Abordagem da saúde neurológica em pequenos animais

11 Outubro, 2020
A falta de saúde neurológica afeta muitos aspectos do dia a dia dos animais de estimação: andar, correr, abanar o rabo e até mesmo nos ver e ouvir podem se tornar verdadeiros desafios - sem falar em possíveis transtornos muito mais graves. Então, como esse assunto deve ser abordado na clínica veterinária?

São relativamente poucas as doenças que afetam o sistema nervoso e colocam em risco a vida do paciente. No entanto, aquelas que o fazem devem ser reconhecidas como tal e tratadas de forma adequada. É por isso que é tão necessário seguir uma série de etapas para tratar da saúde neurológica dos animais de estimação.

Talvez a coisa mais importante a levar em consideração é que muitas patologias afetam o sistema nervoso de forma retardada. E, se não forem identificadas e tratadas precocemente, podem deteriorar gravemente a saúde do animal. Existe a possibilidade de que essas doenças surjam de forma silenciosa e, se o veterinário não prestar atenção, elas acabam sendo implacáveis ​​em sua progressão.

Gestão de emergência da saúde neurológica

Sempre que possível, é recomendado um exame neurológico completo no início da avaliação do paciente. Porém, se estivermos agindo contra o relógio, um estudo mais abreviado pode ser realizado. É necessário um procedimento que fornece informações suficientes para:

  • elaborar uma lista de possíveis problemas,
  • localizar lesões,
  • e priorizar o atendimento.

Exame neurológico de emergência

Em termos gerais, envolve a avaliação de três componentes: a capacidade de locomoção, o estado mental e a função dos nervos cranianos.

Locomoção e saúde neurológica

São várias as perguntas que devem ser feitas para avaliar a saúde neurológica com base na capacidade de locomoção:

  • O animal pode andar? Se puder, o faz de forma normal ou anormal? Se for anormal, há ataxia?
  • Quais membros são afetados? Os traseiros? Os quatro? Apenas de um lado do corpo?
  • O animal está girando ou se movendo freneticamente?
  • Se o animal não anda, existe uma função motora involuntária, por exemplo, reflexo de joelho?

Estado mental

Você deve começar avaliando o nível de consciência do animal. Ele está alerta ou sonolento? Basta olhar para a resposta (ou a falta dela) ao bater palmas.

Procuramos uma reação ao tocar sua face, principalmente a região nasal, olhos e orelhas. Se não houver resposta ao som ou ao toque, é hora de recorrer a um estímulo ligeiramente doloroso, por exemplo, beliscar o nariz ou os lábios.

Nervos cranianos

O exame dos nervos cranianos geralmente é suficiente para localizar a lesão e fornecer uma indicação de sua gravidade. Os nervos a serem avaliados seriam:

  • nervos cranianos II e III, em busca do reflexo pupilar à luz.
  • nervo craniano número III, verificando o tamanho da pupila e sua simetria em ambos os olhos.
  • nervo craniano número II, buscando o reflexo de ameaça. Ocorre alguma piscada e/ou retração do globo ocular quando o olho é ameaçado?
  • nervos cranianos III, IV, VI e VIII, em busca do reflexo vestibulo-ocular, ou seja, o nistagmo fisiológico normal do olho, por meio dos movimentos horizontais e verticais da cabeça.
  • nervos cranianos IX, X e XII, procurando o reflexo de vômito.

Triagem para Emergências de Saúde Neurológica

Quando se trata de uma emergência, é importante priorizar os problemas do paciente e tratá-los de forma adequada e sistemática. Isso se aplica tanto a emergências neurológicas quanto àquelas que afetam outros sistemas do corpo.

Após o exame neurológico, deverá ser possível localizar a lesão do paciente em uma ou mais das seguintes categorias: intracraniana, espinhal (envolvendo um segmento específico da medula), periférica ou a opção mais complexa, lesão multifocal.

Pacientes que precisam de atendimento prioritário

Os resultados do exame neurológico ajudam a identificar as partes do sistema nervoso que não estão funcionando corretamente. A próxima etapa é determinar qual processo da doença está danificando o sistema, causando a disfunção do nervo. Isso nem sempre é possível em um ambiente de emergência.

Portanto, a prioridade número um para o veterinário é identificar os problemas neurológicos que podem colocar em perigo imediato a vida do paciente. Por exemplo, a perda de consciência, o coma, um traumatismo craniano, convulsões ou estado epilético.

Importância da saúde neurológica dos animais

A importância da saúde neurológica em pequenos animais

Doenças que em humanos geralmente são críticas e que afetam a saúde neurológica, em animais de estimação não são necessariamente assim. É o caso de algumas encefalopatias, distúrbios vestibulares ou cerebrais, doenças que causam para/tetraparesia, etc.

Porém, se não forem diagnosticados e a terapia adequada não for iniciada, pode ocorrer uma deterioração do animal de modo que afete toda a sua vida.

Por exemplo, é comum que um cliente opte pela eutanásia em um cão paraplégico. Porém, é uma condição que não precisa ser fatal e, com um bom acompanhamento, o animal pode manter sua qualidade de vida praticamente intacta.

  • King L, Boag A. BSAVA manual of canine and feline emergency and critical care. 2nd ed.