Saiba como os gatos chegaram à América

26 Agosto, 2020
Os felinos foram amados e temidos ao longo da história. Saiba como os gatos chegaram à América!

Os gatos são caçadores ferozes e companheiros ronronantes, estrelando pinturas antigas e desenhos animados modernos. Durante séculos, os gatos foram reverenciados e, às vezes, também foram difamados.

Atualmente, especialistas em felinos dizem que sua população excedeu a dos cães. Portanto, o gato pode ter se tornado o animal de estimação mais popular do mundo. Mas como eles evoluíram dos seus dias de animais selvagens para se tornarem animais de estimação mimados? Existem estudos de antropólogos e geneticistas felinos que traçam a curiosa evolução do gato.

A domesticação dos gatos

Ao olhar para o seu animal de estimação, talvez você se pergunte de onde os gatos vieram. Os cientistas especulam que se trata de um animal extinto há muito tempo. Trata-se do pequeno miacis arbóreo, que existiu entre 40 e 50 milhões de anos atrás e que provavelmente foi o ancestral comum do urso, da doninha, da raposa, do coiote, do guaxinim, do cachorro e do gato.

Por muito tempo, acreditou-se que os egípcios tinham sido os pioneiros na domesticação dos gatos há cerca de 4.000 anos. Em concordância com essa crença, as evidências do DNA sugerem que os gatos domésticos de hoje compartilham o ancestral comum com o gato-montês.

A domesticação dos gatos

No entanto, em 2004, uma tumba neolítica de 9.500 anos foi descoberta em ChipreO túmulo revelou os restos mortais de um gato enterrado com um humano, sugerindo que os humanos tinham um relacionamento próximo com esses animais muito antes dos egípcios.

Outros estudos sugeriram que a domesticação desses felinos pode ter começado cerca de 12.000 anos atrás, quando a agricultura cresceu no Crescente Fértil – uma região que atualmente abrange o território do Egito, da Turquia, do Líbano, do Iraque e do Irã ocidental – no Oriente Médio.

Acredita-se que o aumento da agricultura tenha atraído uma variedade de criaturas, à sombra da qual a população de gatos caçadores prosperou. Essa teoria faz sentido porque até hoje os gatos selvagens se reúnem e prosperam em áreas com um suprimento abundante de alimentos.

A expansão do felino no velho mundo

Há uma crença de que os gatos domésticos foram trazidos para a Europa por comerciantes gregos e fenícios cerca de 3.000 anos atrás. Os romanos valorizavam os gatos para o controle de pragas. As legiões do Império Romano que avançaram como invasores em território estrangeiro certamente teriam levado gatos com eles. Assim, eles expandiram a população felina à medida que avançavam pela Gália – França moderna – e pela Grã-Bretanha.

Cerca de 1.600 anos atrás, os romanos deixaram a Grã-Bretanha, mas muitos dos gatos que possuíam foram deixados para trás. Acredita-se que quando os vikings invadiram a Grã-Bretanha – cerca de 1.000 anos atrás – eles retornaram à Noruega levando a linhagem de gatos domesticados.

Vítimas de superstição e perseguição

Cerca de 700 anos atrás, as coisas deram uma guinada infeliz para os gatos na Grã-Bretanha. Na Idade Média, nasceram os tribunais da Santa Inquisição e, de repente, surgiram suspeitas de que os gatos estariam envolvidos em bruxaria.

Vítimas de superstição e perseguição

A suspeita infeliz floresceu devido a vários fatores: o brilho nos olhos felinos é interessante e diferente. Na verdade, eles têm uma camada reflexiva no globo ocular que lhes confere uma aparência dramática no escuro. Também contribuiriam para essa imagem seu caráter reservado e sua capacidade de sobreviver em circunstâncias extraordinárias.

Como consequência dessa superstição, ocorreu um massacre de gatos na Europa com centenas de milhares de felinos mortos. Especialistas levantaram a hipótese de que esse abate de felinos permitiu o crescimento da população de roedores na Europa, uma das causas da disseminação da peste bubônica que ocorreu de 1346 a 1353.

Como os gatos chegaram à América

Em 1500, os felinos haviam recuperado a popularidade e estavam prestes a dar outro grande salto. Os comerciantes e exploradores do novo mundo abandonaram a Grã-Bretanha e a Espanha entre as décadas de 1600 e 1700, mas levaram seus gatos consigo. Foi assim que aconteceu a entrada dos felinos domésticos nos Estados Unidos.

Embora existam fósseis de gatos pequenos no continente americano, as evidências genéticas sugerem que o gato doméstico na América evoluiu do gato selvagem do Oriente Médio, provavelmente do gato-selvagem-africano (Felis silvestris lybica). Portanto, podemos dizer que o ancestral do gato na América também veio de barco.

Como os gatos chegaram à América

Uma história de sucesso

Enquanto os seres humanos eram predominantemente caçadores, os cães eram de grande utilidade para os homens. Por esse motivo, eles foram domesticados muito antes dos gatos. Por outro lado, os felinos se tornaram úteis para as pessoas quando elas começaram a se estabelecer. 

Como a atividade agrícola foi concatenada com a necessidade de armazenar e conservar grãos e cereais, os gatos encontraram um lugar próximo aos humanos.

Assim, foi montado o cenário para o que os cientistas chamaram de “um dos experimentos biológicos mais bem-sucedidos já realizados”: os gatos ficaram encantados com a abundância de presas nos armazéns de grãos. Ao mesmo tempo, as pessoas também ficaram encantadas com o controle de pragas que eles exerceram. Foi assim que nasceu a relação simbiótica que dura até hoje.