3 benefícios das sementes de girassol para animais de estimação

02 Março, 2020
A pequena semente de girassol possui gorduras insaturadas saudáveis, proteínas, fibras e outros nutrientes importantes, como vitamina E e minerais.

Neste artigo, vamos explorar os benefícios que as sementes de girassol podem trazer para os seus animais de estimação. O girassol (Helianthus annuus) é um dos cultivos mais importantes do mundo. Ele tem uma boa relevância econômica, pois as sementes de girassol são oleaginosas, o que significa que é possível produzir óleo a partir das mesmas.

Tradicionalmente, e independentemente do seu valor nutricional, o óleo de girassol foi usado em seres humanos para tratar condições como resfriado, desconforto intestinal e dor reumática. No entanto, estes benefícios também podem ser aplicados aos nossos animais de estimação.

Componentes das sementes de girassol

As sementes de girassol estão entre as melhores fontes de proteínas vegetais. Por esse motivo, suas propriedades nutricionais e funcionais têm sido amplamente estudadas.

Estudos realizados com essa planta estabeleceram que cada 100 gramas de sementes contêm 20,78 gramas de proteínas, 51,46 gramas de lipídios totais, 20 gramas de carboidratos e 8,6 gramas de fibra. Isso representa um aporte calórico ou energia total de 584 quilocalorias/100 gramas.

As sementes de girassol são uma boa fonte de minerais. O USDA (2019) apresentou a seguinte composição: cada 100 gramas de sementes contêm, em miligramas: fósforo (660), potássio (645), magnésio (325), cálcio (78), selênio (53), sódio (9), ferro (5,25), zinco (5) e cobre (1,8).

Em sua lista de nutrientes, destaca-se como uma importante fonte de vitamina E (alfa-tocoferol) com 35,17 miligramas/100 gramas.

Sementes de girassol

Benefícios das sementes de girassol para animais de estimação

1. Seu teor de vitamina E previne doenças cardiovasculares

Vários estudos científicos estabeleceram que os fitoquímicos das sementes de girassol, como os tocoferóis e os compostos fenólicos, têm uma atividade potente como antioxidantes. Por esse motivo, tais compostos podem inibir a oxidação lipídica, ajudando a prevenir doenças cardiovasculares e a morte por causas cardíacas.

2. Melhoram os pelos e ajudam a curar lesões na pele

O óleo de girassol é uma mistura, principalmente, de gordura poli-insaturada, ácido linoleico (59% do total), gordura monoinsaturada e ácido oleico (30% do total). O ácido linoleico pertence à família dos ácidos graxos classificados como ômega-6, enquanto o ácido oleico se enquadra na classificação de ômega-9.

Segundo a literatura científica, esses ácidos graxos podem ter efeitos tanto promovendo quanto combatendo a inflamação. Isso dependeria da proporção entre a ingestão de ômega-6 e ômega-3.

Em 2001, cientistas testaram o efeito de dietas suplementadas com sementes de girassol nas condições de pele e pelos de 18 cães. Eles descobriram que o uso de suplementos de sementes de girassol melhorou o pelo dos cães.

Esses resultados foram complementados com as descobertas de outros grupos de especialistas, que relataram de forma independente:

  • Cinco nutrientes presentes nas sementes de girassol melhoram a capacidade de barreira da pele em cães saudáveis.
  • A suplementação com óleo de girassol é eficaz como coadjuvante no tratamento da dermatite atópica canina.

3. Favorecem a atividade pancreática

Foi demonstrado que dietas ricas em óleo de girassol induzem uma resposta pancreática aos alimentos. Especificamente, aumentam o conteúdo de eletrólitos e enzimas pancreáticas – como a lipase – no suco secretado pelo pâncreas.

Sementes e óleo de girassol

Esta informação pode ser útil para decidir qual é o tratamento nutricional mais adequado para cães que se recuperam de doenças gastrointestinais.

A ingestão de sementes de girassol traz benefícios inquestionáveis para os nossos animais de estimação. Fornecem energia, além de ácidos graxos essenciais, minerais e vitaminas lipossolúveis. Além disso, enriquecem a dieta, contribuindo para a sensação de saciedade, sabor e palatabilidade.

  • Billman, G. E., Kang, J. X., & Leaf, A. (1999). Prevention of sudden cardiac death by dietary pure ω-3 polyunsaturated fatty acids in dogs. Circulation, 99(18), 2452-2457.
  • Ballesta, M. C., Mañas, M., Mataix, F. J., Martínez-Victoria, E., & Seiquer, I. (1990). Long-term adaptation of pancreatic response by dogs to dietary fats of different degrees of saturation: olive and sunflower oil. British journal of Nutrition, 64(2), 487-496.
  • Wicker-Planquart, C., & Puigserver, A. (2018). Regulation of gastrointestinal lipase gene expression by dietary lipids. In Nutrition and gene expression (pp. 55-89). CRC Press.
  • Muhammad Anjum, F., Nadeem, M., Issa Khan, M., & Hussain, S. (2012). Nutritional and therapeutic potential of sunflower seeds: a review. British Food Journal, 114(4), 544-552.
  • Rees, C. A., Bauer, J. E., Burkholder, W. J., Kennis, R. A., Dunbar, B. L., & Bigley, C. E. (2001). Effects of dietary flaxseed and sunflower seed supplementation on normal canine serum polyunsaturated fatty acids and skin and hair coat condition scores. Veterinary dermatology, 12(2), 111-117.
  • Bensignor, E., Morgan, D. M., & Nuttall, T. (2008). Efficacy of an essential fatty acid‐enriched diet in managing canine atopic dermatitis: a randomized, single‐blinded, cross‐over study. Veterinary dermatology, 19(3), 156-162.