O coala: um mestre da adaptação ao meio ambiente

09 Novembro, 2020
Entre os muitos fatos curiosos sobre o coala, destaca-se sua alimentação especial: o consumo de folhas de eucalipto.

O coala (Phascolarctos cinereus) é o marsupial cuja imagem todos associamos à sua terra natal, a Austrália. Seu nome significa “aquele que não bebe”.

O indefeso coala é a última espécie viva da família dos fascolarctídeos, marsupiais que se extinguiram há milhões de anos. Na verdade, o único parente vivo mais próximo é o wombat (da família Vombatidae), que junto com outras famílias extintas, constitui a subordem diminuída dos Vombatiformes.

Um mamífero singular

É interessante saber que a palavra coala na língua aborígene significa “sem beber”. Isso se refere ao fato de que essa espécie de arbórea não se move em busca de fontes de água. Assim, acredita-se que o animal obtém toda a água de que necessita das folhas de eucalipto que ingere.

Sem dúvida, comer eucalipto obedecia a uma estratégia de sobrevivência, já que naquele nicho não haveria concorrentes. No entanto, as mesmas adaptações que lhe permitiram sobreviver com esse recurso como alimento, hoje tornam essa espécie vulnerável.

Isso acontece porque a floresta de eucalipto pode se esgotar. Portanto, compreender e revelar as necessidades específicas do coala é outro passo em seus esforços de conservação.

Um mamífero singular

Eucalipto: uma dieta altamente específica para o coala

Ao longo da evolução, o coala adquiriu uma especialização requintada para subsistir com uma dieta quase exclusiva à base de folhas de eucalipto. Essa especialização é característica, pois das 600 espécies de eucalipto que crescem na sua área de distribuição, ele só come cerca de 30 delas.

Do ponto de vista nutricional, as folhas de eucalipto são um alimento pobre, rico em fibras e pobre em nitrogênio. A principal adaptação do coala para digerir 1,3 quilo de folhas de eucalipto diariamente é ter desenvolvido bastante a porção intestinal chamada ceco.

Esse segmento tem cerca de dois metros de comprimento, muito maior do que os seis centímetros que mede em humanos. Graças a esse extenso ceco, a capacidade de fermentação microbiana é aumentada, melhorando a obtenção de nutrientes. Também é no ceco que ocorre o aproveitamento da água contida nas folhas.

Adaptação à toxicidade

Há uma razão pela qual comer eucalipto não é comum nos animais: é uma planta rica em taninos e outros compostos altamente tóxicos, como os terpenos, que também são compostos voláteis que exalam um cheiro característico.

Para aproveitar o eucalipto como alimento, o coala desenvolveu várias estratégias:

  • A saliva ideal: contém proteínas que se ligam aos taninos e os “sequestram”, evitando o seu efeito.
  • Um olfato especializado: os coalas quase sempre cheiram cuidadosamente o alimento antes de comer. Após o sequenciamento do genoma do coala, constatou-se que, em comparação com outras espécies, ele possui um número aumentado de genes para receptores olfativos.
  • Paladar sensível: eles também identificaram uma expansão da linhagem do gene do receptor vomeronasal tipo 1 (V1R), que é consistente com um aumento da capacidade de detectar, através da degustação, os metabólitos secundários tóxicos da planta.

As bactérias intestinais são essenciais para viver à base de eucalipto

Nessa espécie, o período de lactação dos filhotes dura até doze meses. Por volta dos seis meses, a mãe começa a preparar o filhote para a dieta de eucalipto. Assim, a mãe pré-digere as folhas e produz uma papinha fecal que o jovem ingere diretamente de sua cloaca.

A composição dessa papinha é muito diferente da das fezes normais, assemelhando-se mais ao conteúdo do ceco, e possui alta concentração das bactérias que ali residem. O filhote se alimenta dessa papinha por cerca de um mês. Ela é considerada a dieta de transição para o filhote conseguir digerir sozinho a alimentação do adulto.

Quando nasce, o intestino do coala não contém essas bactérias, e sem elas ele não seria capaz de extrair valor nutritivo suficiente das plantas.

O coala sabe como tirar proveito da água

De acordo com estudos sobre o comportamento do coala, ficou estabelecido que a umidade contida nas folhas do eucalipto é a principal fonte de água do animal, embora a ingestão seja complementada com água da chuva ou orvalho da manhã.

Além disso, para conservar uma maior quantidade de água corporal, o coala reduz quase que completamente a umidade das fezes, já que suas fezes são bolinhas duras muito semelhantes às do camelo.

No entanto, é surpreendente saber que a função renal do coala não se assemelha a dos animais adaptados ao deserto, sendo típica dos seres vivos que habitam ambientes com grande disponibilidade de água.

Um dos segredos para viver “sem beber” foi revelado recentemente, quando a análise do genoma do coala foi concluída. O estudo descobriu que a língua deles pode superexpressar uma proteína com alta afinidade pela água, uma aquaporinaEssa característica, portanto, pode dar ao coala a capacidade de “saborear a água” e consumir seletivamente as folhas com mais umidade.

O coala sabe como tirar proveito da água

Precioso e ameaçado

De acordo com a Lei de Conservação da Natureza de Queensland de 1992, os coalas são classificados como vulneráveis ​​em toda a Austrália e são uma espécie protegida. Em 2012, o Comitê Científico de Espécies Ameaçadas estimou a taxa de declínio no tamanho da população em 28%.

Essa taxa é substancialmente influenciada por um severo declínio nas florestas nas regiões do interior australiano, a maioria exposta à recente seca.

  • Mella, V. S., McArthur, C., Krockenberger, M. B., Frend, R., & Crowther, M. S. (2019). Needing a drink: Rainfall and temperature drive the use of free water by a threatened arboreal folivore. PloS one, 14(5).
  • Morton, S. R., & Dickman, C. R. (2008). The mammals of Australia. 132-133.
  • Wu, H. (2018). Influence of leaf chemistry on dietary choice and habitat quality of koala (Phascolarctos cinereus) populations in southwest Queensland. https://espace.library.uq.edu.au/view/UQ:5f8b2c4/s4195339_phd_finalthesis.pdf?dsi_version=65216c02100992e8a9de6322690451ea
  • Brice, K. L., Trivedi, P., Jeffries, T. C., Blyton, M. D., Mitchell, C., Singh, B. K., & Moore, B. D. (2019). The Koala (Phascolarctos cinereus) faecal microbiome differs with diet in a wild population. PeerJ, 7, e6534.
  • Osawa, R., Blanshard, W. H., & Ocallaghan, P. G. (1993). Microbiological studies of the intestinal microflora of the koala, Phascolarctos cinereus. II. Pap, a special maternal feces consumed by juvenile koalas. Australian Journal of Zoology, 41, 611–620.
  • Johnson, R. N., O’Meally, D., Chen, Z., Etherington, G. J., Ho, S. Y., Nash, W. J., … & Peel, E. (2018). Adaptation and conservation insights from the koala genome. Nature genetics, 50(8), 1102-1111. https://www.nature.com/articles/s41588-018-0153-5?dom=scribd&src=syn
  • Mella, V. S., Orr, C., Hall, L., Velasco, S., & Madani, G. (2020). An insight into natural koala drinking behaviour. Ethology. https://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1111/eth.13032
  • Degabriele, R. (1980). The physiology of the koala. Scientific American243(1), 110-117.
  • Laurin, M., Everett, M. L., & Parker, W. (2011). The cecal appendix: one more immune component with a function disturbed by post‐industrial culture. The Anatomical Record: Advances in Integrative Anatomy and Evolutionary Biology, 294(4), 567-579.