O verme-lula que vive nas profundezas

19 Agosto, 2020
O verme-lula é um anelídeo tão peculiar que, após sua recente descoberta, é considerado a única espécie de seu gênero.

O verme-lula (Teuthidodrilus samae) é uma espécie curiosa pertencente à família dos anelídeos. Esse pequeno e peculiar animal invertebrado de aparência vermiforme vive nas regiões abissais. Atualmente, sua descoberta causou furor na internet e na comunidade científica.

De acordo com pesquisadores do Instituto Oceanográfico Woods Hole e da Instituição Scripps da Califórnia, essa é uma descoberta muito importante, pois outro espécime com características semelhantes é, até esse momento, desconhecido. De fato, o verme-lula é, por enquanto, o único membro de seu gênero.

A seguir, convidamos você a ler mais sobre o peculiar verme-lula, que recentemente emergiu do fundo do mar.

O que são os anelídeos?

Os anelídeos formam um enorme grupo de animais invertebrados protostômios, ou seja, com simetria bilateral. Sua característica mais importante é o corpo de aparência vermiforme, que é segmentado em anéis semelhantes entre si. O nome ‘anelídeo’ refere-se precisamente a essa segmentação específica.

Um fato curioso é que a anatomia interna de cada anel (metâmero) mostra uma repetição exata de vários órgãosEm outras palavras, várias estruturas fisiológicas são repetidas em cada anel do corpo desses animais, o que os torna simétricos por dentro e por fora.

Atualmente, mais de 16.500 espécies de anelídeos foram identificadas, incluindo minhocas, sanguessugas e o verme-lula.

Características físicas do verme-lula

Como a maioria dos anelídeos, o verme-lula possui uma aparência bastante peculiar que, para muitas pessoas, não é atraente. Seu corpo geralmente mede cerca de nove centímetros e exibe 25 pares de pequenas cerdas brancas, chamadas parapódio, de cada lado.

Da sua porção cefálica nascem 10 apêndices cuja forma se assemelha muito a tentáculos ou braços muito finos. Daí o seu nome popular, uma vez que esses apêndices se assemelham aos de uma lula.

Enquanto seus pequenos tentáculos são usados ​​para se mover na água, o papel dos grandes tentáculos ainda está sendo investigado. No entanto, a hipótese mais aceita sugere que eles serviriam para se alimentar da neve marinha.

verme-lula

Durante o primeiro estágio de suas vidas, os vermes-lula são transparentes e é quase impossível identificá-los nas profundezas. Quando atingem a idade adulta, sua coloração muda, seu corpo se torna ainda mais gelatinoso e de cor marrom escura.

Habitat natural e descoberta do verme-lula

Embora possa ter existido por muitos séculos, o verme da lula foi descoberto em 2007. Ao observar essa espécie abissal desconhecida pela primeira vez, os pesquisadores coletaram vários espécimes que viviam entre 2.000 e 3.000 metros de profundidade.

Os espécimes coletados se deslocavam com a ajuda de suas pequenas cerdas apenas a 100 metros acima do fundo do mar. Sua preferência por essa região não é mera coincidência, pois eles podem encontrar plâncton abundante, que é a base de sua nutrição.

Aparentemente, seria uma espécie endêmica do mar de Celebes, localizada entre a Indonésia e as Filipinas. Depois de descrever essa nova espécie, os pesquisadores agora se dedicam a descobrir se há outras espécies pertencentes ao mesmo gênero. Seja em Celebes ou nas profundezas de ecossistemas semelhantes.

Vale notar também que em 2004 alguns pesquisadores observaram um animal de aparência muito semelhante na Índia. Mas, como não o capturaram, não é possível confirmar sua relação com o verme-lula.

Alimentação e reprodução

Como mencionamos, os vermes-lula se alimentam principalmente de plâncton marinho disponível em grandes profundidadesNo entanto, os pesquisadores ainda estão trabalhando para ver se sua dieta também pode incluir outros microrganismos abissais.

Em relação à reprodução, teremos que aguardar novos avanços da comunidade científica para fornecer dados precisos.

Sendo um filo heterogêneo, os anelídeos podem se reproduzir de forma sexuada ou assexuada, por fertilização interna ou externa. Além disso, alguns anelídeos são hermafroditas, enquanto outros têm sexo definido.

Os anelídeos geralmente têm sexos separados e adotam fertilização externa ao acasalar. Em algumas espécies, o estágio larval não existe, embora essa não seja uma característica muito comum. À medida que crescem, os vermes desenvolvem seus anéis um por um, até atingirem a idade adulta.