O arminho: habitat e comportamento

01 Agosto, 2020
O arminho é um pequeno mamífero pertencente à família dos mustelídeos. Mas o que o torna tão especial? Ele é flexível, leve e um ótimo caçador!
 

O arminho é um pequeno mamífero pertencente à família dos mustelídeos. Como os visons-americanos, os arminhos são animais pequenos, leves e muito rápidos. Também conhecido como doninha-de-cauda-curta, os arminhos são incrivelmente populares por seus pelos.

O corpo do arminho mede em média de 16 a 31 centímetros de comprimento. Por ser um animal pequeno, ele também é bastante leve: o peso de um arminho adulto é de aproximadamente 500 gramas.

Como muitos outros mustelídeos, os arminhos têm dimorfismo sexual. Isso significa que os machos são maiores que os fêmeas.

O arminho tem os sentidos da visão, audição e olfato altamente desenvolvidos. Assim, essas habilidades lhe permitem caçar com muita facilidade.

Além disso, têm corpos muito flexíveis e ágeis. Por esse motivo, costumam subir em árvores altas em busca de pequenos pássaros ou ovos.

Os arminhos são principalmente animais carnívoros. Suas principais presas são as lebres, mesmo quando têm peso e tamanho maiores que os deles. Muitos arminhos geralmente comem pequenos roedores e pássaros.

Em caso extrema necessidade, um arminho pode comer carniça. No entanto, a verdade é que eles não gostam desse tipo de alimentação e frequentemente caçam sua própria comida.

O arminho: habitat e comportamento
 

Características e reprodução do arminho

Os arminhos são geralmente animais solitários e territoriais. Eles raramente toleram a presença de outros arminhos em seu território, particularmente do mesmo gênero.

Na maioria dos casos, um arminho usa várias tocas ao mesmo tempo. Dessa forma, eles conseguem armazenar alimentos com mais facilidade e sempre têm uma casa, caso uma das tocas seja comprometida.

Os arminhos são animais solitários que não são vistos em grupos, exceto quando estão em época de acasalamento. Assim como acontece com o vison-americano, a fêmea cria os filhotes sem a ajuda do macho.

O arminho é um animal principalmente noturno, e suas habilidades são adaptadas a isso. Sua visão durante o dia não é muito boa, nem sua diferenciação de cores. No entanto, sua visão noturna é tão avançada quanto a de qualquer felino caçador.

Uma característica curiosa dos arminhos é seu ciclo reprodutivo. A estação de acasalamento geralmente ocorre entre abril e maio. No entanto, a fêmea fertilizada não dará à luz até abril do próximo ano.

No caso dos arminhos, o corpo da fêmea mantém o óvulo fertilizado na parede do útero por mais de 11 meses. Após esse período, quando chega a primavera seguinte, a gestação finalmente começa.

A gravidez de um arminho dura entre 21 e 28 dias. O filhote recebe os cuidados da mãe por 5 semanas e é considerado adulto com 12 semanas de vida. A partir de então, ele já pode caçar sozinho.

Em média, a expectativa de vida de um arminho é de dois anos. No entanto, sob condições adequadas, um arminho pode viver até sete anos.

 
Características e reprodução

Pelagem e exploração

Durante o verão, a pelagem dos arminhos apresenta uma coloração marrom ou mel. Normalmente, a parte inferior do corpo é mais clara.

Contudo, é durante o inverno que seu pelo se torna mais cobiçado, pois nessa época do ano o pelo do arminho fica completamente branco, para se camuflar.

No verão e no inverno, o arminho fica com a ponta da cauda preta. É provável que esse ponta escura tenha sido um produto evolutivo para fins de sobrevivência.

Principalmente na Europa, a pelagem de inverno do arminho era altamente cobiçada pela nobreza. Ter um casaco de pele de arminho era considerado um sinal de riqueza e poder, pois era muito caro.

Atualmente, existem fazendas de arminhos para fins de exploração das peles. Tal como acontece com os visons, os arminhos são criados especificamente para a comercialização de sua pele.

Existem vários grupos protecionistas que lutam pela extinção dessas fazendas. Não devemos apoiar a exploração da indústria de peles! Muitos animais sofrem e morrem todos os anos por causa disso.

 
  • Erlinge, S. (1977) Spacing Strategy in Stoat Mustela erminea. Oikos. Volumen 28, Numero 1. Pp. 32-42
  • Erlinge, S.; Sandell, M.; Brinck, C. (1982) Scent-marking and its territorial significance in stoats, Mustela erminea. Animal Behaviour. Volumen 30, Numero 3. Pp. 811-818
  • Murphy, A.; Dowding, J. (1994) Range and Diet of Stoats (Mustela Erminea) in a New Zealand beech forest. New Zealand Journal of Ecology. Volumen 18, Numero 1. Pp. 11-18
  • King, C.; Edgar, R. (1977) Techniques for trapping and tracking stoats (Mustela erminea); a review, and a new system. New Zealand Journal of Zoology. Volumen 4, Numero 2. Pp. 193-212