O que é sucessão ecológica?

15 Outubro, 2020
A sucessão ecológica é um processo dinâmico que explica a substituição constante e gradual de uma espécie em uma determinada área. Isso é essencial para o dinamismo dos ecossistemas.

O que erupções vulcânicas, furacões, incêndios florestais, tsunamis e agricultura extensiva têm em comum? Todos eles são um ponto de partida para um processo conhecido como sucessão ecológica.

Em termos simples, a sucessão ecológica é a expressão da força da natureza. Refere-se ao constante processo de mudança e reestruturação que todos os ecossistemas sofrem. Graças a essas mudanças, cada nicho ecológico experimenta a substituição progressiva dos organismos que o compõem.

O termo sucessão se refere à substituição, ao longo do tempo, de algumas espécies por outras. Para resolver esse problema, é essencial avaliar as interações entre as diferentes espécies que compartilham o habitat.

Os elementos envolvidos na sucessão ecológica

Por ser um fenômeno integrador, a sucessão ecológica engloba fatores bióticos (seres vivos) e fatores abióticos (condições atmosféricas) de um ecossistema.

Embora essas teorias tenham sido originalmente desenvolvidas por botânicos, elas foram estendidas para compreender a dinâmica da fauna. Além disso, é aplicável a comunidades microbianas.

Os elementos envolvidos na sucessão ecológica

Tipos de sucessão ecológica

Além disso, se a sucessão envolve a ocupação de uma “nova casa”, ou seja, a colonização de um novo habitat sem a influência de comunidades preexistentes, é chamada de sucessão primária. Por outro lado, se a sucessão continua até a interrupção de uma comunidade preexistente, é chamada de sucessão secundária.

Em linhas gerais, a sucessão ecológica pode começar em duas circunstâncias básicas:

  • Como a ocupação de um habitat novo e não ocupado.
  • Como a transformação de um nicho que sofre mudanças induzidas por um evento perturbador.

Fases de uma sucessão ecológica

São várias as fases que constituem o fenômeno da sucessão ecológica. Mostraremos a seguir:

1. Nudação

A fase inicial começa com a formação de uma área descoberta ou desnutrida. Ela tem origem em eventos como erupções, inundações, erosões e outros eventos catastróficos. Também pode ocorrer pela ação do homem: extração de pedras, hidrofraturação, incêndios, construção de reservatórios, etc.

2. Invasão

Nessa fasechegam à área espécies pioneiras, que formam a base para a sobrevivência de outros seres vivos. A invasão inclui as três etapas a seguir:

  • Dispersão ou migração de sementes ou esporos de espécies invasoras.
  • Ecese ou germinação de espécies de plantas migradas na nova área. Inclui o crescimento de mudas e o início da reprodução das plantas adultas.
  • Agregação: os indivíduos imigrantes bem-sucedidos de uma espécie aumentam em número por reprodução e se agregam em uma grande população na área, formando uma comunidade pioneira.

3. Competição e reação

As espécies que prosperam competem entre si por espaço e nutrição (competição intraespecífica). Além disso, competem com indivíduos de outras espécies que podem entrar na área (competição interespecífica). As espécies instaladas constituem uma comunidade serial.

Aos poucos, o ambiente sofre modificações e se torna inadequado para suportar todos os organismos. Mais cedo ou mais tarde, as espécies são substituídas por novos invasores, geralmente animais mais especializados em aproveitar os recursos do habitat.

Competição e reação

4. Estabilização

Por fim, chega-se a um estágio em que a comunidade se estabiliza e pode permanecer estável nas condições existentes. O sistema atinge uma grande diversidade de espécies, bem distribuídas e com cadeias alimentares complexas.

É importante notar que essa fase foi considerada uma fase final, definida como a comunidade clímax. Essa ideia foi amplamente abandonada pelos ecologistas modernos em favor de ideias de “não equilíbrio” na dinâmica do ecossistema.

Um processo essencial

Em suma, a sucessão ecológica é importante para o crescimento e desenvolvimento de um ecossistema. Disseminar esse conhecimento ajuda a entender como começa a colonização de novas áreas e a recolonização de áreas destruídas.

Compreender o delicado processo envolvido em uma sucessão ecológica nos ajuda a colocar em perspectiva os danos que as pessoas causam ao introduzir espécies invasoras ou ao exterminar uma espécie através da caça.

Todos os seres vivos desempenham um papel essencial no seu ecossistema, e respeitar cada um dos seus membros é essencial para o bem-estar de todos.

  • Emery, S. (2010) Succession: A Closer Look. Nature Education Knowledge 3(10):45 https://www.nature.com/scitable/knowledge/library/succession-a-closer-look-13256638/
  • Villa-Galaviz E, Boege K, del-Val E (2012) Resilience in Plant-Herbivore Networks during Secondary Succession. PLoS ONE 7(12): e53009. https://doi.org/10.1371/journal.pone.0053009
  • Koskella, B., Hall, L.J. & Metcalf, C.J.E. (2017). The microbiome beyond the horizon of ecological and evolutionary theory. Nat Ecol Evol 1, 1606–1615. https://doi.org/10.1038/s41559-017-0340-2