciso excluir os componentes da dieta que estejam envolvidos no desenvolvimento de alergia ou sensibilidade no cachorro. Em segundo lugar, procura-se influenciar a composição e a atividade metabólica da microflora gastrointestinal.

  • German, A., & Zentek, J. (2006). Enfermedades digestivas más frecuentes: el papel de la nutrición. Enciclopedia de la Nutrición Clínica Canina (Pibot y col.). Royal Canin, Paris, Francia, 120-131.
  • Silva, J. G. (2016). Nutrición hospitalaria práctica para la clínica de pequeños animales Nutrición enteral: estrategias y nutrientes terapéuticos. Revista Colombiana de Ciencia Animal, 9(1).
  • Salcedo Reyes, D. (2015). Evaluación de la aplicación de microorganismos benéficos en problemas diarreicos de cachorros Canis lupus familiaris (Bachelor’s thesis, Universidad de Guayaquil. Facultad de Medicina Veterinaria y Zootecnia).