Túmulos de animais: um macaco de 4.000 anos

18 Junho, 2020
Para muitas pessoas, os túmulos de animais são algo que desperta grande interesse, principalmente aqueles muito antigos, já que nos mostram quais animais conviveram com os nossos ancestrais.
 

Ao longo da história, os túmulos de animais estiveram presentes em várias civilizações, o que mostra o respeito e o interesse dos povos antigos pelos animais em geral e até mesmo pelos animais de estimação ao longo da história. A descoberta mais recente desse tipo não deixa de ser surpreendente, pois se trata de um macaco de 4.000 anos enterrado no Irã.

Túmulos de animais

Há milênios, a nossa espécie sente a necessidade de realizar ritos relacionados à morte, certamente para tornar o fim da vida algo mais fácil para nós.

Os ritos fúnebres, tais como os enterros, são comuns em todas as culturas humanas, e existem muitas civilizações que praticam até mesmo o enterro de animais, tais como os egípcios. Assim, não é nenhuma surpresa encontrar túmulos de animais como o que estamos abordando.

A descoberta desses túmulos de animais ocorreu em Shahr-e Sūkhté, conhecida como a cidade queimada. Esse local antigo é da Idade do Bronze, está localizado no atual Irã e, embora já tenha apresentado muitas surpresas para o mundo da arqueologia, poucos esperavam encontrar túmulos de animais tão curiosos quanto o de um macaco-rhesus (Macaca mulatta).

Túmulos de animais
 

Mais especificamente, os túmulos de animais dessa cidade contêm cabras ou cães. Por isso, a descoberta de um jovem macaco que morreu aos cinco anos de idade chama a atenção. 

O mais misterioso é que o túmulo é muito semelhante aos que eram usados para crianças humanas naquela mesma cidade, já que o animal estava em um túmulo simples ao lado de um vaso.

Curiosamente, foi visto como o animal apresentava uma calcificação distrófica no fêmur, uma doença que provavelmente teve a ver com a sua vida em cativeiro em condições precárias.

Além disso, esses animais vivem no sul da Ásia e, portanto, tiveram que ser exportados para que se tornassem o animal de estimação de alguma pessoa de classe alta.

Os macacos-rhesus

Os macacos-rhesus são animais muito curiosos. Esses macacos, dos quais um exemplar apareceu nesse túmulo milenar, são primatas do Velho Mundo que vivem em vários países do sul da Ásia, tais como China e Índia. 

Em geral, pesam cerca de cinco quilos e atingem uma altura de cerca de 60 centímetros. Eles têm uma pelagem que varia do cinza até o marrom e podem viver por mais de 25 anos em cativeiro.

Túmulos de animais
 

São animais que estão intimamente relacionados à nossa espécie. Eles não são comuns apenas em muitas cidades do norte da Índia: o fator Rh dos nossos grupos sanguíneos recebe esse nome por causa desses animais, pois foi nesse animal que esse aspecto foi identificado pela primeira vez.

É uma das espécies com maior destaque no campo da pesquisa: desde os cruéis estudos de apego de Harlow até os programas da NASA, além da clonagem, como aconteceu com a ovelha Dolly.

Algo curioso sobre essa espécie é que a maioria dos estudos sobre o seu comportamento natural não foi realizada no seu habitat. Nativos da Ásia, existe uma população de macacos-rhesus em uma ilha de Porto Rico que são usados para pesquisas. Quem imaginaria que os túmulos de animais poderiam conter histórias tão curiosas?

 

Minniti, C., & Sajjadi, S. M. S. New data on non‐human primates from the ancient Near East: the recent discovery of a rhesus macaque burial at Shahr‐i Sokhta (Iran). International Journal of Osteoarchaeology.