A regeneração em estrelas-do-mar: o segredo da vida?

18 Novembro, 2020
Se você se pergunta por que as estrelas-do-mar podem substituir um braço perdido e os humanos não, você não está sozinho, pois isso é algo que a ciência ainda está tentando resolver.

As estrelas-do-mar são famosas por seus poderes de regeneração. Por exemplo, se perderem um de seus membros, elas conseguem substituí-lo por um novo. Inclusive, um novo animal pode crescer a partir de um braço e um fragmento do corpo. Os humanos, em comparação com as estrelas-do-mar, têm poderes de regeneração bastante limitados.

Nas pessoas, a reparação de lesões ocorre facilmente em alguns tecidos, como o fígado, por exemplo. No entanto, outras células, tais como as do músculo cardíaco e os neurônios no corpo humano, não conseguem se regenerar após um dano. Por esse motivo, as estrelas-do-mar podem ser modelos úteis para estudar a cicatrização e a regeneração de lesões em humanos.

Compreendendo a biologia das estrelas-do-mar

As estrelas-do-mar pertencem ao filo Echinodermata estão relacionadas aos ouriços-do-mar, aos lírios-do-mar e aos pepinos-do-mar. Fazem parte da classe Asteroidea e, até hoje, existem mais de 1600 espécies de estrelas-do-mar.

A regeneração em estrelas-do-mar

Variedade de cores e tamanhos

É surpreendente saber que o tamanho de uma estrela do mar pode variar de menos de dois centímetros até mais de um metro de diâmetro. No entanto, as espécies mais comuns medem de 12 a 24 centímetros. Elas possuem simetria radial, ou seja, seus braços, sejam eles curtos ou longos, estendem-se a partir de um disco central. É interessante saber que embora a maioria das estrelas-do-mar tenha 5 braços, algumas espécies podem ter até 40.

O disco central é uma estrutura essencial no processo de regeneração das estrelas-do-mar.

As estrelas-do-mar têm olhos

É muito interessante saber que essas criaturas fascinantes têm olhos. Apesar disso, esses dispositivos oculares não estão no lugar que seria esperado. Além disso, eles nem mesmo se parecem com o olho humano, pois consistem em manchas oculares na extremidade de cada braço.

Assim, as estrelas-do-mar de cinco braços têm cinco olho,s e as espécies que têm 40 braços têm 40 olhos. Certamente, essas criaturas não enxergam muitos detalhes, mas distinguem a luz da escuridão, o que é suficiente para navegar em seu habitat.

Elas têm uma armadura protetora

Dependendo da espécie, a pele de uma estrela-do-mar pode ter uma textura emborrachada ou ligeiramente espinhosa. É típica a presença de uma capa resistente que é formada por placas de carbonato de cálcio. Além disso, essa capa possui pequenos espinhos que servem para a proteção contra predadores.

As estrelas-do-mar não têm sangue

Em vez de sangue, as estrelas-do-mar têm um sistema circulatório composto principalmente de água do mar, a qual é bombeada para o sistema vascular do animal através de sua placa madrepórica.

Esse líquido circula em direção aos pés tubulares da estrela, fazendo com que o braço se estenda. Ao contrário da crença popular, os braços não são rígidos. Na verdade, eles ajudam a prender as presas, como as amêijoas ou os mexilhões, por exemplo.

Amputação e regeneração

O processo de regeneração que ocorre na estrela-do-mar é muito complexo e apenas parcialmente compreendido. Basicamente, a regeneração é a capacidade das células de um animal de produzir novas partes do corpo durante a idade adulta, da mesma forma que fizeram durante o desenvolvimento embrionário.

Se uma estrela do mar tem um braço amputado, começa uma fase de reparo para curar a lesão exposta. Assim que a lesão cicatriza, o animal começa a gerar novas células, que, por sua vez, provocam um novo crescimento.

É necessário destacar que a regeneração pode levar de vários meses até anos. A proliferação celular que tem como resultado o crescimento de novos membros ocorre na fase final. Se a fase final for interrompida, o novo membro resultante pode ficar deformado.

Essas criaturas também podem soltar um braço para escapar de um predador

É muito interessante saber que, além da fragmentação que as estrelas-do-mar realizam para fins de reprodução, isso também pode ser feito como uma resposta de fuga. Isso significa que o animal pode seccionar o seu corpo para escapar do ataque de um predador.

Para perder partes do corpo, o animal realiza um amolecimento rápido do tecido conjuntivo em resposta aos sinais nervosos. Esse tipo de tecido é chamado de tecido conjuntivo de captura e é encontrado na maioria dos equinodermos.

De fato, a ciência identificou um fator de promoção da autotomia que, quando injetado em outra estrela-do-mar intacta, causa um rápido desprendimento dos braços.

A regeneração em estrelas-do-mar

O segredo da vida

Os equinodermos são encontrados em quase todos os habitats marinhosconstituem uma proporção significativa da biomassa. Assim, as estrelas-do-mar e outros equinodermos são extremamente importantes para a biodiversidade dos oceanos.

Apesar disso, a regeneração desses invertebrados ainda é um segredo para a ciência. Será que esses mecanismos são o segredo para aumentar a eficácia na medicina humana? Só o tempo poderá nos trazer a resposta.

  • Vickery, M.C.L. et al. (2001). Utilization of a novel deuterostome model for the study of regeneration genetics: molecular cloning of genes that are differentially expressed during early stages of larval sea star regeneration. Gene 262, 73-80.
  • Rahman, M. A., Molla, M. H. R., Megwalu, F. O., Asare, O. E., Tchoundi, A., & Shaikh, M. M. (2018). The Sea Stars (Echinodermata: Asteroidea): Their Biology, Ecology, Evolution and Utilization. SF J Biotechnol Biomed Eng. 1 (2), 1007.
  • Ben Khadra, Y., Ferrario, C., Benedetto, C. D., Said, K., Bonasoro, F., Candia Carnevali, M. D., & Sugni, M. (2015). Re‐growth, morphogenesis, and differentiation during starfish arm regeneration. Wound Repair and Regeneration, 23(4), 623-634.
  • Hayashi, Yutaka; Motokawa, Tatsuo (1986). “Effects of ionic environment on viscosity of catch connective tissue in holothurian body wall”. Journal of Experimental Biology. 125 (1): 71–84.
  • Mladenov, Philip V.; Igdoura, Suleiman; Asotra, Satish; Burke, Robert D. (1989). “Purification and partial characterization of an autotomy-promoting factor from the sea star Pycnopodia helianthoides”. Biological Bulletin. 176 (2): 169–175. doi:10.2307/1541585
  • Mulcrone, R. (2005). “Asteroidea” (On-line), Animal Diversity Web. Accessed August 13, 2020 at https://animaldiversity.org/accounts/Asteroidea/